Hiperhidrose ou Hipersudorese

0

Olha teu filho com mais Amor. Ele é uma parcela de ti nesta vida ( Desconhecido )

A Hiperhidrose é  um problema delicado, em sua grande maioria muito incômodo, e que geralmente causa grande constrangimento em quem o apresenta. Pode acometer homens e mulheres de faixas etárias bastante diversificadas,porém atinge com mais frequência crianças, adolescentes e adultos jovens.

Sua principal característica é a presença de suor excessivo, ou seja, em quantidade superior à necessária para a manutenção da temperatura do corpo humano.

Suor

Trata-se de uma secreção das glândulas sudoríparas, localizadas na pele dos mamíferos (perda de fluido líquido), que é composta por cloreto sódio e ureia em solução, sendo que nos seres humanos, o suor é uma das principais formas de eliminar dejetos de nitrogênio,alem de regular a temperatura corporal, que deve em geral deve estar entre 36° e 36,8ºc, qual seja a temperatura  ideal para o funcionamento adequado do organismo.

No entanto se a  temperatura ultrapassar 37ºc, o suor age como um mecanismo de refrigeração, aumentando fisiologicamente a quantidade de sua produção, da mesma forma que ocorre quando um indivíduo sente calor por causa de um exercício ou quando a temperatura ambiental se eleva além do normal.

Existem muitos outros fatores que também aumentam a produção de suor, como por exemplo  fatores genéticos,  ansiedade excessiva e  obesidade.

Um forte equívoco sobre o suor é que ele sempre tem odor…….. porém devemos frisar que o  “mau cheiro” que ocorre muitas vezes, geralmente é provocado pela presença de bactérias que vivem na pele.

Portanto quando uma parte pouco ventilada do corpo está suada, as bactérias conseguem se reproduzir e dessa forma causam o odor desagradável (principalmente nas axilas, espaços interdigitais dos pés, dobras cutâneas (nos grandes obesos), virilhas,etc..).

Incidências

Precisamos salientar de que aproximadamente 1 a 2% da população tem esse problema, mais frequentemente nos pés, palmas das mãos, dobras cutâneas e axilas.

Causas

Pode ser ocasionada por doenças endócrinas e/ou metabólicas, distúrbios neurológicos e/ou fatores psicológicos como ansiedade,e alterações dos centros reguladores da temperatura, além disso, sua frequência aumenta em pessoas que possuem parentes próximos com esse problema.

Tratamento Clínico (Medidas Gerais)

Como esse é um problema que afeta bastante o dia a dia do indivíduo e principalmente o  seu convívio social, muitas pessoas procuram desesperadamente o tratamento ideal e muitas vezes são ludibriadas por “falsos milagreiros”, e/ou oportunistas de ocasião.

É lógico que deve-se procurar um tratamento eficaz, no sentido de uma melhor qualidade de vida, por exemplo podemos  tentar inicialmente o uso de antiperspirantes, ansiolíticos ou até nos casos dos muito ansiosos, seções de psicoterapia.

Convém salientar de que um outro fator importante é a orientação nutricional adequadamente feita através de um nutricionista, no sentido de eliminar alimentos e toxinas que contribuam para transpiração excessiva.

Tratamento Cirúrgico X Botox

Se não conseguimos resolver o problema de forma clínica podemos recorrer à cirurgia (simpatectomia videoendoscópicas-cirurgia de ressecção de áreas do setor simpático na região da coluna), ou  à aplicação de toxina botulínica tipo A (botox).

Convém referenciar com muito detalhe, o tipo de procedimento que será realizado, informando que ambos  os métodos têm prós e contras, cabendo portanto ao paciente escolher o que melhor se adapta a sua situação.

A simpatectomia consiste no rompimento cirúrgico de uma cadeia nervosa próxima aos ossos da coluna, responsável pelo suor excessivo; sua principal vantagem é o seu caráter definitivo, frisando no entanto, é um procedimento mais invasivo e que pode deixar cicatrizes na pele (indesejadas principalmente pelo sexo feminino).

É conveniente que apesar de cessar por completo a sudorese em regiões específicas, paradoxalmente o organismo,para manter a temperatura corporal, podendo em decorrência disso passar a provocar o suor em outra região (Hiperidrose Compensatória).

Mas felizmente em sua grande maioria essa sudorese compensatória desaparece com o tempo, no entanto com bastante raridade em raríssimos  casos o paciente se sente em uma situação na qual preferia seus sintomas anteriores.

Raramente ocorre um efeito colateral desagradável que é a “queda das pálpebras” (síndrome de HORNER) após essa cirurgia, e que é decorrente do fato que o gânglio responsável por mantê-las abertas pode ser lesado de forma acidental durante o procedimento cirúrgico.

Outras complicações também raras são as decorrentes do procedimento anestésico, infecções, sangramentos e até perfuração pulmonar, porém todas elas diretamente ligadas a perícia e a competência do cirurgião.

Por fim, temos a aplicação do botox, considerado mais simples, eficaz e segura, e que consiste na sua aplicação nas glândulas sudoríparas, reduzindo a produção de suor, no entanto como esse bloqueio não é total, não há risco de ocorrerem “hiperidroses compensatórias”.

Devemos salientar que, como esse procedimento deve ser repetido entre seis e nove meses, ele torna-se mais caro que a simpatectomia.

De forma firme e correta, convém referir de que o tratamento não se esgota aqui, pois sabe-se que existem muitos outros cuidados ainda em fase experimental, deixemos portanto os leitores tentem uma garimpagem nas Clínicas de estética e Dermatologia, na busca de algo que lhe seja particularmente agradável ao bolso e principalmente à Sua Saúde.

Uma boa semana, na sombra, sem muita sudorese, com muita paz e um copo de água de coco bem geladinha!!!!

Comentários