Praça Getúlio Vargas

0

Cheguei em Aracaju em janeiro de 1992. Desde aquela data até “ontem” eu admirava o verde que exauria de Praça Getúlio Vargas. Era grama, eram árvores.

 

No interior da Praça havia um espaço destinado às crianças. Eram gangorras, balanços e outros brinquedos que foram destruídos e não restaurados pela Prefeitura. Para as crianças só restou uma escada constituída por cilindros de concreto. Subia-se de um lado e descia-se pelo outro. Era uma tentação para as crianças.

 

Hoje, ao lado da praça, a OAB/Sergipe instalou-se onde havia um prédio que fazia parte do Patrimônio do Estado.

 

A OAB restaurou o prédio e construiu um anexo, que difere bastante da arquitetura que vigorava quando o prédio, patrimônio histórico, fora construído.

 

Uma praça que nunca fora restaurada hoje, com chegada da OAB/Sergipe, está sendo reconstruída.

 

Entre a sede da OAB e a Praça Getúlio Vargas havia um rua que permitia àqueles que vinham pela Av. Ivo do Prado contornar à Praça.

 

Hoje, com certeza, por exigência da OAB, esta rua, até o limite de sua sede, deixou de existir. Em troca da área cedida à Praça, um estacionamento, para uso da OAB, foi construído em uma área da Praça.

 

A Prefeitura, na reconstrução da Praça trocou a grama pelo concreto.

 

Fico eu pensando. Quanto a Prefeitura economizaria se ela deixasse a Praça Getúlio como era, restaurando apenas os brinquedos das crianças.

 

Recursos estes que poderiam ser utilizados na educação e saúde dos mais necessitados.

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais