Cassada se une a adversários e elege nova prefeita em São Francisco

0
Altair abraçou a decisão judicial que cassou o mandato dela e se aliou ao primo que a denunciou (Foto: Portal Infonet)

A ex-prefeita Altair Nascimento, que foi o pivô das eleições suplementares ocorridas neste domingo, 1º, em São Francisco, se aliou aos adversários políticos que a acusaram pela prática de crime eleitoral e conseguiu emplacar a sucessora. Em decorrência de denúncia que chegaram à Justiça Eleitoral por iniciativa da chapa encabeçada pelo primo dela, Ailton Nascimento, a prefeita e o vice Manoel Messias Nascimento foram cassados.

Nas eleições suplementares, Ailton Nascimento era o candidato da Chapa ‘Nossa Força Vem do Povo’, que saiu vitoriosa neste domingo, 1º com 65,07% dos votos, mas o registro de candidatura dele foi impugnado pela Justiça Eleitoral. Dessa forma, Ailton acabou substituído pela esposa Alba Nascimento, consagrada prefeita ao lado da vice, Desirê Hora (PT), com 1.844 votos.

“O grupo que eu aderi foi o que entrou com o recurso [pela cassação do mandato dela na prefeitura], mas entendi que Ailton é meu primo e família é família. Quando passei isso para o eleitorado, o eleitorado aceitou”, explicou Altair Nascimento, fazendo referência à decisão que tomou em se aliar à chapa ‘Nossa força vem do povo’.

Crime eleitoral

Altair admite que o então candidato a vice dela, na campanha eleitoral de 2016, prometeu um cargo na prefeitura e uma pequena quantidade de material de construção para eleitor, mas nunca pensou que essa atitude poderia comprometer os respectivos mandatos. “Na minha concepção, como leiga, achei irrelevante porque o vice prometeu um cargo de merendeira a uma menina que trabalhou na casa dele como secretária e um forro. Então, não achei que fosse uma coisa tão grave, mas para a justiça foi muito grave e aceitei e estamos em uma nova batalha”, comentou.

As eleições suplementares em São Francisco ocorreram neste domingo, 1º, em acirrado clima. Ocorreram prisões em flagrante de um vereador e de cabos eleitorais acusados por distribuir dinheiro em troca de voto em benefício de diferentes candidatos. E um dos candidatos, o vereador José Carmo teve registro de candidatura impugnado, mas disputou a eleição sub judice. A Justiça Eleitoral não computou os votos que ele conquistou nas urnas, declarando como segundo colocado Luan Araújo, com 990 votos, o equivalente a 34,93% dos votos no município.

Por Cassia Santana

Comentários