A hora é de participação

0

No Cinform (20 a 26 de dezembro de 1993), na seção “Cartas”, o Sr. José Valteno dos Santos nos conta que um professor de Estudos de Problemas Brasileiros, da UFS – Vilder Santos – comentou: “Não faça política e farão por você. Não preencha o seu espaço e tomarão conta de tudo. Da sua parte e de todas as partes. E farão de sua vida e do seu irmão isso aí que estamos vendo…”

Por outro lado, o Sr. César Gama, no editorial dessa mesma edição, escreve: “… Sinceramente aquela casa, a assembléia Legislativa, que se convencionou chamar de poder – se é que representa algum poder – deveria ser totalmente lacrada. Cá para nós, embora também sejamos contrários a ditaduras militares, infelizmente a coisa chegou a tal ponto que a opinião pública, a essa altura, até agradeceria que o recesso parlamentar, que ora se iniciou em todo o país durasse infinitivamente…”

Hoje, em 2009, a situação é a mesma, ainda não conseguimos tornar realidade “A hora é de Participação”, senão vejamos:

Entre as duas manifestações, acredito que aquela levantada pelo professor Vilder Santos deveria ser a bandeira de todos os homens de bem deste país.

A posição levantada pelo Sr. César Gama é uma mensagem de desesperança, desânimo e de descrédito no poder de reação de nossa sociedade.

Uma coisa nós não podemos desconhecer. A corrupção, em nosso país, é coisa antiga e chegou ao ponto em que chegou, porque durante muitos anos, nenhuma voz se levantou para denunciá-la.

Era um congresso subserviente; era a imprensa sob controle; era o cidadão impedido de discordar; era o executivo que tudo resolvia, que tudo fazia.

Eram sempre as mesmas pessoas. Mais tempo no poder, menor era a resistência. Assim, a corrupção parece ter atingido a todas essas pessoas.

Fim do autoritarismo. No poder, porém, ainda permaneceram e permanecem quase todos aqueles que sempre foram poder. Assim não é de se estranhar que a corrupção ainda esteja presente.

Todavia não mais estamos vivendo o mesmo tempo. A situação está mudando, pois nestes últimos meses começou a brotar em cada um de nós brasileiros a indignação, a revolta e a coragem de protestar contra a corrupção.

Por isto, agora mais do que nunca, o que nós, a grande maioria do povo brasileiro, temos que fazer, é participar ativamente da política brasileira, começando pelas eleições de 2010, banindo do cenário político nacional todos aqueles políticos descomprometidos com o bem-estar do povo brasileiro.

Portanto, não é fechando o Congresso e Câmaras que se resolverá a situação do nosso país. É renovando com o nosso voto em 2010 que estaremos contribuindo para a construção de um Brasil mais justo para todos nós brasileiros.

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários