MP apura crueldade contra idosa

0

 

No espaço destinado ao leitor aos sábados um caso grave que o MP atua com força em defesa de uma idosa. O nome do leitor que enviou será preservado por conta das possíveis retaliações:  Venho desde o mês de outubro de 2007, acompanhando o caso de uma idosa Senhora Alice Calheiros Roseto (86 anos) que convivia na comunidade denominada “Terra dos Enteais” no município de São Cristóvão povoado Umbaúba. Esta comunidade faz parte da filosofia “Ordem do Graal na Terra” cujo líder espiritual chama-se Sr. Eido Roseto – esposo da Senhora Alice à 52 anos. O referido casal foram os fundadores de tal comunidade e doarão em vida as terras onde foi construída o templo de devoção da ordem filosófica. Como também lotearam parte do terreno a varias famílias que passaram a viver na comunidade. A casa do casal, que considero de classe média alta – possui até piscina, o templo e as demais casas forma a comunidade “Terra dos Enteais”.

 

O problema é que no mês de outubro com o consentimento do esposo um grupo de membros se utilizando da própria formação profissional internará a Senhora Alice no Hospital Universitário na ala psiquiátrica, alegando que a mesma sofria de mal de Alzheimer e que se encontrava agressiva com os membros da comunidade. Após sofrerem muitas pressões por membros da mesma ordem que congregam em Aracaju por considerarem suspeita tal internamento, até porque a Senhora Alice até então era uma idosa muito bem disposta, praticava esportes, comunicativa e que não apresentava sintomas de tal doença. Os referidos membros juntamente com o marido a colocaram contra a sua vontade no Asilo Cidade de Deus em Itabaiana. Com muito esforço, amigos de Dona Alice a localizaram neste Asilo, a mesma encontrava-se em estado depressivo, desnutrida e sem saber o porquê de tamanha maldade se sucedeu na sua vida. Foi conseguido um contato com um irmão em São Paulo, que até então estava enganado sobre o destino da irmã, ao saber que a mesma estava no asilo tomou a providência de denunciar no Ministério Publico. Até porque a mesma tem posses e bens que possibilita a mesma uma condição de vida melhor.

 

Este caso já dura aproximadamente 4 meses e mesmo com a ação do Ministério Publico pouco foi conseguido fazer devido à morosidade de nossa justiça e enquanto isso uma Senhora foi retirada de forma enganosa de seu lar, teve seus bens apropriados pelo marido e por esta comunidade.Hoje com a ajuda dos amigos e com o tipo de tratamento que vem recebendo no Asilo a Senhora Alice vem gradativamente recuperando seu estado de saúde. Já foi comprovado clinicamente que a Senhora Alice não sofre de mal de Alzheimer ( exame solicitado pelo Ministério Publico). O que contradiz com o laudo médico dado pela médica no Hospital Universitário e o que confirma a suspeita de armação.

 

O Ministério Publico vêm agindo e sem sombra de duvida foi quem garantiu o direito de D. Alice de viver, só que é muito lento, pois enquanto isso as pessoas envolvidas neste ato desumano continuam impune, elas feriram de forma gritante o direito de um idoso conforme estabelece o seu Estatuto.Este caso não envolve apenas um marido que rejeita a mulher e de forma monstruosa tenta se livrar dela abandonando no Asilo. Envolve também uma ordem filosófica, uma comunidade e o mais grave foram os bens desta Senhora que deu inicio a fundação desta comunidade. Como alguém doa em vida o que tem e fica na miséria. O incrível é que os membros desta ordem pregam o amor, o ensinamento do Senhor e comungam com este ato tão desumano.  

 

O que realmente sei é que está Senhora deve seu direito de ir e vim caçado, foi levada a uma situação de saúde grave e se não tivesse a intervenção de amigos poderia está morta. A lei que prevaleceu e ainda prevalece é a do dominante, do mais forte. Neste episódio o marido vem sendo o forte junto com seus aliados. A Senhora Alice a dominada. Caro repórter é isso que me causa revolta, porque devemos aceitar tal condição, tal lei. Eu acredito é na lei da justiça, da liberdade, do direito e do Amor, por isso recorro a sua colaboração em poder denunciar tremenda crueldade. Tudo que relatei pode ser comprovado no processo público que corre na procuradoria do Idoso no Ministério Publico de São Cristóvão e no de Itabaiana.

 

Uma história de crueldade

O leitor deve analisar profundamente o caso citado acima. Envolve um hospital que fez um internamento indevido, profissionais médicos que apresentaram laudo,já comprovado pelo Ministério Publico como falso, até usando o próprio nome do MP, uma comunidade formada por uma entidade filosófica da qual esta Senhora faz parte e fez a doação do seus bens, uma casa de idoso que recebe idosos sem as devidas observações citadas no Estatuto do Idoso. É lamentável que coisas desta natureza continuem acontecendo.

 

MST tem seus encantos

Enquanto os sem terra que estão assentados no semi-árido de Sergipe sofrem neste período com a seca, o líder do MST no Estado, João Daniel, desde dezembro participa de um curso de filosofia na Universidade Federal Fluminense, em Niterói (RJ). Só retorna  em fevereiro, depois do carnaval. É a maravilha da ética filosófica e a tragédia sertaneja…

 

Distribuição de carros pipas

A coluna está apurando a denúncia que em Porto Redondo, a liderança do MST, Roberto Araújo vem agindo semelhante aos antigos coronéis: só envia os carros pipas para os seus aliados. Pelo peito muda as figuras, mas as práticas continuam as mesmas.

 

PF investiga bens dos envolvidos na “Navalha”

Deu no JC ontem, 25: A Polícia Federal requereu e o Superior Tribunal de Justiça (STJ) autorizou a investigação da cadeia sucessória dos bens dos três sergipanos que foram presos durante a realização da Operação Navalha. – ex-deputado federal Ivan Paixão, conselheiro do Tribunal de Contas do Estado, Flávio Conceição e o empresário João Alves Neto. Essa iniciativa da PF, com o aval do STJ, implicará em investigações de bens de parentes dos três acusados. Os ofícios chegaram ontem a repartições públicas e cartórios de registro de bens imóveis. Na semana passada teve inicio um levantamento para a decretação de bloqueio de todos os bens dos acusados pela Operação Navalha.

 

Celso Carvalho recebe cumprimentos

 O simão-diense Celso Carvalho, está completando 85 anos de idade, a maior parte da vida dedicada à política, inserindo-se entre tantos patrícios daquele município que parecem que nascem com a política no sangue. Além de vários cargos que vai de prefeito, passando por deputado e até governador do Estado, Celso se revelou um competente negociador político, nunca perdendo a paciência, mostrando uma calma invejável, por isso a brincadeira que ele parecia pertencer a aristocracia e merecia um título nobiliárquico, embora nunca negasse seus princípios democráticos.É dele a frase de que se o político em Sergipe passa um tempo fora dos embates políticos, se quiser retornar é impossível, porque “a canoa aqui (dos cargos eletivos) é muito pequena”.E quem sai ao vento, perde o assento.Políticos de todas as tendências e partidos foram ou mandaram cumprimentos pela passagem do seu aniversário

 

Velho Chico está mostrando os ossos…                                                                                   

A foto ao lado, enviada por uma leitora, comprova a veracidade do que foi escrito no artigo da última quinta-feira, com o título “Velho Chico está mostrando os ossos…” A leitora, que nasceu às margens do Velho Chico disse que nunca viu nos seus 40 anos de vida  uma tristeza tão grande. Sobre o megaprojeto de transposição do rio São Francisco, fica uma pergunta deixada por um leitor: se o período que mais precisamos fornecer água para as famílias que  não tem uma “cuia” de água para beber, é este período de seca, e, este  é o período em que teremos que economizar energia em razão da  diminuição da vazão de regularização do rio, como teremos energia elétrica para mover os conjuntos bombeadores das diversas estações de  bombeamento? Com se vê, a transposição é um projeto que será talvez,  muito pelo contrário, nem que sim nem que não…

 

No Ipes, as mudanças não chegaram

De um leitor: “Estive no Ipes para marcar uma consulta médica. Como funcionário público estadual fui exercer o meu direito de contribuinte. Me lembro que na ultima vez que usufruir desse direito foi há três anos, ainda no governo João Alves. Fui ontem, na expectativa de encontrar algo diferente e melhor. Sair de casa 04h50minh da madrugada e cheguei lá 40 minutos depois. A fila já estava muito grande, já havia muitas pessoas esperando a abertura do portão. Até aí não fiquei surpreso. Porém quando chegou a hora de entrar na sala onde o cidadão aguarda o momento da chamada para a marcação da consulta, vi que nada mudou, um ano de novo governo e a mesmice continua. Sala apertada, que de confortável tem apenas o ar condicionado, muita gente disputando um espaço pequeno, um alvoroço, pessoas reclamando por todos os lados, fila de idosos que não tem atendimento preferencial, pelo menos não tem nada que indique isso, uma lentidão no chamado das pessoas para a marcação, só para você ter uma idéia, o quadro eletrônico de início da chamada estava marcando 712 e minha senha foi 743, eu passei mais de uma hora e meia para ser atendido. Eu faço uma pergunta simples: Onde está o governo das mudanças? No Ipes a mudança ainda não chegou, lá ainda continua o governo da mesmice”.

 

Novos empreendimentos para Sergipe

O secretário Jorge Santana (Desenvolvimento Econômico) esteve em São Paulo esta semana visitando grandes indústrias que operam no setor químico, com o objetivo de prospectar junto aos empreendedores o interesse em investir na área em Sergipe.  Acompanhado do presidente da Codise, Ancelmo de Oliveira, ele manteve encontros com dirigentes de três importantes grupos empresariais, a fim de despertar o interesse em avançar nos estudos técnicos para dimensionar a viabilidade de uma unidade alcoolquímica no Estado. “A partir da implantação de novas usinas de produção de etanol, Sergipe se credencia para receber uma planta industrial que poderá produzir matéria-prima para o chamado ‘plástico verde’”, destaca Jorge. De acordo com ele, as facilidades logísticas do Estado, aliadas à oferta do etanol, propiciam as condições favoráveis a esse tipo de empreendimento em Sergipe.

 

Metamorfose do caju

De um leitor: “Não sei se a sua pessoa, assim como os demais moradores de Aracaju perceberam que o monumento em formato de caju gigante, por sinal muito bonito,  que se encontra na cabeceira da ponte que dá acesso ao bairro coroa do meio recebeu uma nova pintura? Recentemente o caju tinha sido pintado e até meados do pré-caju se era visto na cor vermelha, por sinal, muito suculenta e apetitosa,  porém ao passar pela ponte no dia de hoje, percebi que o caju sofreu uma metamorfose, voltou a ser da espécie amarela num curto espaço de tempo, não sei se por alguma influência climática ou por uma experiência mal sucedida. O “x” da questão é saber de onde saem os recursos financeiros utilizados para a pintura e repintura da tão apreciada fruta, pois se são públicos, tornam o fato uma brincadeira com recursos que poderiam ser aplicados em outros setores, mesmo numa quantia pequena”.

 

 

Nilson se reúne com empresários da Construção Civil I

Uma reunião almoço, ocorrida no Quality Hotel, serviu para que o Secretário de Estado da Fazenda, Nilson Lima dialogasse diretamente com os empresários da área da construção civil do Estado de Sergipe. O convite foi feito pelo presidente da Associação Sergipana dos Empresários de Obras Públicas, Luciano Barreto.Durante a reunião foram abordados vários assuntos de interesse da categoria, a exemplo do volume de recursos que estão sendo disponibilizados para o setor, no exercício de 2008. Nilson Lima aproveitou para fazer um balanço das realizações em 2007. “Hoje, podemos afirmar aos senhores que, devido ao empenho de todos os auxiliares, sob o comando do governador Marcelo Déda, Sergipe já não vive mais na situação constrangedora do passado, gerada pela completa irregularidade fiscal a que foi levado. Agora já podemos ter acesso aos recursos externos, a exemplo das parcerias firmadas com o Governo Federal”. 

 

Nilson se reúne com empresários da Construção Civil II

Falando em nome da categoria, o empresário Luciano Barreto fez alguns questionamentos de ordem tributária, objetivando esclarecer aos que ali se encontravam, a respeito de dúvidas que ocasionalmente aparecem em todos os segmentos. “O que nós desejamos é que o Estado atue com a responsabilidade que estamos observando, no sentido de garantir àqueles empresários que cumprem com as suas obrigações, o máximo de proteção contra um ou outro que por ventura queira, através de manobras condenadas pelo fisco, levar algum tipo de vantagem”. Afirmou o empresário. Ao final do encontro, o Secretário Nilson Lima agradeceu a oportunidade de conversar com representantes de um segmento importante para a economia do Estado, que gera milhares de empregos diretos, e se colocou à inteira disposição da Associação para aprofundar as discussões, no sentido de fortalecer ainda mais o setor. “Uma coisa os senhores podem ter absoluta certeza: Toda vez que o estado de Sergipe contratar uma obra, ou serviço, o empresário responsável pela mesma pode ficar absolutamente tranqüilo que o seu pagamento será honrado no prazo estabelecido”. Garantiu o Secretário.

 

Falta de cupom fiscal por parte da Coopertalse e Coopertaju

De um leitor: “Moro em Aracaju e trabalho no interior, por isso sou obrigado a me deslocar diariamente de ônibus à cidade de Glória. Para isso, utilizo as empresas de ônibus Coopertalse e Coopertaju. Recentemente um passageiro atento e que é um cidadão consciente dos seus direitos percebeu que o cobrador não dava cupom fiscal. Então passei a prestar atenção e descobri que para sonegar impostos a coopertalse e a coopertaju jamais oferecem cupom fiscal aos seus passageiros, somente um recibo. Em todos os destinos. Na pratica, fazem transporte clandestino de passageiros, na cara dura. Pior, muitos ônibus sequer andam com o cupom fiscal na maioria de seus ônibus, talvez pela tranqüilidade que a fiscalização os dá para praticarem o ato ilícito. Digo isso porque o passageiro exigiu o cupom e o cobrador saiu parando os ônibus da mesma empresa (no caso era a Coopertalse), e vários ônibus não tiveram. Além disso, é costume, após ultrapassarem o posto da policia rodoviária na saída de Aracaju, encherem de passageiros sem acento disponível. Chega a ficar insuportável de tanta gente. Transportar passageiro em pé além de ser um grande risco para a integridade física do passageiro é uma infração penal. Com os passageiros em pé e a falta de bilhete dos mesmos, se ocorrer algum acidente, alem da desgraça provável, onde é que vai se exigir dessas empresas algum direito para os passageiros?”

 

 

Ainda rodovia Graccho/Itabi

E-mail recebido: “O responsável pelo DER, como imaginava não deu nenhuma explicação sobre a parada da operação tapa-buracos, limitou-se apenas a dizer que a rodovia seria rejuvenescida, mas quando: “a gosto de Deus ou do Presidente do DER”? Será que a operação tapa-buracos demoraria mais que uma ou duas semanas? ao contrário do recapeamento total que pode nem começar por causa das “chuvas” . E se demorar a quantidade de tempo que passou para construir um simples viaduto na entrada de Aracaju, cerca de 10 a 12 anos. Itabi não merece isso Presidente do DER e Governador Marcelo Déda. A população exige respeito e responsabilidade pelos órgãos estaduais”.

 

Crônicas e mensagens de auto-ajuda

O radialista Flávio Foster, pioneiro na transmissão de mensagens de auto-ajuda nas rádios FM em Sergipe, continua emocionando corações. Ele produz CD ou DVD, com crônicas em homenagens à pessoa amada, ou à família. Ideal para aniversários e confraternizações com pessoas queridas. Para ter sua crônica e homenagear a pessoa amada, visite o blog de Flávio Foster (http://flaviofoster.blogspot.com), ou faça contato pelo 3243-7623. O radialista está em negociação com uma emissora e em breve estará no ar para continuar emocionando a todos nós. 

 

Frase do dia

 “Arthur Bispo do Rosário (1909-1989)- Nascido em Sergipe, considerado louco por uns e gênio por outros, a sua figura insere-se no debate sobre o pensamento eugênico, o preconceito e os limites entre a insanidade e arte, no Brasil.” Da Wikipédia, verbete de Gisele Kato.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais