Fez-se Justiça

0

Ao reempossar Luciano Bispo (PMDB) como deputado estadual e lhe devolver a presidência da Casa, a Assembleia fez valer, sem pestanejar, a decisão da Justiça. Processado em última instância por improbidade administrativa, o peemedebista foi cassado e teve os direitos políticos suspensos por oito anos. Uma decisão do Supremo, contudo, pôs fim ao calvário de Luciano: por maioria, os ministros do STF entenderam ser exclusiva da Câmara de Vereadores a competência para julgar as contas de gestores públicos, não tendo o parecer do Tribunal de Contas serventia para condenar governadores e prefeitos. Como a principal peça que o acusava era justamente um parecer do TCE sergipano, Bispo recorreu contra a cassação e foi absorvido pela unanimidade do Tribunal Superior Eleitoral, o mesmo que o havia cassado meses antes. Enquanto lutava para reaver seus direitos e o status parlamentar, o peemedebista viu o irmão Roberto (PMDB) perder fragorosamente eleição para a Prefeitura de Itabaiana, sua base eleitoral. Neste episódio, vale ressaltar a seriedade do deputado Garibalde Mendonça (PMDB) em presidir o Legislativo sem sobressaltos, a fidalguia como tratou o então ex-Luciano Bispo e seus correligionários, o irretocável cumprimento da decisão judicial e a rapidez em devolver o seu ao seu dono. Por conta das idas e vindas da justiça brasileira, a Assembleia de Sergipe escreveu uma bela página na História.

Votos iguais

O eleitor não deve se envergonhar de votar em branco, nulo ou simplesmente não ir às urnas. Estas três opções eleitorais são tão cidadãs quanto o voto dado a este ou aquele candidato. Portanto, se você não está satisfeito com o cansativo lenga-lenga dos prefeituráveis Edvaldo Nogueira (PCdoB) e Valadares Filho (PSB), faça como os 139.723 eleitores aracajuanos que votaram nulo, em branco ou simplesmente foram à praia no 1º turno. Neste último caso, o eleitor faltoso pagará uma multa que varia de R$ 1,05 a R$ 3,51. Uma ninharia!

De olho em JB

O Tribunal de Conta de Sergipe está de olho no governador Jackson Barreto (PMDB). A continuar atrasando a folha de pessoal e o repasse do duodécimo para o Judiciário e o Legislativo, JB pode ser processado por improbidade administrativa, prevaricação e crime de responsabilidade. Tal possibilidade já é tratada abertamente nos gabinetes do Tribunal de Contas de Sergipe. Em 1988, Jackson foi afastado da Prefeitura de Aracaju após o TCE ter rejeitado suas contas. Cesteiro que faz um cesto…

Reforço

Com o título acima, o Jornal da Cidade publica hoje a seguinte nota: “O vereador Vinicius Porto (DEM), braço direito do prefeito João Alves Filho (DEM), reforçou na Câmara Municipal o apoio total ao prefeiturável Valadares Filho (PSB). Com esta afirmação, ele demonstrou que toda a equipe de João vai integrar e estar na campanha do candidato à Prefeitura de Aracaju”. Homem, vôte!

Delação esperada

Agora que virou cabo eleitoral de Valadares Filho, bem que o ainda vice-prefeito de Aracaju, José Carlos Machado (PSDB), poderia confessar ao novo aliado quais os secretários de João Alves Filho que “só pensam em roubar a prefeitura”. A revelação do tucano ajudaria Vavazinho a ter uma noção do estrago causado à máquina administrativa pela ladroagem, e quais auxiliares de João Alves não devem compor seu secretariado, caso ele seja eleito no próximo dia 30.

Voto não se troca
Tem gente que troca voto
Por cimento, dentadura,
Camiseta, cesta básica,
Favores na prefeitura
Quem compra votos, errou!
E quem vende, já cavou
A sua própria sepultura.
O cordel acima é de Cacá Lopes

Ajuda financeira

Este governo temerário promete liberar R$ 1,95 bilhão visando reduzir as sérias dificuldades financeiras vividas pelos estados. Os recursos são relativos ao Auxílio Financeiro para Fomento das Exportações (FEX), que prevê o ressarcimento dos estados pela União por incentivos concedidos a empresas exportadoras. Segundo Medida Provisória assinada ontem, do montante que cabe a cada unidade da federação, a União entregará diretamente ao próprio estado 75%, ficando os outros 25% para os municípios. Menos mal, né!

Deselegância

Tem chamado a atenção do eleitorado a ausência do governador Jackson Barreto (PMDB) na propaganda política do candidato a prefeito de Aracaju, Edvaldo Nogueira (PCdoB). Há quem garanta que JB está magoado com a deselegância do comunista em não convidá-lo para pedir votos, mostrar as ações de seu governo e explicar os atrasos de salário e de compromissos com prestadores de serviço. Aliás, o governador poderia aparecer no horário eleitoral rodeado pelos secretários, todos “donos” de milhares de votos em Aracaju.

Viva o boi

Defensores da vaquejada vão promover, domingo próximo, uma manifestação a favor deste evento na Orla de Atalaia, em Aracaju. Eles juram que o chamado esporte rural não é uma prática degradante. Os defensores dos animais garantem, porém, que a própria perseguição e o ato de puxar a cauda do boi são agressões reprováveis. Além disso, há relatos de consequências muito nocivas da tração forçada no rabo e da derrubada do bicho, tais como fraturas nas patas, traumatismos e deslocamento da articulação da cauda ou até a amputação desta. Misericórdia!

Papéis invertidos

Que tal colocar os defensores das vaquejadas num corredor, rodeado por barulhentas torcidas, e soltar um boi brabo atrás deles? E para completar o degradante espetáculo, laçá-los, jogando-os ao chão quente e empoeirado para serem pisoteados pelo enfezado chifrudo? A mãe do boi garante que não dói nadica de nada!

Pomar baiano

De um gaiato sobre a presença do prefeito reeleito de Salvador, ACM Neto, na campanha do prefeiturável aracajuano Valadares Filho: “Essa é a maior prova que continuamos sendo vistos por alguns como o quintal da Bahia”. Arre égua!

Recorte de jornal

Publicado no jornal Folha de Sergipe, em 24 de dezembro de 1908.

Resumo dos jornais

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários