Uma crise provocada por Bolsonaro

0

Por repetir uma velha opinião sua, o Presidente Eleito Jair Bolsonaro criou um problemão para o Brasil. É que o capitão reformado desde cedo sempre foi contra o modelo imposto ao Brasil no Programa Mais Médicos. Pelas regras do Programa, o Brasil pagava os oito mil e poucos médicos que atuam no País a uma ONG apontada por Cuba. Essa entidade repassa o dinheiro a Cuba que, dos quase onze mil reais recebidos por cada médico, repassa aos profissionais um pouco menos de 4 mil reais, ficando com o restante. O Presidente eleito entende que, em procedendo deste jeito, o Brasil está financiando a “ditadura cubana”. Ele já tinha acenado para mudanças no Projeto: o governo brasileiro pagaria diretamente aos médicos e ainda permitiria trazer para morar no Brasil as suas famílias. Cuba não quis nem conversar sobre mudanças no contrato original e, então, rompeu o contrato que incentivou a instalação do programa Mais Médico. Os médicos devem ser repatriados imediatamente, de modo que no dia 31 de janeiro de 2019 não fique ninguém por aqui. O Governo brasileiro – ainda Michel Temer –  corre para substituir os médicos do Programa Mais Médicos, inclusive  exigindo a revalidação dos diplomas médicos que é o grande segredo da tropa de médicos cubanos (suspeita-se que muitos dos que se apresentaram como médicos cubanos sejam apenas enfermeiros). Criada toda a confusão, o Presidente eleito Jair Bolsonaro veio a público admitir que concederá asilo aos médicos que não quiserem voltar a Cuba e garante o emprego dos que ficarem. O Mais Médicos, quando começou, dispunha de onze mil profissionais. Atualmente, este número não chega a oito mil em todo o País. Em Sergipe, são apenas 96 médicos. Um número baixo, mas mesmo assim, difíceis de serem substituídos assim de imediato. O ainda Presidente Temer é quem sempre demonstra otimismo, dizendo que o País tem condições de suprir todas as ausências. Onde ele vai encontrar esses médicos todos não se sabe…

Um apelido para a dupla

Com a chegada do Juiz Federal Sérgio Moro ao governo – vai ser o Ministro da Justiça no próximo ano – o presidente eleito Jair Bolsonaro está sendo chamado de… Bolsomoro.

Para sair de qualquer jeito

O traficante Marcola estaria cheio da bufunfa para poder sair da cadeia, legal ou ilegalmente.  Os seus prepostos estariam recrutando milicianos mercenários no Irã e na Nigéria para executar a missão.

Preço médio da gasolina

O preço médio da gasolina vendida em Sergipe, em outubro deste ano, aumentou 2% quando comparado com o mesmo mês de setembro. Em valores, o preço médio ficoui em R$ 4,852 por litro no mês analisado. Em relação ao mês de outubro do ano passado, o preço médio do combustivel cresceu 24,9%. Para o etanol, o preço médio situou-se em R$ 3,479, registrando queda de 1,1%, sobre setembro último. Já no comparativo com outubro de 2017, observou-se aumento de 8,4%.No tocante ao óleo diesel, notou-se que o preço médio  pelo litro do produto, situou-se em R$ 3,759 no mês passado. Em termos comparativos, verificou-se alta de 2,9% em relação ao mês imediatamente anterior. No comparativo com o mesmo mês do ano passado, observou-se expansão de 17,1%. Para o Gás Natural Veicular, o preço médio praticado por metro cúbico foi de R$ 3,402, assinalando acréscimo de 0,4% sobre o mês anterior. Quando comparado com outubro do ano anterior, verificou-se alta de 26,2%.O Gás de Petróleo Liquefeito, ou gás de cozinha, registrou preço médio de R$ 72,66, registrando queda de 3,3%, quando confrontado com o mês anterior. Já em relação a outubro de 2017, notou-se elevação de 2,6%.

E o preço da passagem dos ônius, hein?

E o aumento das passagens de ônibus, hein? Está nas mãos do Prefeito Edvaldo Nogueira o reajuste dos preços das passagens há quase 3 semanas e nem sinal de uma resposta ainda. Enquanto puder cozinhar o aumento, o Prefeito vai fazê=lo. Uma coisa, porém, é certa: dificilmente o prefeito concederá o reajuste conforme pedido pelas empresas de ônibus. Neste caso, a passagem iria para quase R$ 4,50. É um preço muito alto para o passageiro comum pagar, já que o salário mínimo não é reajustado neste alcance. O novo preço vai rondar os R$ 4,00 mas o Prefeito ainda reluta. É aguardar o que vem por aí, para vigorar a partir de quando.

Comentários