Goretti Reis expressa sua indignação

0

Perpassada pela  “indignação, revoltada, sentindo-se injustiçada”, a deputada Goretti Reis foi à tribuna na manhã de ontem na Assembleia Legislativa, apresentar sua defesa diante do fato de o Tribunal Regional Eleitoral  ter barrado sua candidatura à reeleição nas eleições de outubro próximo. Por vários momentos ela chorou no plenário ao tempo em que era aplaudida pelos populares que assistiam o seu discurso. Ela foi barrada por causa de improbidade administrativa, num processo que dura desde 1999 e que ainda não teve fim. Ao final obteve a solidariedade dos seus pares, sendo o mais contundente o deputado Luciano Bispo: “Não desista, vá até o fim, não importa o desgosto que esse processo ainda possa lhe causar. Soa hipótese nenhuma você deve desistir, inclusive da política. Mesmo que você deixe a política, o processo ainda ai continuar e não é isso o que desejam seus parentes, amigos e correligionários. Eu já passei por situação semelhante e fui até o fim”. Goretti fez um histórico do processo que resultou na decisão do Tribunal Regional Eleitoral. Tudo começa, segundo ela, em 1999, quando na qualidade de Secretaria de Saúde do município de Lagarto,  assinou um convênio para a construção do Centro de Zoonose  “Agora em 2018 me acusam de omissão, quando não tenho mais nada a ver com a Funasa e estou há tantos anos deputada estadual”. Ela explica que a licitação para aquela obra foi centralizada na Prefeitura de Lagarto. Somente em 2003 é que ela assumiu a direção da Funasa no Estado. Seis meses depois de sua posse chega a recomendação  sobre o tema, para a realização de tomada de contas especial. O setor de engenharia do órgão ficaria responsável sobre o assuntoi. Um dia depois devolvi o projeto a Brasília, para a direção geral da Funasa sobre o que me competia. Em janeiro de 2004 ocorreu um despacho no processo,  sobre um parecer financeiro.         O processo foi então enviado à divisão de convênio. Mais de um ano depois, o processo retorna da Funasa, ainda sem parecer conclusivo. Logo depois pedi meu desligamento da Funasa para fazer  meu curso de mestrado.  Somente em 2007  foi instaurado um processo de tomada de conta. Agora o processo ressurge no Tribunal Regional Eleitoral com essa condenação a minha pessoa. Não sou corrupta, nem sou bandida, não cometi nenhum crime. Está aqui todo o processo  nas minhas mãos para quem quiser conferir”. Goretti foi então aplaudida de pé e começou a chorar, lamentando pela injustiça que estão fazendo com ela.

As coisas na Funasa não andam

Nos apartes que se seguiram, a solidariedade dos deputados à parlamentar. O deputado Zezinho Guimarães disse que durante onze meses foi diretor da Funasa, e não encontrou desvio de conduta de Goretti, principalmente na sua passagem pela direção da Funasa em Sergipe. Segundo ele, “as coisas na Funasa demoram mesmo, até que tudo seja esclarecido”. “Eu sei que acusações deste tipo machucam, mas fique tranquila, levante a cabeça que tudo irá se esclarecer”. Para a deputada Silvia Fontes, “é injusto fazer julgamentos dez anos depois”. O deputado Luciano Bispo deu o seu testemunho, porque já foi vitima de uma encrenca com a Funasa que levou doze anos para ser esclarecida. “Doze anos para provar que não apliquei verba errada, conforme me acusavam”.

Setor produtivo debate com candidatos

Na próxima segunda-feira, a partir das 18h30, no Radisso Hotel, o setor produtivo de Sergipe – encabeçado pela Acese, FIES, Fecomércio, FAESE, Forum Empresarial, Socadise, Setransp, Sescap e Sindesp – e como o apoio da FCDL e da CDL – receberá os principais candidatos ao Governo do Estado para discutir melhorias para o ambiente de negócios local, no “Painel de Desenvolvimento Ecoõmico do Estado de Sergipe”. O  diferencial deste novo debate e a discussão das polataformas dos candidatos apenas do ponto de vista econômico. Este é um dos aspectos até agora pouico divulgados pela plataforma dos candidatos. Essa foi a forma encontrada  pelo setor  para fazer com que os candidatos pensem e apresentem propostas e soluições que eles pretendem trazer para o agronegócio, comércio de bens e serviços, para o empreendedor, para a indústria e o que eles pretendem fazer em seus planos de governo para que Sergipe deixe deixe de ser a segunda cidade com o pior índice de ambiente de negócios do País e um ambiente muito hostil e difícil de epreender. Também estará presente o analista da XP Investimento, Marcos Saravalle, falando sobre os desafios econômicos a nível macro no país. Os convites estão disponíveis na Associação Coercial de Sergipe e podem ser adquiridos  ao preço de R$ 25,00, se o interessado for associado das entidades patrocinadoras e R$ 50,00 para os não associados.

O nome do penário

Na próxima quinta-feira ocorre  a solenidade de implantação do nome do Plenário da Câmara Municipal de Aracju, que será denominado Plenário Vereador Abrahão Crispim. No próximo dia 20, a solenidade está marcada para as 11h. O convite está assinado pelo Presidente da Casa, Vereador Josenito Vitale, o “Nitinho”.

Nova cirurgia para Bolsonaro

Uma nova cirurgia para o candidato a Presidente da República, Jair Bolsonaro, não é uma boa notícia nem para ele  nem para os demais candidatos ao cargo. Bolsonaro está definitivamente afastado  das atividades de campanha do primeiro turno e é bem possível que não tenha condições de participar também do segundo turno.  Este sofrimento de Bolsonaro começa a lembrar o do Presidente eleito e não empossado Tancredo Neves, que agonizou por 30 dias com uma diverticulite, até falecer no dia de sua posse. O que diferencia  um do outro é que Tancredo morreu sob a tristeza da Nação. No caso de Bolsonaro o que existe é um radicalismo  como nunca se viu antes neste País.

 

 

Comentários