Cohidro cultiva repolho de alta produtividade em Lagarto

0

(Foto: Ascom Cohidro)

Vegetal que exige água constante, o repolho do tipo “Midori” tem chamado a atenção pelo fato do tamanho, podendo desenvolver “cabeças” de até 4 kg. Isso acontece no Perímetro Irrigado Piauí, assistido pela Companhia de Desenvolvimento de Recursos Hídricos e Irrigação de Sergipe (Cohidro) no município de Lagarto. O irrigante Nemilson Araújo Santos é o único a apostar nessa variedade, ele que é um dos quatro produtores que cultivam a hortaliça no pólo de irrigação.

Plantado há 75 dias, o repolho que Nemilson cultiva em parceria com o irmão, já dá sinais de boa produtividade. Faltando ainda 15 dias para chegar ao ponto propício à colheita, já desenvolveu cabeças com média de 2 kg. “batendo nesta cabeça se observa que ela ainda é fofa, isso dá o sinal de que ainda vai crescer mais. Só quando estiver dura é que chega ao tamanho máximo que pode crescer”, comentou o agricultor ao examinar os pés plantados ainda em desenvolvimento.

Localizado no Povoado Limoeiro, uma das localidades atendidas pela irrigação do Perímetro Piauí em Lagarto, a propriedade de Nemilson tem cerca de 2 hectares, destes, 0,6 hectares (2 tarefas) são destinados ao cultivo da variedade “Midori”. “A escolha da variedade deve-se pelo tamanho da cabeça, que tem boa aceitação, embora o preço seja baixo,R$ 1,00 pela cabeça, independente do tamanho. Como se trata de uma nova variedade, plantada no terreno pela primeira vez, observou-se que o espaçamento que demos entre as plantas poderia ser maior, o que prejudicou o crescimento, ficando evidente que os repolhos nas pontas das linhas são maiores.Mesmo assim, no geral, a planta está se desenvolvendo bem”, considerou,lembrando ainda que o repolho exige a incidência do sol em toda planta.

O repolho exige a oferta de muita água para seu desenvolvimento, fato que torna indispensável o uso da irrigação fornecida pela Cohidro. “Tenho que ligar a irrigação todo dia que não chover, a planta pede muita água. Sem ter a irrigação nem teria como plantar”, complementa o irrigante Nemilson Araújo, que primeiro planta a semente – comprada em lojas agropecuárias – em viveiros e depois transplanta as mudas para a lavoura quando atingem os cerca de 15 centímetros de altura.

Técnico agrícola da Cohidro responsável pela área do Povoado Limoeiro, José Américo relata que além de Nemilson, outros três irrigantes do Perímetro Piauí apostam na produção de repolho, mas da variedade “Suki”. Ele explica que na plantação convencional, a planta é bastante vulnerável ao ataque de pragas, o que exige a aplicação controlada de defensivos.

“É recomendada a aplicação quinzenal – sendo que a última seja feita 15 dias antes da colheita – de inseticida que combata a borboleta da ‘lagarta de rosca’. O repolho tem a vantagem de ter as folhas externas – que não são aproveitadas na colheita, mas servem de adubo para a próxima cultura a ser plantada na área – que de certa forma protegem o ‘miolo’ da ação do agrotóxico aplicado, não havendo contato direto do agrotóxico com a parte que comemos”, explicou o técnico, reconhecendo que somente fazendo toda adequação da propriedade, para os métodos agroecológicos, seja possível produzir repolho sem o uso de defensivos químicos.

O produtor Nemilson Araújo, depois de colher o repolho, vai introduzir na mesma área a cultura da pimenta jalapeño, a qual já planta em lavoura vizinha ao mesmo tempo.Essa versatilidade, conquistada pelo agricultor,só veio depois de chegar a irrigação ao seu sítio, ressalta a gerente do Perímetro Piauí, Gilvanete Teixeira. “Se num mesmo pólo agrícola, como o que a Cohidro administra aqui em Lagarto, for possível produzir repolho, tomate, quiabo, pimenta de variados tipos, inhame, milho, etc., em períodos distribuídos do ano, maior será a oferta que teremos de produtos para abastecer o mercado e mais ganho terá o produtor”, completa.

Da mesma forma pensa Mardoqueu Bodano, presidente da Cohidro, que ficou satisfeito com o resultado conquistado pelo produtor, considerando que a variabilidade de processos e culturas, torna o setor agrícola mais dinâmico e preparado ao mercado.“Em nossos perímetros, o agricultor é irrigante e não fica parado esperando cair à chuva.Ele tem acesso à irrigação para produzir alimentos variados e tirar o sustento da família o ano inteiro, seja aquele que pratica a agricultura convencional ou orgânica”, avalia.

A planta, segundo o diretor de Irrigação da Cohidro, João Quintiliano da Fonseca Neto,se favorece das questões climáticas encontradas no Nordeste quando é cultivada tendo acesso constante à água, como acontece no Perímetro Piauí. “Nosso clima onde temos luminosidade e altas temperaturas quase o ano inteiro,favorece na introdução de diferentes cultivos. O repolho é uma delas,que com a água fornecida pela irrigação, cria-se as condições ideais para seu cultivo”,finalizou.

Fonte: Ascom Cohidro 

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais