ABRAZ/SE realizará curso de capacitação para diretoria e comissões

0

A Associação Brasileira de Alzheimer (ABRAZ-SE), entidade sem fins lucrativos, formada por profissionais da área de saúde e familiares de portadores da doença de Alzheimer realizará em Aracaju curso de capacitação para diretoria e comissões organizadoras, nos dias 21 e 22 de agosto, no hotel Parque dos Coqueiros.

Nesta sexta, 21, está prevista a abertura às 18h com a conferência ‘Demência de Alzheimer: suas conseqüências e a responsabilidade da sociedade’, que será ministrada pela geriatra e presidente da ABRAZ/PE, Carla Núbia Borges. No dia 22, às 8h, palestra com Cláudio Neves, que abordará o tema: ‘O que é uma ONG? – Desafios para ONG’S no século XXI’. A presidente da ABRAZ nacional debaterá ‘A ONG ABRAZ: Nacional e Regionais: Missão, Finalidades, Projetos, Organização e Administração’.

Ainda pela manhã Maria Stela Taqueda debaterá sobre ‘Planejamento Estratégico na gestão Organizacional: Plano, Projeto e Programa’; Carla Núbia Borges falará sobre o ‘Modelo de funcionamento de uma Regional da ABRAZ: Apresentação do Plano de Trabalho da ABRAZ/ Regional de Pernambuco’. E Salviana Sarmento debaterá ‘A Importância do trabalho em Equipe: O segredo do sucesso de uma organização’.

À tarde do dia 22 continuam as palestras com a assistente social Noêmia Lima Silva que abordará o tema: ‘Importância da Articulação e Parceria com a Rede de Recursos da Sociedade’. Na seqüência,  Marco Aurélio palestrará sobre ‘Doença de Alzheimer, a pessoa, o familiar, o profissional e a sociedade’. E na finalização do evento está prevista a execução de trabalhos em grupos pela presidente da ABRAZ Maria Suzana e posteriormente realizará propostas para a elaboração do Plano de Trabalho da ABRAZ/ Regional de Sergipe, gestão 2009/2012, com apresentação das conclusões, avaliação e encerramento.

Alzheimer

No começo a doença apresenta pequenos esquecimentos, normalmente aceitos pelos familiares como parte do processo normal de envelhecimento, que vão se agravando naturalmente. Os pacientes tornam-se confusos e por vezes agressivos, passam a apresentar alteração da personalidade, com distúrbios de conduta e terminam por não reconhecer os próprios familiares e até a si mesmos quando colocados frente a um espelho. “À medida que a doença evolui tornam-se cada vez mais dependentes de terceiros, iniciam-se as dificuldades de locomoção, a comunicação se inviabiliza e passam a necessitar de cuidados e supervisão integral, até para as atividades elementares do cotidiano, como alimentação, higiene, vestir-se e outras.

Comentários