Estância (SE): festejos juninos arretado de bom

0

Matriz de Nossa Senhora de Gradalupe

Estância, cidade localizada a poucos 66km da capital, Aracaju, é considerada a Capital Nacional do Barco de Fogo, Berço da Imprensa Sergipana, cidade cultural e musical.  O traçado urbano proporciona ao visitante sobrados datados do século XVIII cobertos por azulejos portugueses, além de uma ruinas de vila operária e o fabrico dos tradicionais fogos de artifícios, principalmente o sergipaníssimo barco de fogo, patrimônio imaterial e cultural de Sergipe.

É nesta temporada do ano que a cidade recebe mais visitantes em busca de suas tradições, festejos e gastronomia. É em Estância também que os festejos juninos duram mais de 30 dias, iluminado pelos fogos de artifício, no compasso das quadrilhas juninas, das batucadas e dos shows musicais.

Casarios coloniais e azulejos portugueses

Casinhas multicoloridas recebem os visitantes e bandeirolas cobrem as ruas da cidade para receber bem os turistas. Falar de São João de Estância é, musicalmente, documentar as letras e cores de Jorge Maravilha e a batucada do Seu Bebeço (José Domingos dos Santos). É percorrer as ruas do bairro Porto D’Areia e pedir a passagem aos filhos ilustres da comunidade remanescente de quilombo, Raimundo Souza Dantas (1923 – 2002), primeiro desembargador negro do Brasil, embaixador do Brasil em Gana e na Argentina; e Mestre Paulo dos Anjos, importante capoeirista que construiu a história do movimento em Salvador e São Paulo. É adentrar nas tradições seculares de Estância, Cidade Berço da Imprensa Sergipana com seu jornal Recopilador Sergipano.

Barco de fogo ilumina as noites. Foto: Márcio Garcez

O município ganhou esse nome ainda em tempo de povoamento, no século XVII, quando os seus primeiros colonizadores, principalmente o mexicano Pedro Homem da Costa, a denominava de Estância por conta da quantidade de propriedade de criação de gado e os seus ocupantes chamados de estancieiros.

Não é por menos que a catedral de Estância é devota a Nossa Senhora de Guadalupe, santa bastante apreciada pelos mexicanos.  Situada no Paço Municipal, entre vários casarios colônias da praça Barão do Rio Branco, a Igreja Matriz é uma obra do século XVIII, edificada em arenito, cal e grossos tijolos, com marcante presença do estilo jesuítico. No teto da capela-mor há painel representativo da Santíssima Trindade, atribuído ao artista plástico João Pequeno.

Pólvora, limalha e cachaça

Guerra de Espadas. Foto: Márcio Garcez

Em temporada de junho, o patrimônio histórico da cidade é palco das tradições juninas e referencia seu principal símbolo: o barco de fogo, fotografado, amado e documentado como Patrimônio Imaterial de Sergipe desde 2013.

Um barco decorado com bandeirinhas e coloridas estampas percorre um fio de aço, e pela força de espadas de fogo, é tracionado até chegar ao final. Ao percorrer determinado percurso, os fogos de artifícios colocados no artefato promovem a tração inversa, fazendo com que o barco retorne.
O fabrico é, principalmente, realizado por fogueteiros do bairro Porto da Areia, que também mantém a tradição do pisa-pólvora para a confecção de espadas, pitus, entre outros fogos de artifícios.

Fabrico dos artefatos

“Começamos a fabricar em novembro e já chegamos a produzir mais de 2 mil dúzias de espadas”, conta o fogueteiro Paulo Matocelle, sem deixar de pisar o barro que ocupará parte da bitola do bambu, juntamente com pólvora, limalha e cachaça. Isso mesmo, os fogueteiros utilizam a “branquinha” para selar a pólvora e o barro que comporá as espadas.

O fabrico dos artefatos de fogo é tradição no bairro e movimenta a economia local nesta temporada do ano. Um barco de fogo chega a ser vendido por mais de R$ 700 reais e a tradição manda ir e vir. “Se o barco de fogo não voltar, pode voltar que devolvemos o dinheiro”, afirma Matocelle.
Nas noites de festejos juninos de Estância também há os acordes da Lira Carlos Gomes, instituição musical não governamental fundada em 1879, ou seja, 138 anos de fundação. A Lira funciona no antigo casarão de Gilberto Amado, primo de Jorge Amado e personalidade ilustre do mundo jurídico sergipano.

Pólvora, limalha e cachaça

Melhor conhecer Estância nesta temporada do ano, quando a musicalidade dos grupos folclóricos ganham às ruas e o brilho dos fogos de artifícios iluminam as noites, no compaço do triângulo, da zabumba e da sanfona. Estância é pura sergipanidade.

Dicas de viagem

  • Não deixe também de conhecer em Estância os tradicionais casarões coloniais da avenida Gumercindo Bessa e a história de Jorge Amado na cidade.

  • Pólvora para espadas

    O município de Estância está localizado no território sul sergipano com sede a poucos 66km da capital. Para se chegar até lá, há duas opções: partindo pela BR 235 e seguindo pela 101 ou pela região litorânea, percorrendo as praias do litoral aracajuano, passando pela zona de expansão da capital denominada de Mosqueiro, pela ponte Joel Silveira, adentrando o município de Itaporanga D’Ájuda, e chegando a zona de praia estanciana.

  • Turisticamente falando, as praias estancianas ficam a pouco mais de 20km distante da sede nos loteamentos Abaís e Saco, que nomeiam as praias locais. A região entrecortada por rios e dunas promovem paisagens de belezas e que a partir dos anos 80 passou a despertar o olhar da especulação imobiliário e do turismo para a região. Recentemente a ocupação desregular tem provocando um forte erosão das zonas de praias.

  • O turismo da região se reinventava com a criação da Associação de Bugueiros, que fazia passeios de buggy pelas dunas. O passeio está proibindo, mas a celeuma continua a tramitar na justiça.

  • Espadas

    Por ser um litoral abençoado de beleza, durante o ano a região recebe campeonatos de pesca, inclusive com a etapa nacional de pesca. São duas principais praias: Abaís e Saco. Localizada a 26km da cidade, a praia de Abaís é cercada por dunas, e ideal para pesca e para os que gostam de praticar esportes ao ar livre, por conta das correntes marinhas. Ao longo de sua orla encontra-se bares e barracas.

  • Fora do centro da cidade é possível conhecer a famosa ponte histórica sobre o rio Piautinga, que interliga a cidade ao bairro do Bomfim.

  • As velhas fábricas do bairro Bomfim merecem ser visitadas. Entre em contato com antecedência com o setor de Turismo da Prefeitura Municipal ou com seu agente de viagem. Telefone da Secretaria de Turismo e Comunicação Social – 79 3522 2720.

Comentários