O palácio maravilhoso

0

A Carta desta Semana traz uma interessante mensagem recebida de um amigo meu pela internet:

 

“Se já construístes castelos no ar, não te envergonhes deles; estão onde deviam estar.
Agora constrói os alicerces.”
                                                                                                Thoreau

Conta-se que certa vez, um rei do Iêmen, chamado Hiamir, chamou um dos seus ministros e disse-lhe: “quero fazer longa viagem à Tiapur, uma região longínqua, pobre e triste, árida e sem conforto.  Determino que vá antes de mim, e logo que lá chegar, mande que seja construído um magnífico palácio, com largas varandas de marfins e pátios floridos.  Nesse palácio ficarei hospedado durante uma temporada, com tranqüilidade e conforto.”  O Vizir respondeu humildemente: “escuto e obedeço, ó rei.” 

 

Dias depois o Vizir partiu, em uma caravana com numerosos camelos carregados de ouro.  Ao
chegar à cidade o Vizir ficou desolado com o estado de abandono em que se achava o povo.  Encontrou pelas estradas crianças famintas e centenas de infelizes, morrendo de inanição.  Os quadros de miséria e sofrimento que se desenrolavam, a cada passo e a todo instante, torturavam o coração do poderoso ministro.  Ele trouxera mais de trinta mil dinares, que deveriam ser gastos na construção de um grandioso palácio! 

 

Que fez o Vizir?

Levado por um impulso irresistível, em vez de executar a ordem do rei, resolveu gastar o dinheiro que trazia, beneficiando a infeliz população.  Mandou construir abrigos para os desamparados.  Distribuiu mantimentos entre os mais necessitados.  Determinou que todos os enfermos fossem, sem demora, medicados e forneceu pão aos que padeciam fome.  Ao fim de alguns meses, notava-se uma transformação completa da cidade.  Os homens haviam voltado ao trabalho e por toda a parte reinava a alegria.  As crianças brincavam nos pátios e as mulheres cantavam nas portas das tendas.  E do palácio maravilhoso, encomendado pelo rei, nada existia… 

 

Quando o rei Hiamir chegou a Tiapur foi recebido por uma grande manifestação de júbilo da população.  “Sinto-me feliz” – confessou o monarca – “por saber que sou sinceramente estimado pelos meus súditos.  Mas onde está o palácio de Tiapur?” Perguntou. 

 

 “Antes de falar do palácio, ó rei, tenho um pedido a lhe fazer.” Disse-lhe o Vizir.  “Segundo as leis, aquele que o desobedecer, praticando um abuso de confiança, deve ser condenado à morte.  Pois, houve, ó rei, um homem de sua confiança que praticou tal delito.  Espera-se que seja determinada a execução do culpado sem demora.” Disse o Vizir serenamente. 

 

“Quem é o acusado?” Questionou o rei. 

 

“O criminoso sou eu.” Disse o Vizir sem hesitar.  E sem ocultar a menor parcela da verdade, o Vizir descreveu a miséria em que se encontrava o povo.  Por fim, confessou que, penalizado diante de tanto sofrimento, em vez de construir o palácio real, resolveu gastar os recursos que lhe foram confiados para mudar a triste sorte da população. 

 

“Não cumpri a ordem recebida, por isso aguardo o castigo de que me fiz merecedor.” Concluiu. 

 

“Levante-se, meu amigo.” Ordenou emocionado o rei. “Vejo que seu trabalho é responsável pela
edificação do mais belo dos palácios que já conheci. Vejo as torres cintilantes nas fisionomias alegres das crianças; admiro as largas varandas de marfim no sorriso radiante dos meus súditos; reconheço os pátios floridos no olhar de gratidão das mães felizes.

 

 Como é majestoso e belo, ó Vizir, o palácio que a sua bondade fez se erguer nas terras de
Tiapur.”  ……………  Cada um é responsável pela destinação que der à riqueza que lhe for confiada, seja ela representada por recursos materiais ou por aptidões profissionais.  Cada qual, pelo uso de seus próprios talentos, é capaz de alterar o mundo, distribuindo alegrias ou acumulando dores.

Equipe de Redação do Momento Espírita, com base nas pp. 109-114, do
livro os Melhores contos, de Malba Tahan, ed. Record, 2002.

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários