Governo vai pedir reintegração dos imóveis da Barra

0
Manifestantes prometem resistência (Foto: Arquivo Portal Infonet)

O Governo do Estado vai intervir juridicamente para desocupar os imóveis invadidos na noite da terça-feira, 14, localizados no Loteamento Paraíso da Barra, no município da Barra dos Coqueiros. De acordo com informações da Secretaria de Estado de Comunicação (Secom), o Governo está apenas aguardando os trâmites legais para ingressar com ação de reintegração de posse para retirar as 12 famílias que permanecem nas casas inacabadas.

De acordo com a Secom, a construtora responsável pelas obras já adotou os primeiros procedimentos, prestando queixa em boletim de ocorrência na polícia civil. A partir deste boletim de ocorrência, conforme esclarecimentos da Secom, o Governo adotará os procedimentos legais ajuizando a ação de reintegração de posse.

A Secom informa que as obras começaram a ser executadas no ano de 2009 e que os imóveis serão destinados às famílias já cadastradas desde aquele ano. A Secom garante que nenhuma família que ocupou aqueles imóveis está cadastrada para este projeto de moradia do governo.

Resistência

O líder da União Nacional por Moradia em Sergipe, Jorge Luiz de Jesus Santana, o Jorge Jatobá, estranhou a reação do Estado, disse que já está com audiência marcada com representantes do Governo para a tarde desta quarta-feira, 15, e denunciou ilegalidade na obra. “A obra está ilegal, está embargada por falta de pagamento, o Estado não tem certidão negativa desta obra”, reagiu.

O líder do movimento informou ainda que as 22 famílias permanecerão nos imóveis até que seja encontrada uma solução para os problemas de moradia que elas enfrentam. O Portal Infonet voltou a conversar com a assessoria do Governo do Estado, que informou desconhecer completamente qualquer ilegalidade na obra.

Por Cássia Santana

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais