Renascer oferece tratamento contra o uso do crack a jovens abrigados

0

Jovens fazem tratamento realizando atividades na fazenda (Fotos: Edinah Mary/Seides)
A Fundação Renascer também está engajada no programa estadual de enfrentamento ao crack e outra drogas, que adota medidas para frear a expansão do uso e do tráfico na capital e no interior. Em contrato firmado com a Obra Social Nossa Senhora da Glória  Fazenda da Esperança, no valor de R$ 38.250,00, a Fundação passou a disponibilizar serviços terapêuticos a adolescentes/jovens drogaditos em situação de abrigamento ou em cumprimento de medidas socioeducativas.

A parceria foi firmada em março deste ano e disponibiliza cinco vagas. “Esta é uma ação de extrema importância para enfrentarmos a triste realidade das drogas entre os nossos jovens. O acolhimento numa comunidade terapêutica se encarrega de atender em regime de residência quem passa por transtornos decorrentes do uso ou abuso de crack e outras drogas. Então é um auxílio extraordinário na reinserção dos adolescentes na sociedade”, destaca a diretora-presidente da Fundação, Antônia Menezes.

Acompanhamento

Atividades normais de fazenda ajudam no tratamento

Depois de inseridos no programa, os jovens contam ainda com o acompanhamento psicossocial dos profissionais da Fundação Renascer. De acordo com a assistente social, Greice de Oliveira Souza, esse monitoramento, feito por ela e também por uma psicóloga, é o diferencial no caso dos jovens.

“A cada 15 dias nós vamos até lá, conversamos com eles e fazemos uma avaliação. Além disso, realizamos visitas assistidas junto com os familiares”, informou, avaliando a experiência até o momento como bastante positiva.

Na fazenda, que fica no interior do Estado, os jovens participam de atividades próprias do campo, tais como horta, ordenha, capinação, fabricação de queijos e doces entre outras. Há também momentos de oração, onde os valores familiares são abordados, além da própria interação entre os recuperandos. Um dos adolescentes da Fundação,

Os jovens têm acompanhamento de assistentes sociais na fazenda

por exemplo, está sendo alfabetizado pelos próprios colegas da Fazenda.

“Vemos mudanças neles, que se mostram mais calmos e tranquilos. Podemos citar o caso de um adolescente em situação de rua, usuário de crack, com mais de 10 processos que está lá e já demonstra outro comportamento. Ele não mostra desejo de fuga, mas ao contrário, a gente nota entusiasmo na realização das atividades”, explica a assistente social da Fundação Renascer.

Os que concluem o tratamento são encaminhados aos programas de acompanhamento de egressos da Fundação, através do qual os atendimentos psicossociais tem continuidade, assim como o trabalho junto às famílias, o retorno à escola, encaminhamento aos cursos profissionalizantes e a intermediação para a inserção no mercado de trabalho.

Fonte: Ascom / Fundação Renascer

Comentários