Saúde: realidade e compromisso

0

Não há duvida que um dos mais graves problemas em Sergipe é a área da saúde. Este governo vem investindo muito neste setor, mas o retorno não será imediato, pelo contrário, mesmo se o planejamento for correto os frutos serão colhidos somente no próximo governo. Particularmente este leigo jornalista analisou alguns modelos implantados no país sobre fundações e entende que a aposta que está sendo feita pelo atual governo pode surtir efeitos positivos.


É preciso lembrar que tanto na parte estrutural, como na parte dos profissionais que trabalham na área da saúde os problemas vêm de muitos governos. Ao longo destes anos foram várias ações paliativas e, todas fracassadas. Na parte estrutural o governo construiu muitos hospitais e jogou para associações e entidades. Alguns deles muita gente (inclusive a classe política) não tinha conhecimento que era patrimônio público, como o hospital de Neópolis e a maternidade de Capela. Já na área dos servidores, ao longo dos anos foram criados vários mecanismos de troca (isso mesmo, troca) para resolver problemas pontuais e momentâneos das categorias. Criava-se uma gratificação e achava-se que tudo estava resolvido. Vários problemas empurrados com a barriga por quem nunca teve coragem de fazer uma redução de estomago de verdade.


Agora, a Secretaria da Saúde não apenas está retomando o patrimônio público, num custo alto, já que entidades e associações tinham a manutenção mais baixa. E o secretário Rogério Carvalho aposta no modelo da fundação estatal (serão três) para operacionar com qualidade sem perder a capacidade gerencial. Criticas estão sendo feitas, mas qual a solução mais viável?

 

Já para os servidores apresenta uma alternativa de repassar para o quadro fundação – que também terá servidores do concurso que será realizado – através de um modelo audacioso onde terão a oportunidade de incorporar a cada cinco anos, 20% da gratificação, sem que a mesma seja usada como moeda de troca sem nenhuma transparência. A idéia é também corrigir as distorções das jornadas, que são muitas e, principalmente valorizar os profissionais de todos os níveis. Os médicos e enfermeiros têm problemas históricos que podem ser resolvidos gradativamente.

 

Para alguns é mais fácil criticar e dizer que o modelo está errado, que não vai dar certo e tudo mais. Algumas categorias, como os médicos e enfermeiros, já estão colocando na ponta do lápis e vendo se a proposta é realmente viável. Se dará certo, se vai precisar de ajustes no meio do caminho, é outra história. É importante neste momento torcer para que esse modelo transforme a realidade da saúde de Sergipe. É um problema que se arrasta há vários anos e todos que chegam apenas dão “jeitinhos” sem uma visão de futuro e planejada. 


Da mesma forma que este espaço critica diversas ações, não só na área da saúde, torce para que dê certo. Quem vai ganhar não é o governador e muito menos o secretário de plantão. O grande vencedor será em primeiro lugar o sergipano e os servidores abnegados que realmente suam a camisa numa área tão vital. É preciso analisar a atual realidade e o que pode ser construído.

 

Nível médio: rede pública paga o dobro da privada

Há muito tempo esse jornalista desejava escrever sobre um detalhe na área da saúde, mas protelou por conta de um amigo de muito tempo. Este amigo é técnico de nível médio e trabalha na rede pública e na rede particular. Quando está na roda de conversa, na cervejinha sagrada do final de semana não esconde algo que é estarrecedor: Ele, na rede pública recebe cerca de R$ 1.100,00 para trabalhar no máximo 30 horas. Já na rede privada recebe um salário mínimo mais a insalubridade (num total de R$ 540,00), para trabalhar 44 horas.

 

Na rede privada trabalha o dobro da pública

É a pura verdade! Ele ganha o dobro na rede pública, por exemplo, no Hospital João Alves, e trabalha a metade do tempo. Já na rede particular trabalha o dobro e recebe a metade. Durma com um barulho desses. E não é um caso isolado, pelo contrário, são quase todos assim, quando têm dois vínculos, uma na rede pública e outro na privada.

 

E muitos têm a rede publica como “bico”

E o pior. Infelizmente, muitos destes profissionais de nível médio têm a rede pública como “bico” (não é o caso do meu amigo, que tem vários anos de verdadeiro trabalho). E uma pergunta: o secretário Rogério Carvalho, cujo projeto apresentado, este jornalista deseja sucesso, porque não fala nada sobre este assunto? Tem medo de enfrentar os técnicos de nível médio que não suam a camisa no serviço público, mesmo ganhando o dobro da rede particular?

 

Rogério tem medo do desgaste político?

Será por conta das questões políticas, já que Rogério é deputado e sonha em disputar a Câmara dos Deputados em 2010 e não deseja confronto com esta categoria? Qual o motivo que o faz não mostrar dados como este a sociedade sergipana? Se quiser, este jornalista empresta os dois contracheques do colega (sem a identificação) para mostrar que é verdade. Seria bom que este debate fosse aberto com a participação de todos os setores envolvidos.

 

Reunião dos policiais e bombeiros militares

No próximo dia 20, às 15hs, está marcada uma grande reunião promovida por todas as associações, com a presença dos policiais e bombeiros militares de Sergipe. Será no auditório do Instituto Histórico e Geográfico no centro de Aracaju. Na pauta campanha salarial para 2009 e a imediata fixação da carga horária para os policiais e bombeiros militares.

 

Venâncio destaca artigos na Assembléia

O deputado estadual Venâncio Fonseca (PP) destacou ontem, 05, na Assembléia três artigos deste jornalista sobre o futebol sergipano, principalmente a evasão de renda. Venâncio quer levar o presidente da FSF, Carivaldo Souza para a AL. Com certeza vão dizer que é problema partidário e etc… Na verdade a própria bancada da situação deveria apoiar a idéia e apresentar sugestões concretas para acabar com os problemas de evasão de renda, além de um destino para o Batistão. Este espaço continua defendendo a implosão.

 

Tem gente que já foi “convocado”

Repercutiu muito o artigo de ontem com o título “Mudanças: quer fazer, faça logo”. Em “off” um amigo próximo do governador disse que numa área delicada já tem um nome escolhido. Ele não foi convidado foi “convocado”. Quem advinha? 

 

Desejo de mudanças no Sebrae

Ontem, 05, em off, um empresário sergipano com força no segmento das pequenas e médias empresas confirmou que o movimento em torno de mudanças no Sebrae tomou corpo nos últimos dias, por conta da necessidade de uma interação maior da entidade com a preocupação da classe. E deu um exemplo: Enquanto diplomatas canadenses visitavam Sergipe ontem e se reuniam no Sebrae para discutir detalhes da missão que vai levar empresários, técnicos e representantes do governo para o Canadá, o superintendente Zezinho Guimarães estava em Brasília acompanhado de três prefeitos eleitos percorrendo gabinetes de deputados em busca de emendas parlamentares. Isso seria cuidar dos interesses das micro e pequenas empresas sergipanas?

 

Silêncio da “gente pode”

O senador Almeida Lima continua em silêncio profundo. Nem mesmo das reuniões para discussão das emendas ao OGU está participando. Enquanto isso tenta na Justiça Eleitoral anular as eleições em Aracaju. Com certeza não caiu ainda a ficha de que todas aquelas pessoas pagas para segurar bandeiras nas ruas de Aracaju pelo comitê dele, votaram em outro candidato. Nem mesmo a imitação da campanha de Obama surtiu efeito. Será que ele não tem coragem de fazer uma auto-critica e ver que o produto estava com validade vencida para a maioria esmagadora dos aracajuanos?

 

Avaliação do DEM Nacional

O deputado Pedro Valadares (DEM) disse que enquanto em Sergipe tem um rumo definido a partir da liderança do ex-governador João Alves Filho, em nível nacional parece “cachorro de mudança quando cai caminhão”, ou seja, sem rumo nenhum. Em recente reunião nacional com a presença de várias lideranças o deputado fez uma avaliação do DEM em nível nacional que deixou muita gente de cabelo em pé.

 

Pedro vai assinar as emendas

Ontem, 05, teve uma reunião da bancada de oposição de Sergipe no Congresso Nacional e Pedro Valadares foi esquecido, talvez porque é suplente. Ele avisou que só aceitou o poder na total plenitude do mandato, ou seja, quem assinará as emendas será ele.

 

Encontro de Prefeitos

A ERPAC realizará na terça-feira, (11), às 8h, no Starfish Resort na cidade de Barra dos Coqueiros, um Encontro de Prefeitos eleitos e reeleitos do estado de Sergipe. Os  cuidados e providencias essenciais para o encerramento do mandato, será um dos temas abordados, o que será uma grande oportunidade para os prefeitos que foram reeleitos no último dia 05 de outubro, pois mesmo continuando no cargo, terão que cumprir todas as exigências legais para o encerramento do primeiro mandato. Cada prefeito poderá estar acompanhado de dois assessores, devidamente identificados no ato da inscrição, a ser realizada através do site www.erpac.com.br, ou pelos telefones 0 xx 79 3234-3333, 3234-3313. Para a participação não haverá cobrança de nenhuma taxa de inscrição, ou qualquer outro custo.

 

Luta dos baneseanos continua 

Apesar dos bancários terem retornando ao trabalho após a greve de 15 dias, a luta dos baneseanos ainda não terminou. Hoje, 6, acontecerá nova rodada de negociação da minuta específica deles. A reunião entre as direções do Sindicato dos Bancários de Sergipe e do Banese está marcada para as 10 horas. À noite, às 18h30, os baneseanos se reúnem em assembléia para avaliar o resultado da reunião e quais os encaminhamentos que deverão ser deliberados. O Sindicato está orientando os baneseanos a trabalharem amanhã de vermelho, como demonstração de que continuam mobilizados e juntos com o sindicato na luta por melhores condições de trabalho no Banco do Estado de Sergipe.

 

BB vai acelerar expansão, diz gerente de estratégia do banco

Deu na FSP, de hoje, 06:A fusão entre Itaú e Unibanco vai acelerar os processos de incorporação e aquisição de outras instituições financeiras pelo Banco do Brasil, afirmou ontem o gerente-executivo da diretoria de estratégia e organização do BB, Francisco Djalma Oliveira. Foi a primeira vez que um executivo do banco disse, em público, que a megafusão anunciada no começo da semana tem influência sobre a estratégia de crescimento do BB por meio de fusões e aquisições. “O movimento que vimos nesta semana envolvendo Itaú e Unibanco acelera o processo de consolidação do sistema financeiro nacional, que já vinha ocorrendo. E os atores principais, como o Banco do Brasil e o Bradesco, começam também a acelerar os seus processos”, disse Oliveira, ao participar de um seminário sobre longevidade de empresas em São Paulo”. A pergunta é: o BB vai entrar pra valer para comprar os últimos bancos estatais restantes (parecem que são apenas quatro). O Banese será o último dos moicanos?

 

Decisão obriga cartórios a fixar lista com preços

Ainda na FSP de hoje: Desde ontem, os cartórios estão obrigados a divulgar lista com os preços de seus serviços em locais de fácil acesso e de boa visibilidade. Também precisam informar claramente quais são gratuitos – como as certidões de óbito e de nascimento para pessoas que não podem pagá-las. A lei, que aplica aos cartórios regras relacionadas aos direitos do consumidor, foi proposta pela Câmara dos Deputados e sancionada ontem pelo presidente Lula.

 

Fórum de Águas das Américas

O Superintendente de Recursos Hídricos da SEMARH, Ailton Rocha, pelos relevantes serviços prestados a gestão dos recursos hídricos, foi convidado pelo Conselho Mundial da Água, através do Consórcio Regional das Américas, para participar do “Fórum de Águas das Américas”, a ser realizado nos dias 24 e 25 de novembro de 2008, na cidade de Foz do Iguaçu, Paraná. Este fórum estará reunindo cerca de 100 profissionais das quatro sub-regiões americanas (Norte, Central, Sul e Caribe), com o objetivo de consolidar as contribuições levantadas ao longo do ano de 2008. Por delegação do Conselho Mundial da Água, o Consórcio Regional das Américas, integrado por mais de 30 instituições do continente americano, estará conduzindo o processo regional preparatório de participação no 5º Fórum Mundial de Água que será realizado no período de 16 a 22 de março de 2009, em Istambul, na Turquia.

 

Campanha “Justiça seja feita!”

O Tribunal de Justiça de Sergipe, através da Diretoria de Comunicação, lançará na próxima semana mais uma ação de cidadania, que tem como meta aproximar o Poder Judiciário da sociedade. Dessa feita, foi escolhido o relançamento de uma campanha já organizada pelos servidores da Justiça sergipana: trata-se da Justiça seja feita, que tem como objetivo arrecadar alimentos não-perecíveis, que serão entregues, em cestas, a famílias atendidas ao longo do ano por instituições de caridade, ajudando, assim, a propiciar-lhes um Natal sem fome, digno e feliz. Com a iniciativa, a TJSE busca ainda estimular essas famílias a continuar participando dos programas e projetos socioeducacionais que são desenvolvidos por essas instituições.

 

Empreitada solidária

O Poder Judiciário convoca servidores e toda sociedade para aderir a essa empreitada solidária, a fim de fortalecer nas pessoas o espírito de Solidariedade, mobilizá-las a fazer doações e, principalmente, a engajar-se em ações as quais colaborem para que o nosso Estado vença seus grandes desafios, entre eles acabar com a fome e a miséria e promover Educação Básica de qualidade para todos — os dois primeiros dos oito Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODMs), conjunto de metas a serem atingidas até 2015 para assegurar a melhoria da qualidade de vida da Humanidade e a sustentabilidade do Planeta, conforme estabeleceu, em 2000, a Organização das Nações Unidas (ONU). (Ascom/TJ).

 

DO LEITOR

 

Segurança e o assassinato de dois sargentos

E-mail recebido: “Normalmente diante de crimes que repercutem no seio da sociedade, a SSP informa logo em seguida, desconhecer a motivação do mesmo. Porém para o assassinato dos dois sargentos, ocorrido no último domingo (02/11/08), é muito fácil apresentar ao menos uma constatação. Os bandidos, ou seja, a malandragem, simplesmente possui uma visão mais apurada que a polícia para identificar áreas propícias à prática de roubos, assaltos e assassinatos. Os aracajuanos e boa parte do povo sergipano já tem conhecimento da existência do “Bar do Pirão” localizado em N.Sra. do Socorro/SE, precisamente no povoado Calumbi. Ali a divulgação prosperou em razão do baixo preço, aliado a aprovação do tempero, e como toda propaganda boca-a-boca faz sucesso, já cheguei a observar num sábado à tarde cerca de 80 veículos de luxo da classe média alta de Aracaju”.

 

Segurança: presença da PM para prevenir

Prossegue o e-mail: “Como a maioria dos que ali freqüentava, também aprovei o tempero e o preço, desejava retornar outras vezes, mas o local me fez mudar de opção, principalmente por que eu já possuía informação de dois outros assaltos de pequena repercussão, e por entender que num local ermo e sem qualquer sombra de policiamento, mais cedo ou mais tarde alguma coisa aconteceria. Aos domingos em alguns pontos de Aracaju, existe a promoção de pequenos e médios eventos com apresentação de grupos de pagode, chegando a reunir cerca de 300 a 500 jovens, tais eventos são abusivamente divulgados no decorrer da semana pelas emissoras de rádio e televisão. Os que participam, presenciam com freqüência uma séria de desentendimentos, e não conseguem enxergar a presença da polícia atuando com prevenção nesses locais, quando um policial aparece, é à paisana e para “carteirar”, possivelmente tentando colocar outras pessoas sob a sua influencia. Eles vão para se divertir e normalmente ficam alheios a tudo que lá acontece”.

 

Segurança e responsabilidade

Ainda o e-mail: “Em resumo, quero dizer que caberia ao policiamento tanto da Capital como do Interior, buscar melhor assessoramento sobre os pequenos e médios eventos produzidos e se fazer presente, garantindo segurança à população, sem necessitar de convocação oficial para tal, ou seja, houve aglomeração de pessoas, lá deve estar a polícia, houve clima para conflitos, lá deve estar a polícia. Porque é dela a responsabilidade de oferecer segurança pública para a população, se no “Bar do Pirão” estivessem três ou quatro policiais e uma ou duas viaturas, o que estaria justificada pela quantidade de pessoas que ali freqüentam, os policiais não precisariam encontrar-se ali naquela condição”.

 

Segurança: planos e resultados satisfatórios

Continua o leitor: “É bom frisar que “plano de segurança” tem sido nos últimos dez anos uma palavra muito comentada, porém não se tem conhecimento de que nenhum dos planos idealizados até a presente data, tenha oferecido resultado satisfatório e muito menos que alguém assegure que os tais planos são efetivamente colocados em prática. O melhor plano de segurança do mundo vira água se não tiver quem faça com que os policiais de forma indistinta e não apenas alguns poucos, cumpram a jornada com dedicação e responsabilidade”.

 

Segurança: divisão e relatórios

Finaliza o e-mail:  “É preciso dividir o Estado e a Capital em áreas administrativas entregando-as aos agrupamentos que possuam comandos específicos e cobrando desses comandos os resultados da sua área de atuação, com apresentação de um relatório mensal que contivesse as seguintes informações: Nº de assaltos a ônibus; Nº de roubos; Nº de homicídios; Nº de prisões em flagrante; Nº de furto de veículos; Nº de apreensão de armas de fogo. E etc… A avaliação do comando seria a seguinte se você consegue reduzir os índices de criminalidade, tudo bem você permanece, se você não consegue, você é substituído.Até logo e obrigado pelo espaço que não sou eu um leigo leitor que vai ficar aqui ensinando como se faz segurança pública”.

 

Sobre os “bicos” realizados pela PM

De um leitor: “Essa questão de vincular os “bicos” realizados por PMs, geralmente como seguranças, fora do horário de expediente a baixos salários me parece equivocado. Em algum momento de nossa história o PM foi bem remunerado? Se foi, tal argumento é uma contradição, pois os tais bicos existem desde quando o Mundo é Mundo.  A cobertura que alguns poucos dão às atividades de agiotas, como cobradores, é alguma novidade. Dar segurança particular, pessoal e empresarial, é alguma novidade? Então vem uma última pergunta: É legal o exercício de tais “bicos”? Se não é legal, então é ilegal e os que assim agem estão cometendo ilegalidades. Então todos que ganham pouco podem completar seus rendimentos cometendo ilegalidades. Seria de bom tom que a discussão sobre a violência contra policiais se desse em outro nível, para não misturar os que sofrem dessa violência em pleno exercício de suas atividades daquela sofrida enquanto se faz um “bico”. Ou alguém acha que um policial que nos momentos de folga estão exercendo outras atividades de trabalho em vez do merecido descanso, terão plenas condições de exercer o trabalho policial em sua plenitude? É claro que não!”.

 

Sobre Flávio Conceição

Ainda o mesmo leitor: “Quanto ao leitor Messias que engrandece a senadora Maria do Carmo por ter sido a única que demonstrou estranheza quanto ao crescimento do Flávio Conceição, indagando até onde o mesmo trabalhava, a dúvida da senadora poderia ter sido facilmente respondida junto á família dela, em especial ao então governador João Alves Filho que o manteve como secretário até a ida para o TCU. O João Alves Neto também pode tirar  esse tipo de dúvida”.

 

Patrocinadores x Confiança

Do leitor Nairson Machado: “O que temos visto na camisa do Confiança  são várias marcas de patrocinadores que comprovam o apoio destas Empresas que desejam reconhecimento e agregar valor ao seu produto junto à sociedade. O marketing é um conjunto de processos de inspiração, comunicação, que oferece  valor aos consumidores, mantém  um relacionamento que beneficia a empresa e seu público alvo. É símbolo de auto-estima, fator de garantia, confiança, reconhecimento, conhecimento, aprendizagem, entre outros. Lamentavelmente, o Confiança tem dado sinal de mau comportamento; anti-jogo, alcoolismo, papa pinga, indisciplina, pipocando, expulsões e punições deliberadas. Tudo com conivência da diretoria. Isso tudo é involuntariamente também ligado a essas marcas e empresas. Agora, para não comprometer a imagem dessas Empresas e de seus produtos com  a cumplicidade destes atos, estas também devem junto ao público e seus consumidores pressionar a Diretoria, para promover mudanças de comportamentos, ou vão todos para vala comum da irresponsabilidade. O torcedor está fazendo a sua parte. O futebol sergipano precisa de patrocinadores que estimulem também o bom comportamento ético para que ambos dêem sinal de benefício à sociedade. Imaginar que vão pagar 250 mil reais de prêmio pela classificação “a qualquer custo” é um pensamento equivocado e comprometedor para imagem do clube, empresas e seus consumidores”.

 

Cachaçada do Confiança

Do leitor Luiz Felipe: “O “oba-oba” e o salto alto desviaram o foco do time do Confiança para a Série “C”. A suposta “cachaçada” dos jogadores revela o quão preocupados estão eles em dar uma resposta à torcida que, de forma belíssima, vem lotando o Batistão em todos os jogos do Confiança no octogonal. Não sou torcedor do Confiança, mas compareci em boa parte dos jogos, inclusive recrutando mais alguns colegas, para torcer em favor do meu estado, pra ver se desta vez teremos um representante na 2ª divisão. Alheios ao momento e parecendo descartar a importância dele, os jogadores do Confiança tomam a 3ª goleada seguida fora de casa; time que quer se classificar tem que ganhar dentro e fora de seus domínios. Acho que os jogadores precisam acordar e tomar consciência do momento que o time vive, e do que o possível acesso do Confiança à Série B pode significar em termos de benefícios para o futebol sergipano. Se os jogadores, ao menos, renunciassem às farras noturnas nesta fase do campeonato, certamente teríamos um time mais aguerrido e mais competitivo defendendo Sergipe nos gramados por aí afora”.


Ainda sobre o trabalho da PM

Comentário de Márcio Oliveira: “Comentários sobre hora extra da PMSE: Lamentavelmente mais dois policiais militares são vítimas da insegurança que toma conta do nosso Estado. Insegurança esta cujo principal responsável é o Sr. Governador Marcelo Déda, que completou um ano e 11 meses de mandato e ainda não fez nada de concreto para mudar o panorama da segurança pública em Sergipe. Mais uma vez, em virtude da trágica morte dos dois sargentos da Polícia Militar se discute sobre os bicos que os PMs fazem nas horas de folga, e o ilustríssimo comandante da PMSE assegura na imprensa que “comprará” a hora de folga do policial, para evitar que o mesmo deixe de fazer o “bico” e sirva à sociedade como um todo. “Boa intenção” do nosso comandante, entretanto o que se deveria discutir de verdade é uma política de recuperação salarial do servidor militar, para que este num futuro breve não necessitasse apelar para os “bicos”, e que gozasse das suas horas de folga tendo o seu momento de lazer e dando atenção a seus familiares. Readequar a escala de serviço para “escravizar” o Policial Militar com horas extras, sem que o mesmo tenha o seu repouso e lazer com a família garantido é um tiro no pé e um verdadeiro engodo, pois este profissional continuará insatisfeito e ainda mais estressado na medida em que viverá só para trabalhar. Vamos lutar sim, por salários mais decentes para o Policial Militar, e adequar a escala de serviço para que o mesmo possa, como qualquer mortal, ter seu momento de lazer e descanso, e aí sim ter condições de prestar um serviço de segurança pública de verdade para a sociedade sergipana”.

 

Frase do Dia

“…Eu tenho um sonho que minhas quatro pequenas crianças vão um dia viver em uma nação onde elas não serão julgadas pela cor da pele, mas pelo conteúdo de seu caráter. Eu tenho um sonho hoje! Eu tenho um sonho que um dia, no Alabama, com seus racistas malignos, com seu governador que tem os lábios gotejando palavras de intervenção e negação; nesse justo dia no Alabama meninos negros e meninas negras poderão unir as mãos com meninos brancos e meninas brancas como irmãs e irmãos. Eu tenho um sonho hoje!…” Martin Luther King discursando em 28/08/1963.

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários