Antes do pleito do segundo turno

0

Aracaju e mais outras cinquenta e cinco cidades no País têm novo encontro com as urnas neste domingo para a escolha do seu novo prefeito. É o chamado segundo turno. Aqui na Capital sergipana, os dois candidatos, Edvaldo Nogueira e Valadares Filho continuam na situação de empate técnico. Isso quer dizer que a eleição deste fim de semana ainda está indefinida. Em verdade nunca houve um pleito tão disputado como este. É impossível vaticinar quem sairá vitorioso nas urnas. Só depois das cinco horas da tarde de domingo é que se tomará conhecimento do nome daquele que vai dirigir os destinos da Capital sergipana pelos próximos quatro anos. A bem da verdade, diga-se que esta foi uma campanha sem violência, praticamente não houve nenhum fato que ferisse a tranquilidade do pleito. O que houve foi muita denuncia, algumas delas vazias, de ambos os lados. A busca por escândalos foi incessante mas poucos, quase nenhum, colaram nos candidatos adversários.

                ***

O Tribunal Regional Eleitoral emitiu nota para esclarecer que, no momento da votação, além da exibição do respectivo título, o eleitor deverá apresentar documento de identificação com fotografia. O eleitor que perdeu seu título eleitoral e que estiver com cadastro regular poderá votar apenas com o documento oficial de identificação com foto. No momento da votação, não são aceitas certidões de nascimento ou casamento como documento de identificação uma vez que não possuem fotografia.

                ***

O MBL (Movimento Brasil Livre) na noite de quarta-feira. Invadiu o espaço do whats-app  para solicitar ao povo aracajuano (e o carioca também) que não votasse em Edvaldo Nogueira (em Freixo, no Rio de Janeiro). Alega que, além de pertencer ao PCdoB, Edvaldo tem o apoio do Partido dos Trabalhadores, que eles ajudaram a tirar do poder, derrubando a presidente Dilma Rousseff. Só o tempo dirá se teve alguma repercussão por aqui.

                ***

O ex-Prefeito Edvaldo Nogueira reagiu as acusações do Procurador de Contas do Tribunal de Contas, Sr. José Sérgio Monte Alegre. Chamou a atenção para o caráter eleitoreiro da denuncia de que em 2012 não aplicou o percentual constitucional para  Educação e a Saúde do Município. O parecer do Sr. Monte legre é do dia 3 de outubro deste ano mas só foi tornado público agora. Edvaldo também lembrou que o Procurador é servidor do Tribunal de Contas mas não é concursado, em verdade ele foi nomeado pelo ex-governador, agora Senador Antônio Carlos Valadares. Aliás, o Sr. Sérgio Monte Alegre é um notório criador de casos. É dele o pedido do bloqueio das contas do município de Aracaju para que sejam pagos os servidores. No julgamento deste pedido, com o auditório do pleno do TCE lotado de servidores do município, o Sr. Monte Alegre foi às nuvens com os aplausos recebidos por conta do seu pedido.

               ***

A campanha do Sr. Valadares Filho à Prefeitura de Aracaju conseguiu tirar do ar, via Justiça, uma das melhores coisas da publicidade no horário eleitoral gratuito. Aqueles personagens da cabelereira e da manicure foram um achado que provocaram momentos hilários a uma coisa tão sisuda como o horário político.

               ***

Circula nas redes sociais um pequeno filme mostrando um comício do qual participavam Edvaldo Nogueira, Valadares Filho e o governador de época, Marcelo Deda. Valadares derrete-se em elogios aos companheiros de então. Observando-se o filmelete mais demoradamente, chega a ser hilário.

               ***

Nem nos velhos tempos em que o PSD e a UDN disputavam hegemonia popular, via-se alguém armado – revólver na cintura a vista de todos – durante uma carreata. O deputado Capitão Samuel foi flagrado portando uma arma ao levantar os braços, no auge da empolgação, em carreata estando ao lado do candidato Valadares Filho.  No outro dia, Samuel diz que defende o direito de todo cidadão de bem carregar uma arma

A crise entre o Legislativo e o Judiciário

A Polícia Federal fez uma varredura no Senado Federal e conduziu a prisão quatro policiais do Senado. A PF foi checar a denuncia de que as “maletas” usadas pelos policiais do Senado para localizar grampos, também serviam para fazer escutas ilegais. Há a suspeita de que os grampos eram autorizados pelo próprio presidente do Senado, Sr. Renan Calheiros. Este reagiu de forma abrupta e até de modo anti-ético chamando o juiz que autorizou a varredura de “juizeco”. O Judiciário sentiu-se atingido.  Nova presidente do STF, Dra. Carmen Lúcia, recusou o convite para uma reunião entre os três poderes a fim de discutirem problemas comuns. Deixou Renan Calheiros falando sozinho. Mas esta crise entre os dois poderes preocupa. Que o Presidente Michel Temer tenha pulso para conter os impulsos revanchistas do Presidente do Senado. O que menos o Brasil precisa neste momento é uma diatribe entre o Congresso Nacional e o Judiciário.

Aliás, as coisas não estão sorrindo para o lado do presidente do Senado. O Ministro Edson Facchin encaminhou ao plenário da Casa uma denúncia que rola no STF há mais ou menos 9 anos, segundo a qual ele teria recebido dinheiro de uma empreiteira para pagar pensão alimentícia da ex-mulher. Já a Ministra Carmen Lúcia agendou para o dia 3 de novembro próximo, o julgamento de uma ação  que visa a impedir que réus ocupem cargos na linha sucessória da Presidência. Tal ação pode acabar a carreira política do alagoano.

Debate sobre a Rede Petros, na Rio Oil e Gás

Empresários, consultores, gestores e analistas do Sebrae presentes na Rio Oil & Gás, feira realizada no Rio Centro, no Rio de Janeiro, aproveitaram a oportunidade para realizar reunião onde se debateu o futuro das micro e pequenas empresas que formam as Redes Petros no Brasil, pontos fortes, oportunidades de melhoria e mercado. Entre os temas discutidos pelo grupo estão:  necessidade de incentivar ainda mais as parcerias e negócios entre as empresas ligadas as Redes Petro Estaduais, estabelecer um propósito que englobe as aspirações e necessidades das Redes Petro existentes no Brasil, encontrar uma forma das empresas se conectarem e haver integração, avançar na questão das energias limpas como solar e eólica, além de definir uma programação das próximas ações. Seis pautas foram definidas: criar um canal de comunicação de rede nacional para ser utilizado pelas Redes Petro com foco em parcerias e negócios. Estimular o empenho no desenvolvimento do networking entre as empresas das Redes; definir um propósito comum. Disponibilizar um plataforma que agregue  empresas e redes. Modificar o nome da Rede Petrobras destacando os outros tipos de energia. Atualizar o site da Rede Nacional.

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários