Regularização de dívidas recua 8,72% na comparação anual

0
(Foto: Arquivo Portal Infonet)

De acordo com os dados do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), o Indicador de Recuperação de Crédito recuou 8,72% em maio na comparação com o mesmo mês do ano passado – a quarta queda consecutiva. O número mostra que a situação da economia segue refletindo no orçamento dos consumidores e uma das principais consequências é a dificuldade encontrada para quitar as contas em atraso.

No acumulado do ano, ou seja, nos meses de janeiro a maio de 2015, houve uma queda de 4,65% na comparação com o mesmo período do ano passado. Segundo Marcela Kawauti, economista-chefe do SPC Brasil, a desaceleração econômica  impacta diretamente a regularização de dívidas: "A situação atual é de inflação elevada, taxas de juros altas, dificuldade em conseguir crédito e aumento de desemprego", diz. "O cenário ainda afeta a renda das famílias e assim dificulta a recuperação de crédito por parte das empresas", explica Kawauti.

Na comparação com abril de 2015, o número de pessoas inadimplentes que regularizaram suas pendências aumentou 2,36%. Para Kawauti, essa variação não representa uma melhora da economia, já que não compensa as consecutivas quedas do início do ano: "O volume de consumidores inadimplentes acumula uma alta de 4,63% de janeiro a maio de 2015, e as dívidas atrasadas entre 91 e 180 dias são as que tiveram um crescimento maior, o que sugere que novos inadimplentes adquiriram dívidas no período de festas do final do ano passado", diz a economista.

"Com tantas incertezas no cenário futuro, agora é hora do consumidor guardar dinheiro para imprevistos e organizar seu orçamento, evitando, assim, contrair novas dívidas e até mesmo ficar inadimplente", conclui.

Fonte: Ascom SPC

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais