Maioria insegura

0

O apoio de 20 dos 24 deputados estaduais não dá ao governo a certeza de aprovar sem susto os projetos que envia para a Assembléia. Prova disso foi dada ontem na votação do pacote de matérias encaminhado ao Legislativo. Para conseguir os 13 votos necessários à aprovação dos projetos, foi preciso suspender a licença médica do deputado Luiz Mitidieri e exonerar o secretário Zeca da Silva para que este reassumisse às pressas a cadeira de parlamentar. Além disso, o próprio governador Marcelo Déda gastou muito saliva para convencer os deputados aliados a votarem no projeto que reestrutura a carreira do Magistério. Mesmo com apenas quatro integrantes, a oposição fez barulho e festejou os votos contrários dos deputados governistas José Franco, capitão Samuel, Maria Mendonça e Ana Lúcia. Como se vê, foi-se o tempo do rolo compressor, que garantia ao Executivo a segurança de aprovar o que desejasse na Assembléia.

Perdeu a esportiva

Após a aprovação do projeto que reestrutura a carreira do Magistério Estadual, a presidente do Sindicato dos Professores, Ângela Melo, chamou o vice-presidente do PT, Casa Grande, de vassalo do deputado Francisco Gualberto. A atitude provocou forte reação dos parlamentares, principalmente de João Daniel e do próprio Gualberto, que exigiram respeito ao dirigente petista.

Fora do Estado

O ex-deputado estadual João das Graças (PT do B), secretário de Relações Institucionais e Articulação Política, teve um forte motivo para não aparecer anteontem e ontem na Assembléia. A ausência dele foi notada, pois três outros secretários estiveram no Legislativo tentando convencer os deputados a votarem nos projetos do governo. João das Graças se encontra em São Paulo acompanhando o pai, que passa por sério tratamento de saúde. Tá explicado!

Vitória do fumo

Os maços de cigarro da empresa Souza Cruz podem deixar de exibir seis das 10 mensagens antifumo que se tornaram obrigatórias em 2008 com uma resolução da Anvisa. A Sexta Turma Especializada do Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF2) decidiu ontem, por maioria, que as mensagens fortes representam uma degradação da imagem da empresa. A decisão pode influenciar pedidos semelhantes por outras empresas de cigarros, já que abre um precedente jurídico.

Outra chance

Hoje é o último dia para fazer o cadastramento biométrico e quem não conseguiu terá o título cancelado. Isso não quer dizer, contudo, que o retardatário deixará de votar nas eleições do próximo ano, pois o calendário da Justiça Eleitoral estabelece que 9 de maio de 2012 é o último dia para requerer inscrição eleitoral ou transferência de domicílio. Ou seja, pagando uma pequena multa por não ter feito o cadastramento biométrico no prazo, será possível tirar um novo título.

Pé na estrada

O governador Marcelo Déda coloca o pé na estrada daqui a pouco para inaugurar obras em 10 municípios do Médio Sertão, Sertão e Baixo São Francisco. Durante todo o dia e parte da noite, ele e comitiva vão entregar à população novas rodovias estaduais. O périplo governamental passará por Feira Nova, Graccho Cardoso, Itabi, Gararu, Cedro de São João, Telha, Propriá, Amparo do São Francisco, Canhoba e Nossa Senhora de Lourdes. Haja fôlego!

Ficha limpa

A decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre a validade da Lei da Ficha Limpa vai ficar mesmo para o ano que vem. Quem pensa assim é o vice-presidente do STF, ministro Carlos Ayres Britto. Sobre a decisão do Supremo de determinar a posse de Jader Barbalho como senador pelo Pará no lugar de Marinor Brito (PSOL), Britto negou que a Corte cedeu às pressões do PMDB para autorizar a posse: “Não existe isso. O Supremo é como deve ser o Poder Judiciário. Altivo, independente, decide a partir de critérios rigorosamente técnicos”.

Clima

O deputado federal Márcio Macêdo (PT) apresentou ontem o relatório final sobre o trabalho da Comissão Mista Permanente de Mudanças Climáticas do Congresso. Relator da comissão, o petista destacou as ações do Brasil para reduzir as emissões dos gases do efeito estufa e cobrou dos congressistas o cumprimento da legislação na discussão sobre o novo código florestal e a aprovação de projetos de lei que regulamentam o controle do desmatamento das florestas.

Casa nova

A Caixa Econômica Federal vai entregar segunda-feira próxima 369 unidades do Residencial Vila Real. O conjunto residencial fica no povoado Oco do Pau, em São Cristóvão, e foi construído com recursos do Programa Minha Casa Minha Vida destinado a famílias com renda até R$ 1,6 mil. O evento será prestigiado pelo vice-governador, Jackson Barreto, o prefeito de São Cristóvão, Alex Andrade, e o superintendente regional da Caixa Luciano Pimentel.

Do baú político

Uma decisão do então prefeito de Aracaju, José Conrado de Araújo (1959/1961), causou forte reação popular. No final do seu primeiro ano de mandato, ele resolveu tirar as festas natalinas do Parque Teófilo Dantas, colocando-as na área onde existia o Morro do Bomfim, ali onde hoje está a rodoviária velha. Diferente do Parque, que era todo urbanizado, o novo local não possuía qualquer arborização, e a forte poeira afugentava as pessoas. Os vereadores oposicionistas fizeram duras críticas à mudança, conseguindo o apoio de boa parte da população. Conrado bateu o pé, disse que não voltava atrás em sua decisão e que tudo não passava de intrigas da oposição, porém as queixas só aumentavam. Percebendo que a manutenção das festas natalinas no novo local poderia lhe render uma derrota política, o prefeito capitulou. O Parque voltou a abrigar o carrossel de ‘Seu Tobias’, as coloridas roletas, roda gigante, barracas de bebidas e comidas típicas, os namoros joviais e os chamegos de boêmios e prostitutas nos fundos da Catedral. Em 1979, o ex-prefeito Heráclito Rollemberg tirou em definitivo as festas de Natal do Parque Teófilo Dantas.

Resumo dos jornais  

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários