Como olhar a criança diabética com sua independência na escola

0

O amor é uma loucura sensata, um fel que sufoca, uma doçura que conserva.
(William Shakespeare)

A família é o primeiro grupo a que a criança pertence, sendo que a sua principal função é a de transmitir os costumes e as normas de nossa sociedade. Essa função é extremamente importante no sentido de fazer a manutenção de nossa sociedade, como um todo, porque sem duvida alguma, a criança tem que se adaptar ao mundo em que vive.

Para ela, a primeira informação e a primeira visão do mundo se restringem à família.

O segundo grupo de influencia para a criança é a escola, este já bem maior que o primeiro, é nele, que a criança tem contato com outras pessoas e recebe informações diferentes das que lhe foram transmitidas pela família.

Para a criança com diabetes a importância desses grupos é a mesma, mas é muito importante, termos bastante cuidado quanto à superproteção na família, que quando ocorre torna extremamente difícil a integração da criança na comunidade.

Dentro de cada família há uma dinâmica, porém em quase todas, as pessoas desempenham diferentes funções, e, de acordo com seu comportamento, assume certos rótulos, como por exemplo: um pai que é o “durão”, um irmão que é o “bonzinho”, o outro é o “moleque”, etc…, esses rótulos muitas vezes, podem determinar o comportamento do indivíduo, pois as pessoas esperam e cobram que eles se comportem como tal.

Por isso, nas famílias em que existe a presença de uma criança com diabetes, ela certamente poderá vir a receber o rótulo de “a diabética”, o que pode se tornar um estigma complicado de lidar, mais do que um simples ¨rótulo ¨, pois ela pode ficar restrita a uma série de coisas que as outras crianças ¨não diabéticas ¨, podem realizar, ocorrendo um comportamento familiar bizarro, aonde a criança é impedida de fazer algumas coisas, enquanto que outras lhe são facilitadas, muitas vezes de forma equivocada.

Ela precisa acima de tudo de liberdade e autoconfiança, e nunca de superproteção e de sensação de ¨pena ¨de ¨coitadinho ¨..

Habitualmente o que se observa é que associado a esse rótulo de “diabético” vem a temida e frequente superproteção, familiar e social (dos amigos, dos colegas da escola, etc…), que poderá resultar em uma criança insegura, pois, se todos fazem tudo por ela, como é que ela vai poder acreditar na sua própria capacidade de enfrentar o mundo?

Muitas vezes, essa superproteção vem do fato de os pais se sentirem culpados pelo diabetes do filho, e a criança pode usar essa culpa para controlá-los.

Esse tratamento especial pode também gerar ciúmes nos irmãos, que passarão a hostilizar a criança protegida, que fatalmente poderá em virtude disso, passar a fazer chantagem emocional dentro do seio familiar, se tornando possessiva, e que por sua vez passa a sentir que seus problemas imediatos no ambiente familiar são facilmente resolvidos, mas que, no entanto lá fora sua manipulação não é tão eficiente.

Essa superproteção pode fazer com que a criança tenha uma estrutura de ego fraca, resultando que nas ocasiões em que deve lidar com situações além de suas possibilidades, pode descompensar – se emocionalmente, o que certamente irá gerar também uma descompensação no controle do diabetes, pela tentativa de gerar uma proteção em torno do seu problema existencial, isso pode ser geralmente obtido através de transgressões alimentares grosseiras, feitas com o objetivo de ser visto, por estar com o açúcar alto no sangue.

Cabe à família preparar a criança para enfrentar o mundo que nem sempre vai ser acolhedor como a nossa casa, da mesma forma deve ser em relação ao diabetes, pois a família deve fornecer informações ou meios de acesso a elas, de tal maneira que a criança possa se apropriar de seu problema clinico, sabendo cuidar-se sozinha, mesmo longe da proteção dos pais e de seus familiares mais próximos, pois isso com certeza irá fazê-lo desenvolver uma proteção suficiente, para que ela consiga se integrar melhor no grupo extra- familiar.

Há pais que não confiam na obediência ao regime e policiam os filhos, o que os deixa irritados e acabam agredindo o ambiente familiar, além disso, se Eles solicitam aos amigos dos filhos que denunciem se ele escapar à dieta, isso pode trazer à criança a perda de amigos, gerando um bloqueio de afetividade, e é nesse momento que se faz muito importante, um trabalho coletivo, interagindo uma melhor informação médica e uma compreensão familiar e social das dificuldades atravessadas, para que se tenha uma solução adequada dos problemas existentes, resultando na obtenção de um melhor resultado clinico psicológico e acima de tudo social.

Tanto a família como as outras instituições que a criança frequenta devem ajudá-lo a se auto-aceitar, e para isso é preciso tratá-lo como uma pessoa normal, na qual a única diferença é a de ter necessidade de um controle externo de seu açúcar no sangue, usando uma Insulina artificial, enquanto seus coleguinhas possuem uma automática para fazê-lo.

Tem que se trabalhar a limitação desse jovem, e a informação médica ajuda nessa aceitação.

A chegada da adolescência vai contribuir para o início ou aumento de conflitos na relação familiar, pois a adolescência é um período onde o jovem está tentando construir a sua identidade, é a fase em que Ele vai tentar enfrentar o mundo adulto (embora não preparado para isso) e deve largar o mundo infantil, onde não havia responsabilidades, e grandes compromissos sociais.

Existe nesse período uma grande flutuação emocional física e principalmente do seu papel no contexto da comunidade, seja ela escolar familiar ou social.

Se a criança é superprotegida, sua necessidade natural de independência vai gerar conflitos ainda maiores do que os normais dessa fase, que certamente terá uma grande influência em suas relações interpessoais também no âmbito escolar.

A família e a escola devem trabalhar juntas, ou seja, se os pais criticam a escola pelas dificuldades do filho, e a escola critica os pais, a criança ficará dividida em sua lealdade, pois esses dois grupos são fundamentais para ela; ela teme desapontar ou um ou outro.

A superproteção dos pais pode atrapalhar na aceitação da criança no grupo, pois o grupo passa a não respeitar a criança cuja mãe vem defendê-la nas brigas, e de acordo com o crescimento dessas crianças, o fato de os pais irem tomar satisfações na escola vai se tornando humilhante para elas, mas em contrapartida, existem crianças mais novas que talvez precisem muito disso; caberá aos pais avaliar o amadurecimento de seu filho, para poder ter a iniciativa correta, em um e no outro caso.

A criança com diabetes deve ter um tratamento normal dentro da escola, embora, às vezes, vá precisar tomar mais um lanche, deverá ser uma iniciativa dos pais informarem a escola sobre o diabetes, como proceder num momento mais crítico (hipo/hiperglicemia), para que a criança tenha maior segurança, e também não seja impedida de fazer as atividades normais de sua vida escolar (como por exemplo, educação física).

O contato da família com a escola deve existir para todas as crianças, porém ele serve para se obterem informações sobre o desempenho de seu filho nas aulas e trocar informações sobre o seu comportamento, é bom lembrar que esse contato não é para protegê –lo ou justificar , todo tempo , suas falhas na escola, e sim para mantê-lo dentro de um espírito de responsabilidade coletiva e cuidado efetivo com sua saúde.

As falhas da criança também não devem ser justificadas o tempo todo por causa do diabetes, para que ela não possa assumir responsabilidades, é nesse momento que se torna bastante significativa a importância da Família, que deve ensinar as crianças a serem responsáveis por seus atos.

Temos que ter muito cuidado com algumas posturas pessoais de negação, que são muito prejudiciais no desenvolvimento psico-social do individuo, devemos coibir atitudes como o do adolescente que não admite que a escola saiba sobre o seu diabetes.

Nesse caso, ir escondido ou à força só vai deixar mais delicada à realidade desse adolescente com os pais, acredita-se que o mais sensato seja trabalhar a informação médica com essa criança, para que ela possa então cuidar se sozinha e ir se aceitando.

Se o adolescente for responsável pela sua doença, a interferência dos pais na escola tende a ser mínima.

Na relação de pais com a escola, às vezes o tamanho dela interfere bastante no binômio Escola-Familia, o que certamente é muito lógico, pois quando uma escola é de pequenas dimensões, é muito mais fácil se abrirem exceções -(exemplo: a criança passa mal em uma prova, e logo os pais são localizados)-, do que em uma escola grande, por isso mesmo é que devemos lidar com muito refinamento e muita sensibilidade com cada um desses casos, pois se percebemos que possa estar ocorrendo uma injustiça, devemos ficar alertas, pois o fato dos Pais não se envolverem pode ser frustrante para a criança, e por isso é muito adequado e pertinente que nesses casos de duvida consensual, que Eles conversem com o filho, explicando as implicações que causariam ser uma exceção e como lidar com essa provável injustiça.

A melhor maneira de se controlar ansiedade e angústia é entender que o diabético só se diferencia das outras crianças pela necessidade diária de insulina e pela restrição quanto ao consumo do açúcar, Ele deve ter uma vida ativa, movimentar- se e brincar como as outras crianças. Pode e deve fazer ginástica, precisa de uma vida sã e higiênica, como qualquer outra pessoa de sua idade, e principalmente pode e deve frequentar a escola, sem impedimento algum.

Uma Boa Semana!

NAMASTÊ!

Comentários