Deputados debatem impasse entre delegados e policiais civis

0
Deputado Gilmar Carvalho não concorda com atitude da Adepol (Foto: Alese)

O impasse entre os policiais civis e os delegados de polícia foi assunto da sessão desta terça-feira, 24, na Assembleia Legislativa de Sergipe (Alese). O deputado estadual Gilmar Carvalho (PSC) repudiou a apresentação por parte da Associação dos Delegados de Polícia Civil (Adepol) de uma minuta de projeto ao Governo do Estado que altera a base da polícia civil, categoria que a associação não representa.

“Tenho muito respeito pelos delegados, mas quem tem sindicato não são os delegados, é a base da polícia civil, e eu não desconsidero a importância de uma associação quando se tem um sindicato. Há um entendimento do STF que os delegados participam da categoria da polícia civil. Não tinha nada que a Adepol sair ontem (23) com uma minuta de projeto se metendo na base da categoria, já que continuam agindo separadamente com se tivessem duas categorias distintas. Proponho, já que se há um projeto da base da polícia civil para ser enviado a esta Casa, e há um impasse do Governo via entendimento da PGE com a base da categoria, apelamos para que sentem juntos, com a própria base do Sinpol para buscar um entendimento”, sugere o parlamentar.

O deputado Zezinho Sobral (Podemos), líder da bancada do governo, confirmou que a Procuradoria Geral do Estado (PGE) encontrou inconsistência na concretização de alguns pleitos do projeto, mas ressaltou que as análises ainda não foram concluídas pelo Governo. “Ainda está em fase de avaliação e de entendimento. Eu entendo que do ponto de vista operacional para a SSP é muito interessante as propostas que lá estão porque dão uma certa flexibilidade e dá um comparativo do que pode ocorrer hoje com a polícia militar, os agentes da polícia civil também poderiam fazer, corrigindo alguns imperfeiçoes, claro, poderíamos perfeitamente avançar no projeto”, afirma.

Adepol

Em nota a Adepol disse que “como integrante de uma comissão que discute a reestruturação da Polícia Civil, a Adepol, entidade que congrega os Delegados de Polícia, dirigentes da Instituição por imperativo constitucional, de forma legítima, propôs a criação das novas carreiras de Investigador e de Escrevente. Esses quadros teriam uma tabela remuneratória própria que não se confunde com a tabela das carreiras de Agente e de Escrivão, e que acredita que a criação desses novos quadros fortaleceria o trabalho da Polícia Civil no Estado de Sergipe, vindo a somar com os Delegados, Escrivães, Agentes e Agentes auxiliares que atualmente compõem a instituição”.

Por Karla Pinheiro

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais