Campanha parada

0

Para alegria da população, que detesta barulho de carros de som, comícios e horário eleitoral gratuito, a campanha política só começará mesmo para valer em agosto. Até lá, partidos e candidatos estarão acompanhando as sessões da Justiça Eleitoral, que julga grande número de pedidos de impugnações. Enquanto não tiverem o ‘ok’ do TSE, os postulantes a cargos eletivos não colocarão as mãos nos bolsos para gastar e, consequentemente, a campanha ficará estacionada. Pior para os cabos eleitorais, que terão menos tempo para ‘extorquir” os candidatos, com a falsa promessa de garantir milhares de votos. Como se vê, política é uma roda viva: Muitos dos que estão hoje tentando provar na Justiça que respeitam a lei, tão logo consigam o sinal verde para disputar as eleições, vão comprar votos, caluniar e até vender a mãe para tentar se eleger. Claro, que há exceções.

Muito trabalho

Os magistrados do Tribunal Regional Eleitoral terão muito trabalho até o próximo dia cinco. Até lá, eles vão julgar nada menos do que 76 pedidos de impugnação de candidaturas assim distribuídos: um de governador, dois de vices, quatro de senadores, 37 de deputados estaduais e 34 de deputados federais. Terminado o trabalho do TRE, os candidatos e coligações que não concordarem com a decisão, terão até o dia 19 de agosto para recorrer ao Tribunal Superior Eleitoral. E haja despesa com advogado!

Novo nome

O DEM sergipano mudou o nome de sua coligação. Como o Tribunal Regional Eleitoral vetou o slogan “Governador de Verdade”, decidiu-se que a aliança, que apóia a candidatura de João Alves Filho para governador, se chamará “Em nome do povo”. Ingrato, o povo ainda reclama que não sobra nada de bom para ele.

Bom aluno

O presidente nacional do PT, Eduardo Dutra, acusa o candidato a presidente José Serra (PSDB), de fazer discursos diferentes de acordo com a região que visita. “No Espírito Santo ele diz uma coisa e no Ceará fala outra sobre os royalties do pré-sal”. É, pelo visto Serra foi um bom aluno do presidente Lula (PT). Na campanha passada, o petista defendeu na Paraíba a transposição do rio São Francisco, mas quando chegou em Sergipe jurou na cruz que era contra o projeto.

Reis injuriado

É grande a expectativa em torno da posição política que o deputado federal cassado Jerônimo Reis (DEM) tomará neste final de semana. Injuriado com as lideranças do seu partido que, segundo diz, tentaram apressar a sua cassação para beneficiar o suplente Pedrinho Valadares, Jerônimo pensa em chutar o pau da barraca e não votar em João Alves para governador. Prometeu anunciar a sua decisão neste sábado. Aguardemos, portanto.

Dia de eleição

Os eleitores de Riachão do Dantas vão às urnas neste domingo para escolher o novo prefeito do município. Por conta da cassação do prefeito Laelson Meneses, a Justiça Eleitoral marcou o pleito, que será disputado pelos vereadores Pedro da Lagoa e Ivan Macêdo dos Santos. Ontem, o empresário Nelson Araújo, filho de Riachão, defendeu o envio de tropas federais para garantir a tranqüilidade das eleições. Segundo ele, o clima está prá lá de quente na cidade e se providências não forem tomadas, a coisa vai feder domingo próximo. Calma, galera!

Bandeiras nas ruas

Os candidatos a deputado estadual e federal, respectivamente, Ana Lúcia e Iran Barbosa – ambos do PT – foram os primeiros a colocar a campanha nas ruas. Bandeirolas vermelhas com seus nomes já estão sendo agitadas nas esquinas de Aracaju. Os dois são exceções, pois a maioria dos candidatos só vai colocar as campanhas nas ruas em agosto, até para economizar uma ‘graninha’, pois ninguém é de ferro.

Vai depor

O deputado estadual Augusto Bezerra (DEM) deverá prestar depoimento à Polícia no inquérito que apura a tentativa de extorsão ao também deputado estadual Rogério Carvalho. A Secretaria da Segurança Pública já encaminhou ofício para a Assembléia pedindo que Bezerra ajude a esclarecer o caso. Augusto está sendo chamado para depor porque um dos acusados pelo crime de extorsão disse ser seu assessor parlamentar. O deputado nega que tenha qualquer relação profissional com o dito cujo.

Urnas trocadas

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral, ministro Ricardo Lewandowski, estará em Aracaju nesta sexta-feira. Procedente de Alagoas, onde foi ver de perto a tragédia provocada pelas fortes chuvas, Lewandowski participará de uma sessão solene no Tribunal Regional Eleitoral, quando assinará convênio para que Sergipe seja o primeiro estado brasileiro a trocar todas as atuais urnas eletrônicas por urnas biométricas, que serão utilizadas já nas eleições de 2012.

DEM reunido

Promete ser agitada a reunião que o DEM realizará hoje à noite em Aracaju. Entre os temas principais estão a proibição do TRE para que o partido se coligasse com o PSDB e a data da inauguração do comitê central da campanha. Os candidatos também vão querer saber de João Alves Filho sobre as ajudas financeiras e se existe a possibilidade de o PSDB nacional recorrer da decisão do TRE, na tentativa de manter a aliança em Sergipe.

Do baú político

Em agosto de 2007, após empossar o interventor de Pirambu, Moacir Santana, o governador Marcelo Déda (PT) foi muito aplaudido pelos populares que lotavam a praça da Prefeitura. Entusiasmado com o apoio popular, foi cumprimentar as pessoas, ouvir reivindicações e, claro, receber tapinhas nas costas. Uma mulher, daquelas bem despachadas, aproximou-se de Déda e passou a elogiá-lo, principalmente a sua beleza física. Minutos depois, quando já conversava com algumas crianças, o governador voltou a ser elogiado, agora em voz alta, pela mesma senhora: “Êta homem bonito. Era um desses que eu queria lá em casa”. Rindo muito, Déda levantou a mão esquerda e, mostrando a aliança de ouro no dedo, tentou acalmar a fã espalhafatosa: “Moça, eu sou casado”. A resposta veio na lata: “Mas não é capado”.


 

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais