Fasc reúne cultura em São Cristóvão

0

Pela 33ª vez, acontece o Festival de Arte de São Cristóvão (Fasc). Em 1962, ele dava os primeiros passos pela defesa e preservação da cultura da cidade. A iniciativa, na época, foi da Universidade Federal de Sergipe (UFS) e o festival conquistou o ápice na década de 1980.

 

Em 2006, a Secretaria de Cultura do município de São Cristóvão preparou várias formas de recuperar a “pujança” do evento, pelo menos foi o que explicou o secretário Carlos Cauê. Ele explica que depois da fase de maior destaque, o movimento acabou entrando em declínio.

 

“O festival acabou perdendo muitas de suas características e nossa meta é justamente recuperar esses pontos”, disse Cauê. Segundo a Secretaria, outra meta da Prefeitura é transformar São Cristóvão em capital da cultura. “Nós temos trabalhado com esse conceito. Acreditamos que a cidade reúne, do ponto de vista arquitetônico e artístico, um conjunto de características que lhe dão o status de capital da cultura sergipana”, acredita.

 

O FESTIVAL – Hoje à tarde, a administração municipal preparou uma coletiva para apresentar o novo modelo do Fasc. Os novos moldes da festa deverão reunir todas as modalidades artísticas possíveis em vários pontos da cidade. Entre elas, estariam teatro, cinema, música clássica e popular, fotografia, artesanato, folclore etc.

 

“Esse é um compromisso que temos desde as eleições. O prefeito Zezinho da Everest está cumprindo uma de suas promessas de campanha, que foi justamente recuperar o Festival. Estamos conseguindo isso através de parcerias como a UFS, Petrobras, BNB, Banco do Brasil, TV Sergipe, Correios, Caixa Econômica, Ministério de Turismo e Ministério da Cultura, através do projeto ‘Cultura Viva’”, disse o secretário.

 

Esse mês, o pessoal do Ministério da Cultura deve, ainda, reunir em São Cristóvão, artistas de todo o Nordeste, através dos projetos dos “Pontos de Cultura”. Espera-se a participação de cerca de 120 pessoas. Os artistas sergipanos terão participação qualificada no Festival de São Cristóvão.

 

“A programação tenta reunir o que há de melhor qualidade do cenário nacional e regional. Estamos trazendo aquilo o que é inovador, que desponta como fenômeno. Esse foi o grande norte que estabelecemos, dar a vez àquilo que já está aparecendo na mídia”, falou Cauê. Para o Fasc, estão confirmadas as presenças de Nando Reis, Jorge Bem Jor, Mariene de Castro, Otto e Grupo Ileaiê.

Comentários