João é o coelho

0

Enquanto o DEM em peso aposta como João Alves Filho topará concorrer a Prefeitura de Aracaju, muita gente acredita que tudo não passa de um balão de ensaio para manter acesa entre os demistas a chama da disputa. Embora sinalize com tal possibilidade, o próprio João desconversa quando questionado sobre o assunto. Ele nunca disputou uma eleição direta para prefeito e sabe que precisará fazer das tripas coração para derrotar os governistas, que controlam as máquinas públicas do Município, Estado e Governo Federal. Para os mais céticos, Alves Filho não passa de um “coelho’, que vem a ser aquele atleta contratado para puxar a velocidade nas maratonas. Neste quesito, ele tem se saído muito bem, pois os demais partidos não escondem a pressa para alcançá-lo nas pesquisas de intenção de voto feitas até agora.

Pediu penico

Preso por porte de arma, o mineiro Hélio Marcio Pereira não esperava que a fiança arbitrada para ser solto fosse tão elevada: R$ 54,6 milhões. Diante disso, pediu à advogada Marise Alves para perguntar ao juiz de Direito Marcelon Gurgel se não houve equívoco na hora de digitar o valor da fiança. “Esse valor é exorbitante e não corresponde à condição financeira do meu cliente”, reclama Marise. Caso o juiz não aceite reduzir a finança, a advogada promete impetrar um habeas corpus no Tribunal de Justiça.

Sonha alto

O secretário estadual de Turismo, Elber Batalha Filho, sonha com muita ‘grana’ para investir no setor em Sergipe. Reunido ontem com empresário do comércio, ele disse que existe a possibilidade de a Secretaria fazer um empréstimo de R$ 100 milhões para aplicar em obras voltadas para o turismo. Muitos varejistas acharam a notícia genial, mas prometem só comemorar quando o empréstimo sonhado por Elber for efetivado. Estão certos!

Bico doce

A presidente Dilma Roussef (PT) trabalha para conseguir o que não conseguiu Lula (PT): convencer a Petrobras a dar licença para que a Companhia Vale implante em Sergipe a maior planta de extração de potássio do Brasil. Há muito que o governador Marcelo Déda (PT) luta pela concessão da licença para a implantação do bilionário projeto, contudo a Petrobras insiste em fazer bico doce. Enquanto não receber a tal licença, a Vale não mete a mão no bolso para investir a bagatela de R$ 3,5 bilhões.

Empréstimo

A Prefeitura de Aracaju vai tomar um empréstimo de 30,2 milhões de dólares ao Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). O principal projeto a ser executado com estes recursos é a abertura de um novo eixo viário, que passará pela ponte Procurador Gilberto Vila Nova de Carvalho, sobre o Rio Poxim, ligando os conjuntos Inácio Barbosa e Augusto Franco. A assinatura do termo contratual de empréstimo acontecerá nesta sexta-feira, na sede do BID, em Brasília.

Dando exemplo

E quem está em Aracaju é o chefe de gabinete do Ministro da Saúde, Mozart Sales. Veio conhecer a experiência de Sergipe referente ao decreto 7508, que regulamenta a lei 8080, e verificar como o Estado estabeleceu as relações interfederativas e os resultados dessa legislação estadual. A idéia do Ministério é que Sergipe sirva de projeto piloto e modelo para o Brasil.  A lei 8080 regulamenta o papel do SUS no Brasil.

Cabos eleitorais

Os empreiteiros estão tiriricas com o governo do Estado porque não recebem pelas obras que executam. Por conta de disputas judiciais com empregados, a Companhia Estadual de Habitação de Obras Públicas (Cehop) tem tido bloqueados judicialmente os recursos para pagar às construtoras. Invocados com o problema, os empreiteiros prometem agir como cabos eleitorais em favor dos candidatos a prefeito lançados pela oposição. Abra o olho, Déda!

Tá invocado

Não chamem para a mesma mesa o ex-deputado estadual Renato Brandão (PMDB) e o ainda prefeito de Propriá, Paulo Britto (PT). Renatinho está invocado porque o petista decidiu renunciar em favor do vice José Américo (PSC). Segundo o peemedebista, Britto é arrogante e nunca gostou de política. Diante da decisão do prefeito, Brandão pensa em disputar a Prefeitura propriaense contra José Américo. Essa briga promete!

Sem acordo

Cansados de esperar uma contra-proposta descente dos patrões, jornalistas e radialistas realizaram mais um ato público para condenar a baixa remuneração das duas categorias. O ato aconteceu ontem , no centro de Aracaju. Os profissionais de comunicação lutam por reposição salarial de 9%, além da implementação de alguma cláusula social proposta na pauta de reivindicações das categorias. Os patrões só aceitam negociar 7% de reajuste e nada mais.

Do baú político

A coluna se socorre hoje com o jornalista e escritor Sebastião Nery, que em seu livro “Folclore Político” escreveu o seguinte: “Abril de 1964, logo após o golpe. O depois prefeito de Aracaju, Jackson Barreto, trabalhava na Agência Copacabana de Correios e Telégrafos, na praça 15, no Rio. Da agência Deodoro, onde fica o quartel do Exército, chega um telegrama para o Ministério: ‘Senhor General BDA fulano de tal, etc’. Um colega de Jackson ficou sem saber o que era BDA e traduziu: ‘Senhor General da Banda, fulano de tal, etc’. Horas depois, entra na agência uma patrulha do Exército, de ventas acesas: ‘Quem foi o engraçadinho do telegrafista que fez gozação com o  senhor general-de-brigada?’. Um mês suspenso por conta da banda que era brigada.”.

Resumo dos jornais

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários