Trabalhadores da Petrobras em SE decidem aderir a greve nacional

0
Mobilizações vão ocorrer na próxima semana (Foto: Sindipetro)

Trabalhadores ligados ao Sindicato Unificado dos Trabalhadores Petroleiros, Petroquímicos, Químicos e Plásticos nos Estados de Alagoas e Sergipe (Sindipetro AL/SE) realizaram uma assembleia nesta sexta-feira, 7, e definiram que vão aderir ao processo de greve nacional iniciado no dia 1º de fevereiro em diversos estados.

Segundo a categoria, o objetivo é impedir as demissões dos trabalhadores e protestar contra a privatização da Petrobras. A partir da próxima semana, os trabalhadores irão fazer mobilizações nas sedes administrativas, entre elas, o atraso na entrada dos funcionários ou o corte de rendição dos funcionários que trabalham em regime de turno.

“Desde quarta, estamos fazendo reuniões e hoje decidimos aderir ao processo de greve. A partir de segunda, faremos atos nas sedes administrativas. Não podemos aceitar essas demissões e a política de preço do combustível implantada pela empresa. No início, haverá mobilizações para construir e fortalecer o movimento e depois entrarmos em greve”, diz o diretor do Sindipetro, Bruno Dantas

Neste final de semana, a diretoria do Sindipetro volta a se reunir para planejar as ações de mobilização.

Petrobras

O Portal Infonet entrou em contato com a assessoria de comunicação da Petrobras, que enviou uma decisão do Tribunal Superior do Trabalho que determinou sanções às entidades sindicais que vêm descumprindo decisão da Justiça de manter contingente mínimo de 90% dos trabalhadores, com multa diária de até R$ 500 mil por sindicato.

Segundo a Petrobras, o TST apontou que a greve tem “conotação política e não econômica direta, o que não é admitido por esta Corte” e que o descumprimento do percentual mínimo de efetivo pode colocar em risco a segurança das operações e prejudicar os próprios empregados e toda a sociedade.

A Petrobras já informou por ofício a todas as entidades sindicais o número exato de empregados em cada unidade e por turno para atender o contingente mínimo. A companhia aguarda cumprimento imediato da ordem judicial.

por Aisla Vasconcelos

 

 

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais