As empresas que abrem e fecham

0

Sergipe registrou um aumento de dez por cento no numero de abertura de empresas no primeiro semestre de 2019, em comparação ao mesmo período do ano passado. Dados da Junta Comercial do Estado de Sergipe (Jucese),apontam que 2.289 registros foram abertos no Estado, contra 2.086 em 2018. Entre os municípios do estado, Aracaju abriu 1.309 empresas neste período, seguido de Itabaiana com 110; Lagarto 98; Nossa Senhora do Socorro, 84; São Cristóvão, 62, Estância, 49, Tobias Barreto, 49, Nossa Senhora da Glória, 38, Simão Dias, 33, Propriá, 31. Do total de empresas constituídas, neste primeiro semestre, 1876 foram microempresas, foram com renda bruta anual ou inferior ou igual a R$ 360 mil. 212 empresas de pequeno porte com renda bruta anual ou superior a R$ 360 mil e inferior a R$ 4.8 milhões e 201 foram empresas consideradas sem porte, por escolha do empresário ou por terem ultrapassado o limite de arrecadação de EPP. Com relação as baixas, a Jucese também registrou um aumento de 7% (1.494 empresas) nos seis primeiros meses de 2019,se comparado ao mesmo período de 2018. Em Aracaju, foram extintas, 802 empresas, seguida de Itabaiana 78; Nossa Sra do Socorro, 57, Lagarto, 55, São Cristóvão, 52, Tobias Barreto, 41, Estância, 37, Nossa Sra. da Glória, 25, Barra dos Coqueiros, 23, Simão Dias, 20. Do total de empresas baixadas 1.152 fora m micro empresas ,86 foram empresas de pequeno porte e 256 foram empresas sem porte. Vale ressaltar que sempre se abrem mais empresas do que se fecham. Neste ano de 2019 tivemos um saldo positivo de 795 empresas abertas. Em abril, a Junta Comercial deu início ao processo de cancelamento de empresas que há mais de dez anos não realizavam qualquer movimentação na Junta Comercial . Foram cancelados os registros de 14.022 empresas. A ksta completa com as empresas canceladas já foi repassada às autoridades arrecadadoras e foi comunicado tal fato à Receita Federal, Secretaria de Estado da Fazenda, INSS e Caixa Econômica para realizar os procedimentos complementares. Atualmente, Sergipe possui 57.500 mil empresas ativas de acordo com o banco de dados da Junta Comercial. Quando se leva em consideração as microempresas individuais , registradas diretamente no Portal do Empreendedor da Receita Federal do Brasil, o número de empresas ativas em Sergipe salta para 123.299 mil.

Bolsonaro fabrica suas próprias crises

O Governo do Presidente Jair Bolsonaro não precisa de ninguém para fabricar crises. Como o presidente tinha a língua maior que o corpo ele as fábrica por moto próprio. A bola da vez agora é o Presidente da OAB, Felipe Santa Cruz, em cuja convivência o presidente não se deu bem desde que assumiu a presidência no início deste ano. Democracia é uma coisa que o Presidente respeita mas faz questão de passar por cima dela. Agora a crise foi provocada pelo próprio Bolsonaro ao dizer que sabia os motivos da morte do pai de Felipe Santa Cruz, há muitos anos atrás, quando ele tinha apenas dois anos de idade. Este senhor chegou a ser preso no auge da ditadura militar e teria sido morto por seus próprios companheiros de organização terrorista. Bolsonaro não tinha nada que estar levantando este tipo de problema. Afinal, um Presidente da República tem por missão acalmar o seu povo e não ficar estimulando desavença com quem quer que seja. Algum familiar, ou até o próprio Exército deve ficar de vigia para que Bolsonaro não largue a dizer coisas que não deve contra quem quer que seja da direita ou da esquerda. Já escrevi aqui uma vez, que Bolsonaro pode cair pelo que diz, não pelo que faz… Enquanto vai colecionando escorrego, o Presidente da Câmara, Rodrigo Maia, vai se preparando para substitui-lo.

CASE não atende ao público

O Case informa que o atendimento ao público está comprometido por paralisação no sistema Hórus do Ministério da Saúde. A Secretaria da Saúde informa que o sistema Horus, do Ministério da Saúde, que é utilizado para dispensação dos medicamentos, é realizado exclusivamente pelo Departamento de Informática do SUS do Ministério da Saúde. O Estado de Sergipe não detém nenhum poder sobre ele.Com o sistema lento, a entrega dos medicamentos está comprometida até que a situação seja normalizada. A Coordenadora do CAS, informa que já manteve contatos com a área central do Ministério da Saúde e aguarda agora o retorno para se ter uma ideia de quando os medicamentos vão voltar a ficar a disposição da população da população. A Coordenação do CASE orienta a população que utilize o whatsapp do órgão, através do número 98891-2838. Não precisa ir no CASE pelo menos agora .

Comentários