Horas Lilás (à Janine eterna Mestra-Amiga) – por Gustavo Aragão

0

                                                        À minha eterna e querida Amiga-Mestra Janine

Nas cinzas das horas

Um anjo resvala sobre ombros descobertos;

Esperança!

 

Nas cinzas das horas lilás,

Uma súplica

E um desconcerto.

 

Nas rosas do tempo,

Um lampejo

E um acalanto no desespero;

Fermento.

 

Tudo se transforma,

se renova.

 

E as horas irisadas

tornam-se horas-contes;

horas solidárias;

Rosa entre corpos, mentes e almas.

 

Semente germinada

Neste mundo febril, frio e dormente de agora.

Por Gustavo Aragão.

 

“Janine,
Ser de luz que nos deixa ensinamentos e saudades
Verso íntimo, templo de amor e paz,
Ergue-se a cada nova lembrança,
Vive eternamente em nosso peito e nossa mente
Superação, força, coragem e ousadia.

Jamais a esqueceremos por ter sido, para todos que com você conviveram e sabem disso, um verdadeiro exemplo de vida, força e superação.
Amor eterno à vida e aos homens
Núcleo totipotente de bondade e experiências
Inesgotável força de superação
Nuvem de paz divina
Exemplo de mulher, amiga e MESTRA.
A você lírios de luz e saudades.”

*Todos os direitos estão reservados ao autor perante a Lei.

Comentários