Orla: policiamento continua precário

0

Viaturas ainda estão paradas na Orla Foto:Portal Infonet
Policiais realizando o policiamento ostensivo a pé na Orla de Atalaia. Esse é o quadro que se repete na manhã desta quinta-feira, 4, após a transferência de 12 militares que integravam a Companhia de Policiamento Turístico na Orla de Atalaia (CPtur). De acordo com os próprios militares, a segurança do local está precária já que os policiais não atendem as ocorrências com o auxílio das viaturas.

O gestor da Associação Beneficente dos Servidores Militares de Sergipe (Absme), sargento Vieira, disse que irá se reunir com os advogados da associação e com os policiais militares que foram transferidos para batalhões do Interior do Estado. “Esses militares desempenham um bom serviço e o que eles recebem de recompensa é maus tratos, perseguição e assédio moral”, questiona Vieira.

sargento Vieira garantiu apoio aos militares Foto:Portal Infonet
A transferência que foi publicada em Boletim Geral Ostensivo (BGO), na última terça-feira, 2, foi concretizada na noite de ontem, 3, quando os militares receberam o memorando ao final do turno de trabalho.

Com exclusividade, o Portal Infonet conversou com os militares que afirmaram que a transferência ocorreu após os policiais terem se recusado a dirigir as viaturas em protesto pela nova escala de trabalho que segundo eles foi imposta pelo comando.

Descontente com a situação e com o modo com que os colegas foram tratados, um militar que prefere não ser identificado, disse que tudo aconteceu por uma questão de ego do comando. “A situação poderia ser facilmente resolvida, mas o comando insiste em tratar os militares com autoritarismo porque ninguém foi comunicado sobre essa nova escala simplesmente chegamos para trabalhar e estava tudo mudado”, conta.

Policiamento a pé compromete a segurança da Orla de Atalaia Foto:Portal Infonet
Comando

Procurado pela equipe do Portal Infonet, o comandante da CPtur, capitão Barbosa disse que retornou de férias hoje, 4, e estava tomando conhecimento da situação, mas confirmou a transferência dos militares e disse que está aguardando a apresentação dos novos policiais na companhia.

“Qualquer transferência implica em tempo e temos um prazo de 48h após para a apresentação dos militares que estão vindo para a companhia”, explicou o capitão Barbosa.

Por Kátia Susanna

Comentários