Musiqualidade

0

R E S E N H A     1

Cantor: DAN NAKAGAWA (com NEY MATOGROSSO)
CD: “DAN NAKAGAWA convida NEY MATOGROSSO”

Aos dez anos, o cantor e compositor nipo-brasileiro Dan Nakagawa começou sua vida artística ao montar uma banda de rock. Nove anos depois, ingressou na universidade para cursar música popular, projeto logo posto de lado porque achou muito entediante o ambiente acadêmico. Ato contínuo, integrou o grupo de teatro Oficina, do lendário José Celso Martinez Corrêa e, em seguida, passou um tempo morando e trabalhando nos Estados Unidos e também na Alemanha. Na volta, participou, como ator, de algumas produções da Rede Globo (como a telenovela “Bang Bang” e o seriado “A Diarista”) até que, em 2005, lançou “Primeiro Círculo”, o seu CD solo de estreia no mercado fonográfico.  Desse álbum fez parte a canção “Um Pouco de Calor” que chamou a atenção do ídolo Ney Matogrosso, tanto que este a incluiu em seu CD “Inclassificáveis”, lançado em 2008.
Essa admiração recíproca resultou na presença de Ney no mais novo projeto de Dan, o CD “Dan Nakagawa Convida Ney Matogrosso” (também disponível no formato DVD), o qual chegou recentemente às lojas em edição da Coleção Canal Brasil. Gravado ao vivo em apresentações realizadas no Teatro Oficina e no Studio SP, ambos em São Paulo, o disco conta com uma dúzia de faixas (dez delas autorais, somente uma criada em parceria: “Assim Assim”, composta com Celso Sim). Embora sua figura e seu nome apareçam na capa em iguais proporções ao de Dan, Ney efetivamente participa somente de três momentos: sola o seu grande sucesso “Sangue Latino” (de João Ricardo e Paulinho Mendonça), conquistado ainda quando fazia parte do grupo Secos & Molhados, e divide os vocais com Dan, bom cantor e ótimo compositor, na já citada “Um Pouco de Calor” e na interessantíssima “Na Neblina do Samba”, esta definitivamente um dos destaques do repertório. Trata-se, pois, de uma estratégia de marketing que, embora condenada por alguns, inegavelmente se transforma em um forte chamariz para que o público possa vir a conhecer a obra de Dan.
Acompanhado por uma banda enxuta mas eficiente (da qual se destaca o violino de Pedro Gobeth), o artista interpreta, entre outras músicas, “Todo Mundo o Tempo Todo” (que fará parte do próximo CD de Ney), “Um Cano de Revólver”, “Eu Sofro por Amor” e “O Oposto de Dizer Adeus”, faixa que deu título ao seu segundo e elogiado álbum, lançado em 2011.
Endossando o talento de Dan e sempre atento aos sinais, Ney joga luzes sobre o trabalho de um artista que merece ser acompanhado por todos os que procuram novas e boas ideias para serem admiradas e disseminadas. Corra e ouça!

R E S E N H A     2

Cantora: MARÍLIA BESSY (com NEY MATOGROSSO)
CD: “INFERNYNHO – MARÍLIA BESSY convida NEY MATOGROSSO”

A cantora e compositora Marília Bessy sempre gostou muito de rock'n'roll e começou a fazer arte muito cedo. Já aos nove anos de idade dançava break em vitrines de lojas para arrecadar alguns trocados e, três anos após, começou a tocar bateria, entrando, em seguida, para uma banda de rock e blues. Depois que essa banda acabou, ela ficou tocando na noite até que viu seu nome começar de fato a ser comentado quando do lançamento, em 2011, de seu segundo CD (“Doce Devassa”), o qual, mesmo com distribuição reduzida, chegou a despertar considerável curiosidade.
Assim, não foi de todo surpreendente que Ney Matogrosso visse nela algo a mais a ponto de mergulhar no projeto “Infernynho”, produzido por Rodrigo Faour, o qual aportou no palco do Teatro Rival, no Rio de Janeiro, em julho do ano passado, dando origem ao registro que, encampado pela Coleção Canal Brasil, chegou recentemente às lojas nos formatos CD e DVD.
Com o objetivo de trazer a lume canções novas e antigas que ressaltassem, em suas letras, a sensualidade e a lascívia, os dois artistas se entregaram em interpretações que contagiaram o público presente.
Com carisma suficiente para enterrar supostas derrapadas na afinação, Marília termina por se mostrar uma compositora inspirada, ainda que suas criações surjam em apenas três dos dezessete números do disco (são elas: a ótima canção-título, que ao final, como bônus, também surge em versão gravada em estúdio, criada ao lado de Eduardo Dussek, “Casal Apocalipse”, feita com Fausto Fawcett, e “Vela”, que ela assina sozinha). Com assumidas influências díspares e bem vindas que vão de Rita Lee a Glenn Miller, passando inevitavelmente por Madonna, a artista se mostra bem à vontade em cena.
Há momentos solo dela (entre estes estão “A Indecência”, de George Israel e Paula Toller, “Louras Geladas”, de Paulo Ricardo e Luiz Schiavon, e “Fogo e Paixão”, de Wado), há instantes em que Ney brilha sozinho (a exemplo de “Amor Objeto”, de Rita Lee e Roberto de Carvalho, “Por Debaixo dos Panos”, de Cecéu, e “Açúcar Candy”, de Sueli Costa e Tite Lemos), mas é especialmente quando os dois estão juntos que a coisa pega fogo (como em “Por Que a Gente É Assim?”, de Frejat, Cazuza e Ezequiel Neves, “Vira de Lado”, de Ricardo Feghali, Serginho e Mariozinho Rocha, e “Folia no Matagal”, de Dussek e Luiz Carlos Góes).
Em tempo: a aura kitsch e a evocação de símbolos tidos como brega são propositais e terminam por conferir a necessária credibilidade a um estilizado ambiente de cabaré.
Sem querer entrar no mérito se se trata de generosidade ou esperteza, o fato é que Ney, teimando salutarmente em não se acomodar na sua carreira de sucesso e prestígio, segue se reinventando, o que é muito bom para Marília, para ele próprio e para o público em geral. Vale a pena conhecer!

N O V I D A D E S

* “Matéria-prima” é o título do CD de inéditas que o sambista Sombrinha está lançando. Dele faz parte a canção “Deixa Solto”, composta ao lado de Arlindo Cruz e Chico Buarque. Ambos (Arlindo e Chico) estão presentes na faixa ao lado de integrantes da Velha Guarda da Mangueira e do bandolinista Hamilton de Holanda.

* A cantora amapaense Emília Monteiro, ora radicada em Brasília, aproveitando a onda atual que propaga a música feita no Norte por todo o país, está lançando (de maneira independente) o CD intitulado “Cheia de Graça”, nome também da canção assinada por Ângela Brandão que faz parte do repertório de doze faixas. Produzido por João Ferreira e Rodrigo Campello, o álbum mostra uma intérprete pronta que sabe o que quer para a sua carreira. Embora traga uma sonoridade moderna, o disco não se ancora na aura dos hypados sons de trabalhos congêneres. Dona de bonita voz, Emília recebe a cantora e compositora paraense Dona Onete em “Eu Quero este Moreno pra Mim”, uma das duas faixas de sua autoria (a outra é a deliciosa “Veneno de Cobra”). Inteligente, a artista conseguiu reunir boas canções assinadas pela carioca Suely Mesquita (“Mais Eu” e “Coisinha”, esta uma parceria com o maranhense Zeca Baleiro), pela brasiliense da hora Ellen Oléria (“Córrego Rico”) e pela turma paulista formada por Celso Viáfora, Rafael Altério e Pedro Altério (“Mãe e Só”). Em geral animado (como nas faixas “Mandacaru”, de Nanon, e “Mão de Couro”, de Joãozinho Gomes e Val Milhomem), o CD dá algumas respiradas em momentos mais calmos (a exemplo da canção “Meus Ventos”, de Márcia Tauil e Simone Guimarães). Bem legal!

* Já se encontra em estúdio sob a produção de Robertinho Brant o cantor e compositor mineiro Vander Lee. Ele grava as canções que farão parte de seu novo CD, o qual aportará no mercado em breve.

* A trilha sonora da telenovela global “Joia Rara” está chegando às lojas e traz uma seleção de primeira no que se refere aos fonogramas escolhidos. Estão lá, entre outros, “Nascente” (com Milton Nascimento e Flávio Venturini), “Eu Amo Você” (com Tim Maia), “Acalanto” (com Ana Cañas), “Eu Não Existo Sem Você” (com Maria Bethânia), “Valsinha” (com Chico Buarque), “A Menina Dança” (com os Novos Baianos), “Beatriz” (com Zizi Possi), “Folhetim” (com Gal Costa), “Flor da Idade” (com Filipe Catto) e “Ai, Se Eles me Pegam Agora” (com as Frenéticas).

* A gravadora Joia Moderna, especializando-se em CDs que homenageiam grandes
nomes da nossa MPB, anuncia para  breve o lançamento de “Simples Pessoa”, álbum que trará no repertório canções pouco conhecidas de Sueli Costa, as quais serão revisitadas por cantoras ainda pouco ouvidas pelo público em geral. Quem viver, ouvirá!

* A gravadora Deck está lançando o segundo CD do cantor e cantor carioca Cícero. Intitulado “Sábado” e produzido pelo próprio artista ao lado de Bruno Schulz e Bruno Giorgi, o álbum apresenta um repertório composto por dez faixas inéditas e autorais. Envolvido por fortes doses de melancolia, Cícero se arrisca em letras curtas revestidas de sonoridade monocórdia e minimalista. São canções que dificilmente serão assimiladas pelo público comum, o que deverá continuar restringindo o culto ao artista a uma reduzida galera de admiradores.

* O novo CD de Dori Caymmi deverá chegar em breve às lojas a tempo de comemorar as sete décadas de vida do artista. O repertório é inédito e se concentra nas parcerias dele com Paulo César Pinheiro, as quais serão apresentadas em formato voz e violão.

* O canal oficial de Mario Adnet no YouTube já disponibiliza o vídeo de “Valsa do Baque Virado”, inédita parceria dele com João Cavalcanti. Até o final do ano, o artista tenciona liberar mais outros três vídeos.

* E os nossos parabéns vão para os aniversariantes mais famosos da semana: o cantor e compositor Paulinho da Viola (terça-feira, dia 12) e o poeta e letrista Salgado Maranhão (quarta, dia 13). Saúde e inspiração é que desejamos de montão para os dois!

* Através da gravadora Som Livre, chegará em breve ao mercado o CD em tributo a Michael Sullivan, o qual resgatará diversas músicas compostas por ele em parceria com Paulo Massadas. Diversos nomes de peso da nossa MPB foram convidados e farão parte do projeto, a exemplo de Zélia Duncan, Fernanda Takai, Roberta Sá, Lenine e Arnaldo Antunes.

* Quinta-feira próxima, dia 14, a partir das 20 horas, a nossa Patrícia Polayne, de rasante novamente por Aracaju, estará se apresentando no Café do Museu da Gente Sergipana. Nova banda e novo repertório é o que ela promete e a gente não vai perder, não é mesmo?

RUBENS LISBOA é compositor e cantor.
Apresenta o quadro "Musiqualidade" dentro do programa "Canta Brasil”, veiculado pela Aperipê FM todas as sextas-feiras, às 10 horas.
Quaisquer críticas e/ou sugestões a este blog serão bem-vindas e poderão ser enviadas para o e-mail: rubens@infonet.com.br

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais