Auditores fiscais prometem ocupar o 6º andar da Sefaz

0
Ato na porta da Secretaria da Fazenda (Fotos: Portal Infonet)

Auditores fiscais realizaram um ato na manhã desta terça-feira, 26, na porta da Secretaria de Estado da Fazenda (Sefaz) e prometem ‘ocupar’ o sexto andar do prédio [onde fica a presidência] na quarta-feira, 27. O objetivo é pressionar o Governo do Estado a dar maior celeridade no atendimento das reivindicações do Fisco, a exemplo de soluções para manter direitos retirados a partir da Reforma Administrativa de 2014, alterações no Plano de Carreira, reposição salarial e retorno do transporte dos auditores para os postos fiscais.

De acordo com o presidente do Sindicato do Fisco do Estado de Sergipe (Sindifisco), Paulo Pedroza, a categoria também aprovou a participação na paralisação nacional, marcada para o dia 29 de maio contra a terceirização e as medidas provisórias que retiram direitos.

Na quarta-feira, será realizado mais um ato

“Na sexta-feira, 29, nós estamos aderindo ao movimento nacional que está sendo coordenada pelas centrais sindicais, procurando conversações com outros sindicatos e a ocupação do sexto andar visa obter uma resposta do Governo do Estado em relação às pendências”, ressalta.

Projeto

O presidente do Sindifisco lamentou durante o ato que não existe nada favorável à votação do projeto que traz benefícios à categoria. “O projeto chegou quinta-feira à Assembleia e ontem estivemos lá para acompanhar, mas não encontramos nada positivo e nada favorável à votação. Os deputados estão sendo ouvidos nos processos das subvenções e ao que me parece isso tem desestabilizado emocionalmente, pois sequer têm ido a Assembleia. O projeto foi lido, mas o líder da oposição, deputado Capitão Samuel disse que essa semana as votações seriam obstruídas pela oposição por conta do não posicionamento do Governo em relação a reposição inflacionária. O líder do Governo garante que tudo vai correr bem, mas não garante que haja quórum”, enfatiza.

Paulo Pedrozo: "Arrecadação foi de 6%"

Paulo Pedroza disse que o projeto “foi redigido de forma errada pela PGE, foi remetido de forma errada para a Assembleia. O sindicato não avaliza mais a resolução desse problema, como vinha antes, aguardando. O Governo gosta de dizer que fez a parte e que agora é com a Assembleia, estamos protestando contra essa morosidade, essa falta de boa vontade do Governo e pela falta de cumprimento dos acordos”, lamenta.

Aposentadoria

O presidente do Sindifisco enfatizou que a categoria está insatisfeita. “Isso porque o Governo retirou a periculosidade quando da aposentadoria. Temos 100 auditores com condições de se aposentar hoje, mas como está esse embrulho, ninguém está confiando mais que vai se resolver, caso não seja resolvido, os colegas poderão pedir a aposentadoria. No início da próxima semana a categoria vai se reunir em assembleia e não vamos descartar uma possibilidade de greve”, adverte acrescentando que o Governo afirmou ter feito milagre para pagar a folha de abril.

“O governador disse que fez milagre para pagar os salários de abril dentro do mês, o milagre é que a arrecadação cresceu em 6% e a inflação ficou em 4.8, crescimento real, inclusive dentro do próprio FPE”, lembra.

Sefaz

A assesoria de Comunicação Social da Secretaria de Estado da Fazenda (Sefaz) informou que o Governo não vai retirar nada do que foi acordado com o Sindifisco. "Tudo o que o Governo acordou com o sindicato, vai ser cumprido, a questão é que o sindicato está impaciente, portanto, tudo aquilo que o Governo se comprometeu com o Sindifisco, vai manter, não vai retirar uma linha do que foi acordado. E quanto a afirmação de que o projeto teria sido enviado com erros à Assembleia, todo o teor foi discutido com os representantes do sindicato", esclarece o Subgerente Geral de Comunicação e Marketing da Sefaz/SE, Helber Andrade.

Por Aldaci de Souza

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais