O marginal ou a sociedade

0

A tese fundamental de segmentos bem instruídos da sociedade – como sociólogos, psicólogos, padres e estudiosos das causas da marginalidade – se sustenta na questão social. O desemprego, a fome, a falta de assistência médica e escolar, a má distribuição de renda, tudo isso conduz à formação de pessoas que adquirem uma personalidade avessa às regras da boa convivência com a sociedade. Lógico que a revolta de um cidadão que não tem onde morar, não trabalha e vê os filhos doentes e famintos, o leva a resolver o problema da família com os pequenos roubos, que se transformam em grandes assaltos depois que o trabalho marginal vem oferecendo resultados. E daí gera a violência, que transmite para os filhos e se formam quadrilhas que chegam a bancos, transportes de valores, lojas e pessoas físicas.

 

Essa realmente é a violência social, que começa pela necessidade de sustentação da família. Na primeira prisão, quando chega em qualquer cela ou passa pela penitenciária, o sujeito sai escolado para qualquer tipo de serviço. Mata e morre para adquirir bens de outros e o fazem com uma frieza que os transforma em animal irracional. Envolve-se com drogas através da conhecida cola de sapateiro e daí se transforma em um homem perigoso, disposto a qualquer tipo de crime. Dependendo da força física, do grau de crueldade, da disposição para matar, vai sendo requisitado por grandes quadrilhas de assalto a banco, de roubos de cargas, do seqüestro, onde já penetra no crime hediondo e se torna um sujeito de alta periculosidade.

 

O assaltante à pessoa física é coisa de começo de carreira. É o sujeito que leva um tênis, uma camisa de marca, um relógio e dinheiro, naturalmente. Por trás dele tem um chefe que comanda a ação do grupo e faz a divisão, ficando com a maior parte. São amadores, embora tenham o mesmo caráter violento dos profissionais. Matam tranqüilamente, principalmente quando menores, na certeza de que terão um tratamento diferenciado na Febem. Esse tipo de violência, que nasce da necessidade da família, está bem caracterizada, porque atinge mais diretamente à sociedade. Geralmente são presos e sofrem as sanções da justiça. Nos últimos anos, entretanto, houve uma mudança no perfil do marginal, porque jovens da classe média, bem vestidos e que podem cursar uma universidade, estão optando por assaltos mais ousados e inteligentes e usam da mesma violência do criminoso que saiu da periferia, das favelas e que são fruto da miséria e produto de uma exclusão social perversa. Esse novo perfil do marginal põe abaixo a teoria de que a violência é uma questão meramente social.

 

Hoje, a violência está em todos os segmentos da sociedade. Quem tiver o cuidado de se aprofundar mais no assunto, verá que a violência é muito mais desumana nos grandes escalões da sociedade civil e militar, do que na base marginal. A violência está nas drogas, que produz um comércio milionário no mundo inteiro. Será que o cabeça dessa organização no Brasil está na Rocinha, no Vidigal, ou mesmo aqui, nos bairros da periferia? Esse alto negócio, que movimenta milhões de dólares, está nos gabinetes luxuosos e têm por trás pessoas com forte influência em cada estado e no país. Em Sergipe mesmo existem conhecidos traficantes que são altas personalidades da sociedade e pousam nas primeiras páginas dos suplementos sociais. Lógico que quem vende a droga é o miserável da periferia, mas quem compra é o filho do alto empresário, de políticos influentes, de magistrados, de coronéis. O filho de João da barraca de verduras, se for drogado, cheira cola, porque não tem dinheiro para chegar nas drogas mais pesadas.

 

Quem compra cargas roubadas nas estradas? Certamente não são as mercearias de ponta de esquina. São lojas imensas, insuspeitáveis, que pagam uma ninharia pela mercadoria roubada. Quem manda matar desafetos, ou pessoas que incomodam negócios e patifarias de grandes empresas, das políticas, de concorrências públicas ou que descobrem alguma coisa que possa incriminar a ponta do iceberg? Lógico que são ilustres senhores, pertencentes às decisões de cúpula do Estado. Quem pratica os maiores rombos nos cofres públicos? Quem utiliza os computadores para transações financeiras? Quem contrabandeia produtos em grandes quantidade? Quem adquire vários carros roubados? Não é o marginal que puxa a arma no calçadão. Ë o bandido que se esconde por trás de um cargo importante, de um mandato, de uma posição privilegiada perante a sociedade.

 

A violência está nas ruas, é claro. Mas estes marginais, a polícia pega, prende e, às vezes, mata. Mas a violência maior está no jornalista que ganha dinheiro para distorcer uma informação e beneficiar grupos. No empresário que contrabandeia, compra cargas roubadas ou alteram os seus produtos industriais. Nos Governos corruptos e insaciáveis. No juiz que vende sentenças e protege a bandidagem. No desembargador que influencia em penalidades. Nos delegados que recebem para soltar ou ignorar ladrões. No médico que recebe do estado por cirurgias não realizadas. Nos advogados que estão à disposição de quadrilhas, enfim, em todos aqueles que destoam das suas funções e cumpre a sua profissão prejudicando ou subtraindo de uma sociedade indefesa. Está exatamente nessa elite a pior das violências, porque mandam matar, roubam, dilaceram o patrimônio público, traficam drogas e cometem todos os tipos de crime, esboçando uma falsa moralidade, aparecendo nas colunas sociais, comandando poderes importantes e geralmente tendo à disposição a força da polícia.

 

Essa é a violência que mais corrói a sociedade, porque vive sob o manto da impunidade e usando o perfil de homem de bem.

 

DELEGACIA

Um deputado do bloco governista revelou que as delegacias de cidades do interior são literalmente sustentadas pelas Prefeituras Municipais.

As que ainda têm delegados comissionados, o prefeito dá uma gratificação a todos os membros da polícia, além de sustentar com alimentação e combustível.

 

ABSURDO

O parlamentar considera isso um absurdo, porque toda a polícia desses municípios obedece exclusivamente às ordens dos prefeitos, que abusam da autoridade.

Com a polícia na mão, os prefeitos perseguem adversários de forma arbitrária e defendem até marginais que sejam parentes de alguém do seu grupo.

 

AUSÊNCIA

O deputado acrescenta que as queixas só podem ser feitas aos delegados, que acatam apenas aquelas contra os adversários dos prefeitos.

Além disso, nos finais de semana, a maioria desses delegados vem a Aracaju e a cidade fica sem comando. A violência no interior é grande.

 

CÂMARA

Os vereadores eleitos e reeleitos já estão discutindo, para valer, a Presidência da Mesa Diretora da Câmara Municipal.

Os mais citados são Tânia Soares, Zeca da Silva e Emanuel Nascimento, embora Sérgio Góes continue em evidência, pela capacidade que tem de reunir grupo de apoio.

 

JANTAR

O vereador Zeca da Silva, por exemplo, já jantou com vereadores da bancada de oposição a Marcelo Déda e está se fortalecendo para disputar a Presidência da Câmara.

O pessoal, entretanto, acha que o vereador Emanoel Nascimento tem boas chances, por ser um dos eleitos mais ligados ao prefeito Marcelo Déda.

 

FUNCAJU

Na Prefeitura de Aracaju a informação é de que a vereadora Tânia Soares será mantida como presidente da Funcaju, para abrir vaga aos suplentes, como Magal da Pastoral.

A vereadora Conceição Vieira retornaria para a Secretaria de Assistência Social, embora sua assessoria já tenha divulgado que ela cumprirá o mandato.

 

GILSON

O empresário Gilson Figueiredo, secretário adjunto da Indústria e Comércio, perdeu um pouco o objetivo da missão, com a saída de Max Andrade da Secretaria da Fazenda.

Gilson era um elo entre Max e os objetivos da classe lojista. É possível que Gilson Figueiredo não se mantenha no cargo.

 

TENDÊNCIA

A saída de Max Andrade (PFL) não apressou a tendência da formação de um grupo político representativo da classe. Ele já estava em formação há algum tempo.

Os empresários lojistas não têm nada contra o novo secretário da Fazenda, Gilmar Mendes e nem vai fazer oposição ao governador João Alves Filho.

 

REUNIÃO

O Comitê em Defesa da Bacia do Rio São Francisco se reúne hoje e amanha para tomar sua posição sobre a transposição do São Francisco, já decidida pelo Governo Federal.

A posição do Comitê é contrária à transposição e defende a revitalização do rio, para que depois se pense numa transposição.

 

COMISSÃO

O deputado José Carlos Machado (PFL) propôs a formação de Comissão Externa da Câmara Federal para analisar a transposição do São Francisco e deve ser o presidente dela.

A Comissão foi bem aceita pelo presidente da Câmara, João Paulo (PT) e a proposta de Machado pode ser aprovada.

 

REUNIÃO

O deputado Bosco Costa (PSDB) terá uma reunião com senadores do seu partido, para ser informado sobre a filiação do senador José Almeida Lima no PSDB.

Bosco já disse que vai analisar, junto com o bloco político de Sergipe, qual a posição que todos devem tomar em relação à mudança de legenda.

 

LIBERAL

O deputado federal Bosco Costa já teve convite para ingressar no Partido Liberal, não o fez atendendo a pedido do grupo tucano em Sergipe, principalmente de Albano Franco.

O Partido Liberal continua insistindo com a filiação de Bosco Costa, mas ele acompanhará a decisão de Albano em Sergipe.

 

FORTALEZA

O prefeito de Aracaju, Marcelo Déda (PT) passou todo dia de ontem em Fortaleza, para ajudar a candidato do seu partido na disputa pela Prefeitura daquela capital.

Hoje, o prefeito Marcelo Déda chega a Natal, depois a Maceió e retorna a Aracaju no final de semana, para retomar a administração municipal.

 

REUNIÃO

O senador Antônio Carlos Valadares (PSB) reuniu prefeitos, vices e vereadores eleitos pelo seu partido, domingo, em sua casa na Barra dos Coqueiros.

Estavam presentes o deputado federal Jackson Barreto e o prefeito em exercício Edvaldo Nogueira. Depois foi servido um churrasco para cem pessoas.

 

REELEIÇÃO

O deputado federal João Fontes disse que há uma grande movimentação no Congresso Nacional em relação ao projeto de reeleição dos presidentes da Câmara e do Senado.

Como o presidente da República, Lula da Silva, não está liberando as emendas orçamentárias dos parlamentares, está havendo um boicote para votação do projeto.

 

Notas

 

CHORO

O prefeito de Aracaju, Marcelo Déda (PT), ao falar no Círculo dos Trabalhadores Cristãos de Vila Prudente, fez a prefeita Marta Suplicy, que disputa o segundo turno em São Paulo, chorar. Déda elogiou a administração de Marta e afirmou que ele enfrenta dificuldades por ser mulher. A prefeita caiu em lágrimas

Dirigindo-se a Marcelo Déda ela disse: “fiquei tão comovida. Você laçou minha alma”. Marta ampliou e disse que sente preconceito e perseguição em todos os meios escritos (de comunicação): “é inacreditável”.

 

MUDANÇA-1

O deputado Gilmar Carvalho (PV) teve um encontro com o deputado Heleno Silva (PL) e conversou sou a questão de sua filiação no Partido Liberal. A conversa foi em Monte Alegre e Gilmar comunicou a Heleno que primeiro vai analisar a sua condição profissional e verificar onde fará seu programa.

Depois o deputado pretende conversa com todos os membros do Partido Verde para ter uma conversa com todos eles e relatar as mudanças que está fazendo. Gilmar garante que não deixará os Verdes sem proteção.

 

MUDANÇA-2

O deputado Gilmar Carvalho considerou o quadro do Partido Liberal instável e, embora não tenha entrado em detalhes, disse que deseja analisar o futuro da legenda. Resolveu que só tomará uma decisão partidária, depois de saber qual será o espaço que ele terá dentro do bloco das oposições. Não se refere à Assembléia.

Gilmar traça um perfil rápido da situação, diz que existe o bloco liderado pelo prefeito Marcelo Déda, já consolidado, e que está em formação um outro que tem à frente o senador José Almeida Lima, prestes a se filiar no PSDB.

 

 

É fogo

 

Marcelo Déda disse que se inspirou em muitas ações da Prefeitura de São Paulo. “Muita coisa que fiz em Aracaju me inspirei no trabalho da Marta, como, por exemplo, os CEUs”.

 

Ontem, o prefeito Marcelo Déda desembarcou em Fortaleza com o mesmo objetivo e hoje ele chega a Natal.

 

O senador José Almeida Lima tem evitado conversar sobre sua filiação no PSDB, embora isso já esteja definido.

 

O governador João Alves Filho desembarca hoje, em Aracaju, da viagem que fez para Paris e Madri.

 

Alguns políticos vão conversar seriamente com o governador João Alves Filho, sobre o comando político do bloco.

 

O deputado estadual Augusto Bezerra (PMDB) viaja hoje a Salvador para participar da Reunião do Comitê de Defesa do Rio São Francisco.

 

A deputada Ana Lúcia não se convencer que o Hospital da Polícia Militar é o melhor para funcionamento do pronto-atendimento do Ipes.

 

O deputado federal Jorge Alberto (PMDB) não aceita a votação de vários projetos na Câmara, sem uma ampla discussão parlamentar.

 

Jorge Alberto está trabalhando para que a pauta da Câmara seja “trancada” sempre que houver o interesse de discutir amplamente as propostas que estão tramitando.

 

O Banco do Brasil deve emprestar R$ 300 milhões até dezembro por meio do BB Crédito Pronto, linha de micro-crédito lançada em junho deste ano.

 

Os aposentados e pensionistas do INSS que aderiram à proposta do acordo feito pelo Governo Federal até o dia 14 de outubro, receberão seus benefícios revisados pelo IRSN de abril de 1994 já no próximo pagamento.

 

As montadoras devem fechar o ano com a produção de 2,1 milhões de veículos, um recorde histórico para a indústria automotiva do país.

 

brayner@infonet.com.br

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais