Peritos federais se mobilizam para dividir Incra

0
Ricardo: criação do Instituto de Terras (Foto: Cássia Santana/Portal Infonet)

O diretor presidente do Sindicato Nacional dos Peritos Federais Agrários (Sindpfa), Ricardo de Araújo Pereira, esteve em Sergipe para defender a reestruturação do Instituto de Colonização e Reforma Agrária (Incra) e participou de reunião com os peritos federais agrários nesta terça-feira, 9. Na ótica do sindicalista, há necessidade de se criar o Instituto de Terras do Brasil para controle fundiário e manter uma outra estrutura para gerenciar a reforma agrária.

Na ótica do presidente do Sindicato Nacional, há uma falta de controle total do Estado sobre as propriedades rurais e falhas que ele considera ‘sobrecadastramento’ de imóveis. “No Mato Grosso do Sul, por exemplo, o município de Ladário tem 10 vezes mais terras do que a área total do município”, denuncia o sindicalista. “Temos o Ministério da Agricultura, o Ministério da Pesca, o Planejamento, através da SPU, da Justiça com a Funai, e o Ministério da Cultura com a Fundação Palmares e cada um trabalha de maneira isolada, é necessário unificar estas ações para saber o que acontece com o agrário brasileiro”, enalteceu.

O superintendente do Incra em Sergipe, Leonardo Góes Silva, não vê necessidade de dividir o órgão. Ele admite deficiências, mas todas vinculadas à desvalorização das carreiras profissionais. “Os servidores estão desmotivados, infelizmente as carreiras passam por um processo de desvalorização e isso contribui para a necessidade de se reestruturar o órgão, de realizar concurso. Mas não defendo a divisão. O Incra é capaz de fazer a governança fundiária e também executar a reforma agrária”, considerou o superintendente.

*A matéria foi alterada às 12h41 desta quarta-feira, 10, para correção no nome do município de Mato Grosso do Sul

Por Cássia Santana

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais