NEGRO GANHA MENOS QUE BRANCO

0

Pesquisas revelam que os negros ainda enfrentam uma barreira para ter acesso ao mercado de trabalho. E quando conseguem, os salários são bem menores, principalmente para as mulheres. De acordo com as pesquisa realizada pelo Fórum de Desenvolvimento das Nações Unidas para a Mulher e o Instituto de pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), o salário médio mensal do homem branco era de R$ 931,10, em 2003, enquanto do homem negro R$ 428,30. A mulher branca ganhava R$ 554,60 e a negra R$ 279,70.

 

Levantamento do Dieese e da Organização Internacional do Trabalho (OIT) feito em seis regiões metropolitanas, revela que entre os trabalhadores homens negros é maior a ocupação em situações vulneráveis (sem carteira assinada, por exemplo), com a variação de 43,2%, em Salvador, a 32,8%, no Distrito Federal, no período de 2004 a 2005. Já entre os não negros, esses patamares entre 35,6% em Recife e 23,9 no Distrito Federal. No caso das mulheres negras, a situação é ainda mais alarmante: em Salvador, Recife e São Paulo, o percentual ultrapassou os 50% das ocupações em situações vulneráveis.

 

De acordo com a pesquisa, esse quadro é resultado da concentração das mulheres no trabalho doméstico. Um exemplo que chama a atenção é o caso de Salvador, onde 80% da população é negra. Nessa região, 51% da população negra é assalariada (diversos empregos) e 22,1% são empregadas domésticas. Já entre as mulheres não negras, o nível de emprego doméstico é bem menor: 6,2% e as assalariadas são 67,1%. O peso desse emprego entre as negras é de 23,9%, enquanto que no caso das mulheres não negras, o percentual é bem menor: 14,1%. No total, o país conta com 6 milhões de empregadas domésticas.

 

A coordenadora do Programa Gênero, Raça, Pobreza e Emprego da OIT ressalta que o emprego doméstico é uma atividade pouco valorizada por parte da sociedade e caracterizada pelos baixos salários, elevadas jornadas de trabalho, ausência de contribuição à Previdência Social e em grande parte sem carteira assinada.

 

Dado alarmante é a persistência do trabalho doméstico infantil. Cerca de 3% das meninas negras com idade entre 10 e 17 anos trabalham como domésticas em Belo Horizonte, Recife e São Paulo. Em Salvador, a proporção é de 4%.

 

Em resposta aos dados apresentados o governo lançou o Plano de Trabalho Doméstico Cidadão, um conjunto de ações que visam aumentar a qualificação profissional e a escolaridade das mulheres negras domésticas e o acompanhamento da legislação pertinente. Além disso, o ProUni (Programa Universidade para Todos), tem atendido a afro-descendentes, além de outros estudantes brasileiros. (Jbonline)

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários