As vaias foram ouvidas no outro quarteirão

0

O Plenário da Assembleia Legislativa já viu e ouviu, por dezenas de vezes, ao longo da história, vaias que os integrantes da plebe ignara dirigem a deputados e/ou palestrantes que lhes desagradem. Mas, a vaia dirigida ao Governador Belivaldo Chagas, ao final da manhã de quarta-feira última, ao se recusar a participar de um debate sobre a situação econômica do Estado, que ele acabar de expor, realmente foi inédita. Os gritos e apupos foram ouvidos no meio da Praça Fausto Cardoso, tal a sua intensidade. Vaia igual aquela o escriba confessa que nunca ouviu antes, nestes quase sessenta anos que acompanha as sessões do Legislativo Estadual. Mas, vamos e convenhamos, o Governador Belivaldo Chagas agiu certo em não participar de um debate com uma plateia que lhe era hostil. Um debate que a Oposição incentivou como meio de encurralar o Governador e certamente forçá-lo a dizer coisas que ele não tinha a menor intenção de revelar. Depois de traçar um quadro dantesco das finanças públicas, que a plateia ouviu até em silencio, Belivaldo voltou a ocupar uma cadeira na Mesa Diretora dos trabalhos, cochichou com o Presidente da AL, deputado Luciano Bispo, pegou suas anotações e levantou-se disposto a se retirar. Foram então que começaram os apupos. O Presidente Luciano Bispo só teve tempo de declarar a sessão encerrada. Os apupos e as vaias se tornaram então avassaladores. Mas nem por isso, Belivaldo voltou atrás. De fato, ele continuou em frente, rumo à porta de saída. Os deputados da Oposição foram preparados para enfrentar o Governador com uma enxurrada de perguntas. Só para se ter uma ideia, a deputada Kitty Lima levou uma folha de caderno onde constavam nada menos que nove perguntas. Nas galerias do plenário, alguns líderes sindicalistas passavam as ordens finais: “Desçam todos, vamos pegar o Governador aí na saída Assembleia”. É que o carro oficial dele postou-se exatamente na improvisada porta de entrada do Legislativo.O carro arrancou antes dos sindicalistas chegarem onde estava o carro oficial. No plenário, a Oposição gritava para que o Presidente da Casa retomasse a sessão porque em Explicação Pessoal estavam inscritos todos os parlamentares da Oposição. O mais aflito de todos era o líder da Oposição, deputado Georgeo Passos que também tinha um arsenal de perguntas ensaiadas para o Governador e não pode fazê-las. O deputado Gilmar Carvalho bancava o artista de cinema, posando para uma gravação que a TV Atalaia pôs no ar no seu noticiário noturno: “Se eu soubesse que não haveria debates eu não teria vindo para esta sessão”. Só uma pergunta que não quer calar: quem anunciou que haveria debates, depois da explanação do Governador? Talvez até fosse essa a intenção do Governador mas numa sessão aberta para todo o mundo já se sabe que estarão presentes todos aqueles que fazem oposição a Sua Excelência. Quando ouvimos a informação de que iria ter debate, o escriba comentou com o colega ao lado: “Ótimo. Mas, qual bar vai ser mesmo o debate? E a cerveja é livre? Quem vai pagar o almoço e o jantar? Porque um debate deste tipo com o Governador do Estado é coisa para se levar muito tempo, talvez até a meia noite, se tudo correr bem”. O escriba faz outra confissão: nunca viu anteriormente na Assembleia algum debate em que o Governador do Estado é peça chave da promoção. Os deputados da Oposição, principalmente os novos, aqueles que estão chegando agora, precisam estudar com mais profundidade o Regimento Interno da Casa. Pelo menos evitariam dizer tanta tolice… Os sindicalistas que estavam na plateia, longo de formarem uma douta plateia, parecia ser um bando de arruaceiros com um único objetivo: esculhambar, apupar, vaiar…

Notícias da Fafen

Na sexta-feira pela manhã, o Escritório Central da Petrobras, no Rio de Janeiro, abrigou uma importante reunião quando o Governador Belivaldo Chagas recebeu a informação que a fabrica da Fafen em Sergipe poderá ser arrendada. Neste caso já existiriam três grupos fortes estrangeiros, interessados nela. A hibernação da empresa já dura mais de quatro meses e vai continuar assim até que outros negócios sejam fechados. O Presidente da Petrobras explicou que a Fafen deixou de interessar a Petrobras por conta do preço do gás que era investido nela. Sem poder reajustar os preços dos produtos que ficava, ficou mais fácil à Petrobras desativar a empresa até que swe concluam negociações que a passe para a iniciativa privada. Para essa reunião especial no Rio de Janeiro o Governador Belivaldo Chagas levou como convidado especial seu o ex-governador Albano Franco que tem sido um baluarte pela manutenção da Fafen, pois a sua desativação só prejudicará a economia sergipana. Para o ex-governador Albano franco a concretização desses processo de arrendamento é de fundamental importância para a economia sergipana “pela importância da Fafen como empresa-mãe do Polo de Fertilizantes de Sergipe, entre outros efeitos diretos e indiretos da empresa na economia do Estado”.

As rusgas de Bolsonaro com Rodrigo Maia

Não convidem para o mesmo café da manhã o Presidente da República Jair Bolsonaro e o Presidente da Câmara dos Deputados Rodrigo Maia. Este já ameaçou abandonar a coordenação pela aprovação da reforma da Previdência, que tramita, a passos de cágado pela Câmara dos Deputados. A relação entre os dois está bastante azeda desde que um dos filhos de Bolsonaro passou a criticar a Rodrigo Maia pelas redes sociais. “Ah, é assim, então o Sr. Bolsonaro venha coordenar, com sua política nova, a tramitação do projeto”. Aliás, falando em filhos, os de Bolsonaro parece que vivem para atrapalhar a política do pais. Um deles acompanhou Jair Bolsonaro na audiência que o Presidente Trump dos Estados Unidos concedeu ao Presidente brasileiro. Virou o interprete da audiência já que o presidente não fala inglês. A audiência, que era restrita ao papai foi assistida do começo ao fim pelo filho dele.

Sei não, mas estes filhos de Bolsonaro ainda vão atrapalhar muito a vida do pai-pai. O Brasil não merece isso…

Gualberto vs Rodrigo Valadares

Também não convidem para o mesmo almoço os deputados estaduais Francisco Gualberto e Rodrigo Valadares. Os dois trocaram farpas a semana que passou por conta da defesa que Gualberto fez do Prefeito Edvaldo Nogueira. É que na programação do aniversário da cidade, estava prevista a realização de um show gospel que não foi realizado porque a Prefeitura não abriu o cofre. As igrejas protestantes tiveram que se virar para as providências necessárias à realização do show. Gualberto disse que Edvaldo não podia realizar o show porque o “estado é laico” e não haveria como justificar a despesa com o seguimento evangélico. Rodrigo Valadares não gostou da desculpa e na sessão seguinte da Assembleia derramou toda sua bílis em cima de Gualberto. A tréplica foi dada pelo ex-líder do governo e aí o relacionamento entre os dois está abalado. Na sessão de 5ª feira última, Gualberto voltou ao assunto. Pode ser que hoje, segunda-feira, o deputado Rodrigo Valadares volte a replicar o caso…

Reunião das Comissões

As comissões estavam convocadas para quarta-feira da semana passada. Mas, a palestra do governador Belivaldo Chagas sobre a real situação econômico-financeira do Estado na quarta-feira adiou os encontros das comissões. Este pode ser realizado nesta quarta-feira agora.

PEQUENAS NOTAS

*** Conforme tínhamos antecipado, o Cinform – que chegou a ser o semanário com maior circulação no Estado, voltou às bancas a semana passada. E promete estar presente todas as segundas-feiras.

*** Nosso muito obrigado à jovem jornalista Jéssica França que deixou as fileiras do Portal Infonet. Sem desmerecer às demais jornalistas da Casa, ela era meu anjo de guarda aqui. O seu lugar está ocupado por outra jornalista da nova geração, Karla Pinheiro.

Comentários