Deus, por quê?

0

Por que Deus permite deslizamentos de terra e árvores, que matam centenas de pessoas soterradas, como aconteceu ontem no Rio de Janeiro? Por que deixa as chuvas inundarem cidades inteiras, destruindo patrimônios e ceifando vidas inocentes, como está ocorrendo em São Paulo e Minas Gerais? Mas, pensando bem, será que a pergunta deve ser feita a Deus, ou aos homens? Não são eles os responsáveis pela devastação da flora, represamento dos rios e desmatamento das encostas? Portanto, o que está acontecendo no mundo não é obra divina. É o resultado da permanente agressão humana à natureza. É o ecossistema reagindo contra a estupidez do homem, que devasta fauna e flora, lança toneladas de lixo nos corpos d´água, afronta o Céu com a fuligem liberadas pelas chaminés e impermeabiliza o solo. Arrogante, o ser humano vai continuar destruindo o mundo que o cerca e, para se redimir, atribuirá a Deus a culpa pelas vítimas de sua estupidez.

 

Foco errado

 

Os gaviões que infestam Aracaju tem sido alvo da imprensa, que atribui a eles a culpa por pequenos incidentes aéreos e os acusa de atacar as pessoas que passam perto de seus ninhos. Não seria o contrário? Os gaviões são vítimas da ganância humana, que devastou as matas habitadas por eles, condenando-os a viver no caos urbano, disputando espaços com máquinas barulhentas e respirando o ar poluído.

 

Crime ambiental

 

Como perguntar não ofende, será que os órgãos ambientais já descobriram quem está aterrando o leito do rio Poxim, ali próximo ao bairro São Conrado? Outro dia, prometeram investigar o crime ecológico e punir quem está jogando entulhos no rio, só que nunca mais falaram no assunto. Será que vão esperar que transformem o Poxim num canal urbano, cercado de casas por todos os lados?

 

Erro geográfico

 

Ao exibir reportagem sobre a trovoada com ventos fortes que assustou Carira, a TV Sergipe cometeu um erro geográfico ao informar que o município está no agreste sergipano. Tendo a caatinga como vegetação predominante (isso antes de sua devastação), Carira está no sertão, sendo uma das portas de entrada do semi-árido.

 

Ameaça de cheia

 

O que tem feito a Defesa Civil e órgãos similares para prevenir a população do Cotinguiba sobre as chuvas de verão, que quando ocorrem fazem transbordar rios e riachos na região? Será que vamos esperar as enchentes para só depois tentar socorrer as vítimas, como ocorreu num passado recente em Maruim e Laranjeiras?

 

Rio abaixo

 

Não se enganem, boa parte das águas que estão fazendo sérios estragos em Minas Gerais já chegou à calha do Rio São Francisco. Isso quer dizer que, dentro de alguns dias, elas estarão chegando à região ribeirinha de Sergipe. Será que as famílias residentes às margens do “Velho Chico” e que todos os anos têm suas casas inundadas, já foram alertadas para a possibilidade de uma nova enchente? Não é mais barato prevenir?

 

Esperando o pior

 

Quase um ano após os estragos causados pelas chuvas na Zona de Expansão de Aracaju, não se conhece providências concretas para evitar que, no próximo inverno, toda aquela região não seja inundada outra vez. Evidente que para proteger a área das inundações serão necessários altos investimentos, porém algumas obras mais baratas podem e devem ser feitas para minimizar os prejuízos causados pelas cheias à população.

 

Calote ecológico

 

Cinco anos após a criação do Parque Nacional da Serra de Itabaiana, o governo federal não pagou, nem disse quando pagará, às famílias que tiveram suas terras desapropriadas em favor da área de conservação.  Ocupando uma extensão de 7.966 hectares nas serras de Itabaiana, Comprida e Cajueiros, o Parque foi criado através de Medida Provisória que, segundo as vítimas do calote ecológico, já teria perdido a validade, sem que o governo federal tivesse reeditado uma outra MP.

 

Polícia verde

 

Em meio a tanta agressão ao ecossistema, um fato positivo é a atuação do Pelotão Ambiental da Polícia Militar. Apesar da falta de mais equipamentos e homens, o grupamento tem realizado um excelente trabalho de prevenção e combate aos crimes ambientais. Formado por policiais preparados e comprometidos, o Pelotão tem apreendido aves e animais silvestres e orientado a população sobre a preservação da fauna e da flora. Viva a nossa Polícia Verde!

 

Do baú político

 

Lá pelos idos de 1970, João dos Santos, o ‘João Carira’, elegeu-se vice-prefeito de Carira, porém, com a morte do titular, Aroaldo Chagas, teve que substituí-lo por quase todo o mandato.  Analfabeto, ‘João Carira’ evitava os papéis, preferindo as orientações verbais. Certo dia, chamou uma auxiliar e mandou convocar uma reunião para a sexta-feira. Depois de algum tempo, a moça entra no gabinete do prefeito e pergunta como se escreve sexta-feira. “É com x ou com s?”, quis saber. Calmo, ‘João Carira’ pensa, pensa e chega a uma conclusão: “Mude a reunião para quinta. Um dia a mais ou a menos não fará diferença”. E assim foi feito.

 

Resumo dos jornais

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais