A forma do PMDB

0

Ou a reforma política que tramita no Congresso Nacional valoriza as siglas partidárias, retornando com a fidelidade e colocando o mandato como uma conquista da legenda, que teria legitimidade para tomá-lo dos infiéis, ou se manterá esse processo vergonhoso de mudanças de camisa por interesses pessoais. A chamada clausula de barreira pode ser o fim para os pequenos partidos, porque aniquila quem tiver uma representação nacional de até nove parlamentares, mas dá autenticidade aos partidos grandes, desde que edite regras para que as legendas tenham instrumentos de comando dos seus filiados. O que não dá é para cruzar os braços a esse troca-troca em busca de um quociente eleitoral, para manter ou ganhar o mandato, sem que haja o mínimo de ideologia que se vincule ao projeto partidário, mesmo que não tenha a menor identificação com o povo.

 

O PMDB, depois de se tornar em uma sigla secundária, mesmo com a força das representações políticas que detém e com as conquistas adquiridas nas eleições municipais deste ano, está consciente que precisa reavaliar o seu destino. De tantas histórias e lutas, com o timbre da resistência à ditadura militar e com um passado que engrandece a política brasileira, através de nomes como o de Ulisses Guimarães, Tancredo Neves, Theotônio Vilela e tantos outros que estiveram na linha de frente da luta democrática, enfrentando uma violenta ditadura militar, o Partido da Mobilização Democrática Brasileira (PMDB) não poderia manter a condição de um partido dependente do humor de um Governo que furou todos os seus compromissos com a sociedade e perdeu o rumo da história.

 

Transformar-se em MDB, ter candidato próprio a presidente da República, devolver todos os cargos ao Planalto e punir quem não cumprir rigorosamente com o novo mapa filosófico da legenda, é o mínimo que se pode esperar de um partido que quer retomar o perfil de movimento, de frente popular, de refúgio para os inconformados de todos os lados, que desejam um Brasil melhor e mais justo.

 

Evidente que esse não é o perfil do PMDB de agora. Não se pode negar que em 1985, quando o partido teve que acomodar muitos punguistas da ditadura, que fugiam da candidatura de Paulo Maluf a presidente da República, para formar uma Frente Ampla de apoio a Tancredo Neto, o PMDB perdeu o seu perfil ideológico, porque aceitou exatamente os avalistas da ditadura. Assim como fez o Partido dos Trabalhadores, logo após chegar ao poder, o PMDB também considerou supérfluo manter um perfil ideológico, preferindo partir para entendimentos que vulgarizaram a sua trajetória de luta em favor de um país igual para todos e escancarou a porteira para invasão de grupos diretamente vinculados à elite brasileira.

 

O PMDB se transformou em um partido burguês, renegou as suas origens e, ainda hoje, sente dificuldade no Senado para conter alguns dos seus representantes que está mais para os interesses do poder, do que para o projeto mais adequado aos anseios de uma sociedade descrente, desesperançada e que vagueia em busca de uma saída para um país que protege, cada vez mais, uma elite que atravanca o desenvolvimento social, para que se mantenha inalterada a miséria que dá lucro.

 

Em Sergipe, o PMDB também vai tomar posições, dependendo da aprovação do que será discutido em pauta e da aprovação dessa transformação radical que sacode o partido para um passado em que era o símbolo da resistência e nunca um poço de subserviência. Claro que, também em Sergipe, o PMDB precisa fazer uma lapidação no seu perfil, que está um pouco maquiado. Entretanto, se todos tomarem a consciência do que representa um partido que fez a democracia neste país e incorporarem o espírito da luta pela mudança de um modelo econômico voltados para banqueiros e grandes empresários e de uma política social perversa estarão no partido certo e podem chegar onde o povo está. Segundo o presidente regional do PMDB, Benedito Figueiredo, os problemas do estado serão imediatamente resolvidos porque “o pessoal está muitos insatisfeito com o PFL”.

 

Assim como, dentro do partido, em termos nacionais, há um receio com o Senado Federal, porque os senadores negociam com o Planalto e terminam prejudicando a legenda. De qualquer forma, se for aprovada a pauta da convenção nacional, quem trair a nova filosofia partidária será expulso, o que fará do PMDB uma legenda imune a negociatas que contrariem os interesses do seu novo perfil. É esperar para ver… E para crer.

 

QUEBRA

Foi pedida a quebra do sigilo bancários de algumas pessoas diretamente envolvidas na fuga de Floro Calheiros, da Primeira Delegacia Metropolitana. Até o momento ainda não foi autorizada pelo Banco Central, em razão da burocracia que retarda a ação da justiça.

 

BARREIRAS

Segundo uma influente fonte, o fugitivo Floro Calheiros é proprietário de uma concessionária na cidade de Barreiras, no interior da Bahia. “Todo mundo sabe disso, inclusive a polícia, e ninguém vai lá”, disse a fonte, acrescentando que ele tem clientes em Sergipe.

 

CONVENÇÃO

O presidente regional do PMDB, Benedito Figueiredo, recebeu a pauta que será discutida na convenção nacional do partido que será realizada dia 12 de dezembro, em Brasília. O PMDB vai discutir candidatura própria para presidente da República, retorno à sigla MDB, entrega de todos os cargos e expulsão de quem não obedecer ao que for aprovado.

 

DE ACORDO

Benedito Figueiredo disse que fará um encontro de membros do partido em Sergipe, dia 5 de dezembro, para discutir a posição de Sergipe em relação à pauta. Antecipadamente o advogado Benedito Figueiredo disse que concorda, porque sente que está na hora do partido retomar a posição que sempre teve no cenário nacional.

 

SERGIPE

Depois do que for resolvido na convenção nacional, é que o PMDB em Sergipe adotará as medidas para adotar uma posição no Estado. O caso da secretário da Cultura, José Carlos Teixeira, pode ser uma das primeiras medida. Ele quer pedir demissão, mas está esperando que seja uma posição partidária.

 

ITABAIANA

O prefeito de Itabaiana, Luciano Bispo (PMDB) esclareceu ontem que abriu as portas da Prefeitura para a candidata eleita Maria Mendonça (PSDB). Disse ainda que vai participar da transmissão de cargo e só não o fará caso seja essa a vontade da prefeita eleita.

 

TRABALHO

Luciano Bispo disse, ainda, que continua trabalhando em Itabaiana normalmente, acentuando que “aqui é minha cidade”. Acrescentou que tem um irmão candidato e dará continuidade ao seu projeto político, se preparando para as eleições de 2006.

 

PROJETO

A assessoria do prefeito Luciano Bispo informou que o projeto de lei que ele apresentou revoga duas leis que tratavam da reforma administrativa. Existe uma terceira lei que institui concurso público e visa cargos em comissão e cargos de confiança, que está em vigor.

 

SECRETARIADO

O prefeito Marcelo Deda (PT) só vai anunciar o novo secretariado depois do dia 15 de dezembro. A mudança será tímida, só para atender aos aliados. Déda declara que “em time que está ganhando não se mexe”. O prefeito viajou para Leão dos Palmares (AL), onde recebe a comenda “Zubi do Palmares”.

 

EDUARDO

O presidente da Petrobrás, José Eduardo Dutra (PT), não estará presente ao ato de assinatura de recursos para o Centro Educacional Vitória de Santa Maria. Ele foi convocado ontem para estar em Brasília na segunda-feira, quando participa da recepção ao presidente da Rússia.

 

FONTES

Na avaliação de deputado da oposição (pediu omissão do nome) o seu colega João Fontes (sem partido) terá dificuldade para reeleger-se em 2006. João ainda não se definiu por uma legenda e está difícil de ficar à frente do PDT em Sergipe. A legenda será mantida pelo grupo do senador Almeida Lima.

 

COMENDA

O coronel Belmonte e dois capitães do exército chegaram ontem a Poço Redondo para entregar ao prefeito Enoque Salvador (PL) a comenda Chapéu de Couro, no grau prata. Segundo Belmonte, frei Enoque foi o único prefeito a receber a comenda, criada em 1950 pelo Exército Brasileiro.

 

MEDIDAS

Frei Enoque convocou uma reunião de emergência com a sua equipe, para adotar medidas drásticas, com o objetivo de atender ao pessoal atingido pela seca. Suspendeu a compra de material cirúrgico e de material odontológico, porque precisa usar o dinheiro na distribuição de água para a comunidade.

 

MINISTÉRIO

Frei Enoque também entrou em contato com o Ministério Público, para anunciar que está guardando bens públicos, com medo de saque. O prefeito denuncia que a população está apavorada com os assaltos e não pode fazer nada. Diz que a polícia não tem condições de enfrentar os bandidos.

 

Notas

 

PESQUISA-1

Em pesquisa realizada pelo Ibope no primeiro semestre deste ano, o Ministério Público é a quarta instituição com maior credibilidade, superada apenas pela igreja católica, forças armadas e imprensa, que estão tecnicamente empatadas na liderança. O Legislativo, Executivo e Judiciário têm menor credibilidade. Os três poderes ficam atrás das igrejas evangélicas, dos advogados e da polícia. A pesquisa encomendada pela Associação Nacional dos membros do Ministério Público – Conamp. O objetivo foi avaliar a instituição.

 

PESQUISA-II

O trabalho de pesquisa envolveu duas mil entrevistas, realizada em 145 municípios de cinco regiões do país, apresentando intervalo de confiança estimado em 95% e margem de erro máxima de 2,2 pontos percentuais para mais ou para menos sobre os resultados encontrados no total da amostra. Segundo a opinião de 68% das pessoas consultadas, os promotores e procuradores de Justiça deveriam investigar todos os crimes. Apenas 4% delas defenderam a exclusividade da investigação pela polícia.

 

PESQUISA-III

Sobre a polêmica de que os promotores e procuradores devem divulgar dados a respeito de investigações ou processos em que o Ministério Público esteja atuando, salvo os protegidos por sigilo, a pesquisa revela que 78% dos entrevistados são favoráveis que todo o trabalho seja de conhecimento público. Os pesquisados se mostraram contrários a qualquer tipo de mordaça. Outro dado revela que a grande maioria aprova a atuação do MP e entende que ela deve ser ampliada a outros casos que envolvem a sociedade.

 

É fogo

 

A maioria dos prefeitos está com dificuldade de pagar as contas deste ano, para cumprir a Lei de Responsabilidade Fiscal.

 

Os mais preocupados são os prefeitos que foram derrotados por adversários e não têm como deixar a conta para o sucessor pagar.

 

Continua insuportável, pela população, o grande número de roubo de animais no interior do estado. Os marginais atuam à luz do dia.

 

O Policiamento do interior é pequeno para combater as quadrilhas que atacam fazendas e os criadores estão à mercê dos bandidos.

 

O procurador geral de Justiça, Luiz Valter Ribeiro, tomará posse para o segundo mandato, segunda-feira, às 17 horas.

 

O deputado Luiz Garibalde (PDT) apresentou projeto que obrigar constar o nome do corretor, em qualquer transação imobiliária.

 

O prefeito de Barra dos Coqueiros, Gilson dos Anjos (PSDB) e o prefeito eleito Airton Martins (PT) não estão se entendendo.

 

O deputado estadual Zé Milton (PFL) já iniciou a fazer uma série de contatos com lideranças políticas do agreste.

 

O deputado estadual Antônio dos Santos tem conversado muito com lideranças do interior para o fortalecimento do PSC.

 

A arrecadação de impostos e contribuição federais registrou no mês de outubro o maior volume desde janeiro.

 

O emprego industrial cresceu pelo quinto mês seguido em setembro. São Paulo e Minas Gerais lideram as contratações, segundo o IBGE.

 

O governador João Alves Filho teve uma agenda puxada em Brasília e São Paulo, onde tratou de interesses de Sergipe.

 

brayner@infonet.com.br

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais