NOSSA ECONOMIA COM SALDO POSITIVO

0

Em economia não existe milagre. Os saldos positivos na economia somente ocorrem depois de anos de luta pelo desenvolvimento.

No Brasil não seria diferente e graças ao PT de, ao se tornar governo, ignorar tudo o que pregava enquanto oposição, começamos a colher os frutos da política econômica aplicada no país desde 1993.

A economia brasileira fechou o ano de 2007 com saldo muito positivo. Foi o ano em que o Brasil conseguiu acompanhar mais de perto o desempenho favorável da economia mundial.

Houve uma melhora importante de vários indicadores. Mesmo com todas as críticas que possam ser feitas à composição das contas, como o excesso de arrecadação, a expansão forte de gastos e o baixo nível de investimentos, o superávit contribui para projeções mais favoráveis para a economia: Aumenta a credibilidade.

No que se refere às contas externas, a situação é das melhores. O Brasil encerrou 2007 com uma série de recordes: de reservas cambiais e de investimentos diretos estrangeiros. Um superávit robusto da balança comercial e o país ainda contou com recordes para as aplicações externas na bolsa de valores.

A inflação deu sustos, mas apesar dos problemas, a meta estabelecida pelo governo foi cumprida.

Além do comércio, a indústria apresentou os melhores resultados em vários anos, assim como a agropecuária e o setor de serviços. Isso deu suporte a uma expansão do PIB acima da meta estabelecida pelo governo.

Outro ponto favorável à nossa economia foi o Banco Mundial considerar o Brasil com a sexta posição, no ranking das maiores economia do mundo, ao lado Reino Unido, França, Rússia e Itália.

Embora o balanço de 2007 seja muito positivo, teremos ainda que carregar para 2008 e até para os próximos anos algumas distorções e problemas que podem comprometer a manutenção do crescimento econômico. O custo Brasil continua limitando muito os investimentos e a própria expansão da economia, por meio da alta carga tributária, dos juros ainda muito altos, da ineficiência da infra-estrutura, da burocracia e até da corrupção. Além disso, ainda corremos risco de um apagão de energia ou logístico na área de transporte.

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários