Em mais uma operação nas Mangabeiras, 282 famílias são realocadas

0
Nesta terça-feira, 21, outras 282 famílias foram retiradas dos barracos para residências (Foto: Sérgio Silva)

Iniciada na segunda-feira, 20, a operação de realocação das famílias da Ocupação das Mangabeiras, localizada no bairro 17 de Março, seguirá durante toda esta semana. Nesta terça-feira, 21, outras 282 famílias foram retiradas dos barracos para residências dignas, até que as casas do Complexo Habitacional Irmã Dulce dos Pobres, que serão construídas pela Prefeitura de Aracaju, fiquem prontas. Enquanto isso, o aluguel social será concedido pela administração municipal. Nos primeiros dois dias de operação, um total de 448 famílias já foram realocadas.

O trabalho de realocação conta com a integração de diversas equipes da Prefeitura e envolve cerca de 300 profissionais numa ação focada na celeridade e no acolhimento a essas famílias. Assim, atuam nessa operação equipes das secretarias municipais da Assistência Social, Defesa Social e da Cidadania, através da Guarda Municipal de Aracaju; e das empresas municipais de Obras e Urbanização (Emurb) e de Serviços Urbanos (Emsurb).

Para prestar a devida assistência, estão envolvidos, em primeiro plano, assistentes sociais, psicólogos, educadores sociais e apoio técnico, profissionais que fortalecem a ação humanitária de acolher.

“No segundo dia, damos atenção às famílias da área C, que não concluímos a demolição ontem [segunda] e iniciamos a área B. Esta uma área mais tranquila, mais compacta, os barracos estão mais juntos. Uma facilidade que encontramos foi que algumas famílias já haviam deixado os barracos, levado os seus pertences às casas alugadas, então, esse segundo dia foi mais fácil. Ontem, demos o pontapé inicial e sabemos que todo o início tem que haver alguns ajustes e, hoje, demos uma celeridade maior por termos, justamente, feito essas adequações para melhor atender às famílias. A ação conjunta dá uma segurança maior para que possamos realizar o trabalho da melhor maneira possível”, ressalta a secretária municipal da Assistência Social, Simone Passos.

As famílias cadastradas ficarão em residências alugadas durante o período de dois anos, prazo para conclusão da obra que beneficiará 1.102 famílias (836 que eram residentes da área e outras 266 das famílias mais antigas beneficiárias do auxílio-moradia). A gestão municipal entrou no projeto com uma contrapartida para os aluguéis das moradias temporárias, no valor de R$ 7.934.00,00 milhões.

Com informações da AAN

Comentários