Para que serve um blog?

0

Esta pergunta aparentemente simples nos leva a uma série de possíveis interpretações. Inicialmente, é bom ficar claro que ter um blog não torna o proprietário um jornalista. Outro ponto é que nem todo jornalista tem por obrigação ter um blog. Partindo dessas premissas gostaria de colocar alguns comentários sobre blogs que tenho visto ultimamente.

Muitos blogs que tenho passado o olho são repositórios de CTRL-C e CTRL-V de outros sites de notícias. Esses blogs não estão contribuindo em nada para a disseminação de informação. Na verdade, são meros republicadores de conteúdo. Faça uma busca no Google ou Bing (leia a notícia abaixo) e verá que um tema qualquer se repete centenas de vezes em outros sites em cópias exatas. Estes blogs, numa concepção mais dura, são um mero lixo eletrônico.

Por outro lado, se o blogueiro não é um jornalista profissional como é que ele vai colocar no “ar” furos jornalísticos? É praticamente impossível. No meu caso, leio diversos sites de notícias do Brasil e do exterior e seleciono algumas reportagens que acho interessantes para publicar aqui. Entretanto, nenhuma delas é algo inédito. Este não é (e nunca será) o objetivo do meu blog.

Então… Qual o papel dos blogs? Acredito que eles devam ser uma combinação de informativo e opinativo. Ele deve trazer informações relevantes, mas deve também emitir a sua posição com relação ao fato. O jornalista deve ser imparcial, mas o blogueiro não. Ele pode (e deve) emitir sua opinião. O blogueiro está muito mais para um formador de opinião do que para um jornalista imparcial. Se eu gosto, digamos que da Microsoft, não tem motivo para ser imparcial na notícia que vai ser divulgada. Porém, é preciso ter um pouco de cuidado para não ser parcial demais. Particularmente, não gosto de nada tendencioso. Se o blog tem realmente a intenção de dar a sua contribuição, nada melhor do que um saudável equilíbrio das palavras.

Por exemplo:

O imparcial: A empresa de software Microsoft lançou uma ferramenta de busca chamada Bing, nesta segunda-feira às 08:00
O parcial: A Microsoft lançou a ferramenta de busca Bing com o objetivo de desbancar o Google, mas ainda está longe no quesito relevância das buscas
O tendencioso: A maior empresa de software do planeta – a Microsoft – lançou sua ferramenta de busca chamada Bing e começa a desbancar o Google.

Eu gosto do segundo exemplo. Mesmo que eu não concorde com a opinião do autor, é melhor que o primeiro exemplo (que só tem a notícia) e muito melhor que o terceiro (que acha que eu sou desprovido de inteligência).

Bem, vou continuar escrevendo este blog para meus 10 leitores (arredondando para cima) seguindo a linha opinativa, mesmo sem agradar a todos.

Concorrência no mundo dos buscadores

Depois de alguns meses no forno, a Microsoft lançou o buscador que pretende diminuir a hegemonia do Google como ferramenta de pesquisa. O buscador foi batizado de Bing e, como não poderia deixar de ser, a interface é bastante parecida com do Google. Tem uma série de funcionalidades interessantes que, por enquanto, não vão se aplicar à realidade brasileira, como por exemplo, o sistema de informações financeiras ou de compras de passagens aéreas. As bandas de cá terão que esperar um pouco mais para poder sentir se a Microsoft tem mesmo “a força”.

 

Google Wave
Para não deixar a M$ ficar em evidência com seu novo brinquedo (Bing), o Google deu informações sobre o que ela chamou de Wave. Assisti o vídeo do que pretende fazer. Veja Aqui. É realmente uma promessa e tanto quando pensamos numa ferramenta de colaboração online. Se tudo sair conforme planejado, o Google dará outro passo enorme em inovação e se colocará novamente muito à frente da concorrência. Infelizmente não deu para preparar a coluna principal de hoje sobre o Wave, mas prometo que farei isso em breve.



Ajuda importante
Para meus 10 leitores: novamente estou recebendo mais spam do que emails sobre a coluna. Não deixe de fazer seu comentário: andresmenendez@infonet.com.br


Caixa de Entrada: Vazia – Parte 3 (por Hugo Dória)
Agora que você já fez uma limpeza geral na sua caixa de entrada e aprendeu a usar os filtros de mensagem de forma mais eficaz, chegou a hora de trabalhar em cima dos emails que sobraram, que geralmente são os mais importantes.

A primeira coisa que deve fazer é por na cabeça que não precisa responder todos os emails, principalmente se receber muitos. Eu sei, às vezes ficamos com medo de nos acharem mal educados por que deixamos de responder algo. Nossos pais nos ensinaram a responder sempre que falassem com a gente, e acabamos achando que isto serve para todos os meios de comunicação. Ledo engano.

Com a ideia anterior firmada é hora de elaborar um procedimento para a leitura das mensagens. Uma prática legal que aprendi no site efetividade.net (e resolvi adotar no meu dia-a-dia) é a de abrir cada email apenas uma vez, tomando uma decisão imediata sobre ele. Dependendo da mensagem pode-se: resolver imediatamente, arquivar para resolver depois (pouco ou muito depois), delegar a alguém ou excluir.

As que podem ser resolvidas imediatamente são aquelas que tomam menos de 3 minutos – dar resposta curta ou fornecer algum dado pedido, por exemplo. Atribuir ou encaminhar a mensagem também são coisas que podem ser feitas imediatamente. Se precisar, adicione seus comentários ao encaminhar a mensagem.

As mensagens que exigem mais do que 3 minutos devem ser arquivadas para serem resolvidas depois. O site efetividade também dá uma dica quanto a isso e sugere que você tenha duas pastas para arquivar estas mensagens: uma para aquelas que você pretende responder logo depois e outra para aquelas sem prazo definido. Revise a primeira pasta diariamente, e a segunda mensalmente. Eu achei isso desnecessário para mim, mas com certeza é útil para quem possui um fluxo maior de emails.

Emails que não exigem nenhuma atitude sua geralmente podem ser excluídos, ou arquivados para uma consulta futura. Se você pretende arquivar emails para pesquisas, então talvez seja importante adicionar tags – definidas por você – para facilitar a busca.

Realizando os procedimentos descritos no decorrer das três últimas colunas eu consegui gerenciar melhor o meu email. Hoje minha caixa de entrada está em dia e eu desatolado, pois consigo priorizar as mensagens importantes e não perder tempo com bobagens. Espero que as dicas também tenham sido úteis para vocês.

Só um último aviso: Tente aplicar as técnicas apenas quando forem necessárias – no trabalho, por exemplo. Evite tornar o processo robótico demais e, com isso, perder um pouco da diversão que há em enviar e receber emails.


Até a próxima semana!


em tempo: 19º, 10º, 6º… O líder está na mira. Ohhhhhh O imperador voltoouuuuu…. O imperador voltoouuuuu….

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários