A SITUAÇÃO ECONÔMICA DA AMÉRICA LATINA

0

O presidente do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) afirmou que o crescimento econômico da América Latina, nos últimos cinco anos, foi significativo, mas não o suficiente para combater a pobreza extrema que atinge cerca de 205 milhões de habitantes.

 

Apesar de 13 milhões de latino-americanos terem escapados às garras da pobreza nos últimos anos, a expansão econômica não refletiu em melhorias na qualidade de vida de um grande número de habitantes. A desigualdade persiste e é inaceitável que 205 milhões de habitantes vivam abaixo da linha de pobreza.

 

Para o presidente do BID, a competitividade econômica deve ser sustentável, devemos dar maior valor agregado, melhorar os sistemas de justiça e promover a igualdade de oportunidades para todos, sem distinção de gênero, raça ou condição social e para isso é necessária a ação conjunta.

 

O Mercosul tem recordes comerciais para se comemorar e pouco avanço institucional para se lamentar.

 

O fato da Argentina ser hoje o segundo maior mercado para o Brasil, atrás apenas dos Estados Unidos, demonstra a importância comercial do bloco. Mas a necessidade de se fazerem negociações conjuntas, em economias assimétricas, acaba por colocar o Mercosul em risco. Talvez fosse melhor limitar o bloco a uma zona de livre comércio, sem maiores ambições.

 

Apesar de uma provável desaceleração da economia norte-americana venha impactar negativamente, o crescimento econômico na América Latina deve se manter em um nível relativamente robusto em 2008, aponta o relatório do Fundo Monetário Internacional (FMI) – Perspectivas Econômicas das Américas.

 

O diretor do departamento do hemisfério ocidental do FMI, Anoop Singh, destacou que as chaves para a mudança de longo prazo são aumentar o investimento e a produtividade que contribuem para a redução da pobreza e desigualdade na região.

 

A maioria dos países da região apresenta quadro de dívida pública em queda, posições fiscais e externas sólidas, sistemas financeiros estáveis e flexibilidade cambial utilizada de forma bastante efetiva.

 

A expansão econômica na região também tem sido impulsionada pela forte demanda doméstica, porém uma desaceleração mais pronunciada da economia americana ou um período mais extenso de turbulência financeira certamente afetariam a região de maneira importante.

  

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários