COVID-19: o reconhecimento aos profissionais de saúde

0

No mês onde se comemora o dia 18 de Outubro – Dia do Médico, nada melhor do que lembrar a dedicação e coragem, não apenas dos médicos, mas de toda equipe composta por profissionais de laboratório e de tomografia, ligados à assistência de enfermagem, psicologia, assistência social, e fisioterapia, que estão na linha de frente, no atendimento às pessoas acometidas pela Covid-19, principalmente em enfermarias e leitos de UTI. São homens e mulheres imbuídos de uma missão: salvar vidas e proteger os pacientes a partir de protocolos a serem seguidos.

Uma Nova Rotina na Vida dos Profissionais de Saúde

No enfrentamento a uma das maiores crises sanitárias do planeta, que afetou a vida das pessoas, a rotina dos trabalhadores das unidades de saúde de referência, no tratamento de pacientes com a Covid-19, mudou completamente desde o início da pandemia.

O primeiro desafio foi o isolamento ou distanciamento familiar. Muitos profissionais, com medo de “levar a infecção” para casa, permaneceram, por algum tempo, vivendo em hotéis ou pousadas, apenas se comunicando com familiares através do celular. Outros transferiram os familiares para casa de parentes. Houve mudança de rotina dentro de casa: ao entrar em casa, o calçado fica fora; Mesmo já tendo tomado banho no hospital, vai direto ao banheiro para uma nova higiene. Uma sacola no portão ou porta da casa para colocar a roupa; Separação de talheres e copo; Limpeza de maçanetas e chaves; Deixou de abraçar os familiares assim que chega do trabalho; Alguns criam até o “ponto de desinfecção” na casa. Esses são cuidados que se repetem a cada saída de plantão.

Outra mudança na rotina dos profissionais foi com relação aos cuidados para evitar infecção e também proteger as outras pessoas, utilizando o passo a passo da paramentação dos equipamentos de proteção individual (EPI) — luvas, capote, máscara cirúrgica, protetor facial e óculos, bem como a frequente utilização do álcool em gel nas mãos.

Considerando que a Pandemia da Covid-19 foi uma situação nova para a saúde pública, em meio a muitas incertezas, frequentemente, as equipes dos hospitais tiveram que se reunir para a discussão de novos protocolos de procedimentos para o tratamento das complicações resultantes da infecção viral.

Alegrias e tristezas durante a assistência às pessoas com a Covid-19

São várias situações de alegria, nunca vivenciadas diante de um problema de saúde pública: As redes sociais “do bem” têm divulgado vídeos emocionantes com os profissionais da saúde que cuidaram do paciente formando uma fila e aplaudindo a saída dele, até deixar o hospital; Vídeos mostrando os profissionais comemorando fechamento de hospital de campanha; As redes sociais mostraram uma homenagem do comandante de uma aeronave aos profissionais de saúde que estavam se deslocando de Brasília para ajudar no enfrentamento à pandemia em Manaus, destacando os aplausos dos passageiros; Seguindo o exemplo de Itália e Portugal, os brasileiros organizaram, em um dia, no mesmo horário, através das redes sociais, a Campanha #AplausosNaJanela – uma homenagem para aplaudir os profissionais da saúde , como agradecimento por toda a dedicação e dizendo que estavam em suas casas para que eles pudessem trabalhar e combater o vírus”.

O enfrentamento ao novo coronavírus é uma batalha também com momentos de tristezas. Quando há óbitos entre os pacientes assistidos, a tristeza é geral. “Não precisa ser da família para sentir essa dor”, afirma um profissional, tentando conter o choro. Choro de quem se dedica pela vida do outro e sente, como todos deveriam sentir.

A tristeza aumenta quando surge a notícia do óbito entre os próprios profissionais de saúde. Infelizmente, a Pandemia da Covid-19 tirou a vida de vários profissionais, das diversas áreas de atuação. Este fato levou a redução do quadro de trabalhadores de algumas equipes, aumentando a sobrecarga de trabalho.

Do lado de fora do hospital, muita gente banalizando a Pandemia

Enquanto na enfermaria e na UTI, vários profissionais lutam para salvar vidas, externamente aos hospitais, tem muita gente, entre políticos, população geral e até alguns profissionais de saúde, banalizando a Covid-19, minimizando o impacto da pandemia e das mortes e até, com grande frequência, espalhando nas redes sócias, as famosas Fake News, que contribuem para a não adoção de medidas preventivas por vários seguimentos populacionais. Muitos profissionais da linha de frente ficam indignados quando ouvem autoridades defenderem o fim do isolamento, o estímulo às aglomerações e até pregando a não obrigatoriedade do uso da máscara.

O Reconhecimento é importante

Coragem, senso de dever e dedicação fazem parte da batalha enfrentada por esses profissionais no combate à doença. De fato, são heróis da vida real que deixaram o medo de lado e mudaram radicalmente sua rotina. Muito aprendizado tem se dado em meio à luta, muita solidariedade também. Eles merecem toda a nossa admiração, pois têm um compromisso enorme com o propósito de cuidar do outro.

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários