O CENTENÁRIO DO DR. THEOTÔNIO VILELA BRANDÃO

0

Dr. Teotônio Vilela Brandão
O médico Theotônio Vilela Brandão, mais conhecido por Théo Brandão, nasceu em Viçosa, município de  Alagoas, no dia 20 de janeiro de 1907. Graduou-se pela        Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro em 1929. A partir de 1937, passou a se dedicar ao folclore e, na condição de médico, começou a estudar os temas relacionados à medicina popular.  Ele fazia suas pesquisas e colhia materiais e dados sobre crendices, superstições e remédios populares com as mães dos seus pequenos pacientes do ambulatório de Puericultura e Pediatria onde trabalhava. Também o ajudaram nas suas pesquisas os remédios caseiros de sua mãe e um primo, Sinfrônio Vilela, que chegou a exercer o ofício de curandeiro.

Em 1948, como Secretário Geral da Comissão Alagoana de Folclore, iniciou uma intensa colaboração semanal em suplementos literários de jornais de Alagoas, de Pernambuco e do Rio de Janeiro.

Em 1949, recebeu os prêmios Othon Lynch, da Academia Alagoana de Letras, pelo livro Folclore de Alagoas. Ainda em 1949, foi agraciado com o Prêmio Mário de Andrade, da Prefeitura de São Paulo, pela obra “O Reisado de Alagoas” e em 1950, recebeu outra vez o mesmo prêmio por “Os Pastoris de Alagoas”.

Em 1951 foi eleito para Academia Alagoana de Letras e, no mesmo ano, ao serem fundadas as Faculdades de Medicina e de Filosofia de Alagoas, ocupou as cátedras de Puericultura e Clínica da Infância, além de Antropologia e Etnografia.  

Em janeiro de 1952, ainda como Secretário Geral da Comissão Alagoana de Folclore, é encarregado de preparar e executar a 4ª Semana de Folclore, congregando, em Maceió, folcloristas de todo o país.

Na Faculdade de Filosofia, exerceu o cargo de chefe do então Departamento de Geografia e História. Ao serem criados, em 1971, os Institutos Básicos, foi indicado para Diretor do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas.     

Durante sua direção, ampliaram-se os quadros docente e discente do IFCH, incorporando-se, em 1972, a Universidade Federal de Alagoas. Em 1975, doou à universidade sua coleção particular de objetos da cultura folk, acervo que se constituiu na célula inicial do Museu Théo Brandão. Faleceu no dia 29 de setembro de 1981, na cidade de Maceió.

Associando-se às homenagens que serão prestadas ao longo do ano ao ilustre esculápio e folclorista alagoano, a Sociedade Brasileira de Médicos Escritores – SOBRAMES, sob o comando do incansável médico Luiz Alberto Fernandes Soares instituiu, através de Resolução Doutrinária, o ano de 2007 como o “Ano do Folclore Nordestino”,  reverenciando assim a figura de Theo Brandão, ele que foi um dos fundadores da SOBRAMES de Alagoas em 1977, onde exerceu as funções de vice-presidente por dois mandatos.

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários