A cancela

0

Passava o dia recostado nas almofadas do sofá. O arrastar dos chinelos da velha: hora das refeições. “O compadre Chicão chegou…”, ao ouvir o bater macio da cancela. Pam! O compadre vinha a cavalo, mas segurava a cancela, para que não batesse forte no mourão.

Outros que entravam montados, empurravam a cancela e largavam ela aberta e o baque era maior: PAAAM! Quem vinha andando, abria de um modo diferente. O Pam era mais surdo. A vida passando, visitas, conversas, o recordar. Atento aos ruídos dos animais e das pessoas. A monotonia.

Um dia, alguém chegou a cavalo, sabia que o cabra estava afobado, a cancela bateu mais forte PAAAAAAMM!  A força dos cascos do animal, até chegar à porta da casa.

O cavaleiro desmontou , sentiu grunhidos e suores, as pisadas fortes.  Parecia o de…dos tempos em que tinha olhos para enxergar. Ficou tenso. “Sou eu seu safado, saí da cadeia!” O barulho de engatilhar fuzil, ele vai me matar! pensou. Os disparos, o sangue esguichando do corpo gordo.

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários