II Azaleia e II Batistão

0

Azaleia I

O noticiário da Agência Sergipe de Notícias, distribuído com a Imprensa na terça-feira, 09, registra que o Governo do Estado garantiu a permanência em Sergipe, por mais dez anos, da Fábrica de Calçados Azaleia, no município, de Frei Paulo, onde emprega cerca de 900 trabalhadores. Isso porque, ressalta a nota da agência governamental, a empresa foi autorizada através da Resolução no. 42/2019, a migrar para o regulamento e do ICMS até 2029.

Azaleia II

O governo está de parabéns, mas a nota comete um equívoco histórico ao informar que a Azaleia se instalou em Sergipe em 2004. Assim, desconhece que na verdade a indústria chegou ao Estado no final da década de 80, do século passado, com sua primeira unidade fabril em Itaporanga D´Ajuda. No final do primeiro governo de Albano Franco (1995 a 1998) ,a Azaleia estava para fechar em Sergipe, mas, por ação direta dele junto ao empresário Nestor de Paula, na época Presidente do grupo, a empresa não só manteve a sua unidade de Itaporanga como ampliou a presença no Estado com a instalação de novas quatro unidades em Carira, Frei Paulo, Ribeirópolis e Lagarto, gerando mais de 2 mil empregos diretos, o que transformou Sergipe em expressivo polo calçadista do Brasil.

Batistão I

Coincidentemente, também esta semana que passou a administração estadual cometeu um segundo equivoco, em relação a memória do governo Albano Franco. Foi nas festividades pelos 50 anos do Batistão, ao esquecer que até a transformação do velho Estádio na atual Arena, em 2014, a maior recuperação e reforma do Batistão aconteceu em 2000, quando Albano Franco era Governador do Estado. O fato não recebeu qualquer registro da organização do evento.

Batistão II

Mas, no caso do Batistão, a atual administração também esqueceu de registrar que a transformação na atual Arena foi inicialmente concebida pelo então governador Marcelo Deda. Foi ele que pessoalmente tratou com o então presidente da CBF, Ricardo Teixeira, que Sergipe adequando o Batistão as exigências da FIFA seria aproveitado na Copa do Mundo de 2014. A obra foi iniciada em 2013, com Deda ainda governador, e em 2014 serviu de campo de treinamento da Seleção da Grécia. A inauguração da Arena aconteceu no dia 4 de fevereiro de 2015, no governo de Jackson Barreto, com o jogo ente o Confiança e o Vitória da Bahia.

Um escândalo em Parati

Se o prezado leitor só busca informação através dos noticiários de emissoras de rádio e de televisão, saiba que você está muito desinformado. Hoje, é preciso acessar as redes sociais para se obter informações diversificadas de ambos os lados da contenda, a direita ou a esquerda. O fato mais importante da Feira Literária de Parati, a FLIP, por exemplo, não teve sequer um registro, mesmo “en passant” nas mais importantes emissoras do País. Esse individuo norte-americano, chamado Glenn Greenwald, que se instalou no Brasil, com a missão de destruir a imagem do Ministro da Justiça e Segurança Pública, Sr. Sérgio Moro, criou um portal chamado Intercept Brasil e através dele passou a divulgar e-mails e conversas de Moro com o promotor de Justiça Daltan Dallagnol, obtidos ilegalmente através de “hackers”, criando com isso as maiores divergências que as redes sociais já viram. Não tinha quem lhe fizesse oposição, até que apareceu um certo “Pavão Misterioso” que começou a descobrir coisas do arco da velha. O Sr Greenwald ficou furioso e revelou que veio morar no Brasil para se juntar ao ”marito”, o deputado Davi Miranda, que é suspeito de ter comprado o mandato do deputado Jean Wylllys, que renunciou sob uma desculpa esfarrapada e passou o cargo de deputado federal justamente a Davi Miranda de quem era suplente. Pois bem, o Sr. Greenwald quis aproveitar o fim de semana para ir a Parati fazer uma palestra – claro que contra Moro – num barco que ele alugou para isso. Teria uma plateia de pelo menos duzentas pessoas. Só que a palestra não se realizou porque os partidários de Moro a impediram de todo modo que foi possível. Rojões, foguetes, bombas caseiras, etc., provocaram o barulho suficiente para impedir que a palestra se realizasse. Claro que o Sr Greenwald terminou desistindo. O fato entra para a história porque pela primeira vez uma palestra não se realizou em Parati por conta de manifestações populares. Ah, sim, o americano anunciou ter contratado 40 advogados para processar quem atrapalhar sua vida.

Mais algumas curiosidades sobre este episódio:

1 – O Sr. Greenwald passou a ser tratado de Verdevaldo, por causa do seu complicado sobrenome. O jornalista José Neumânne Pinto só o trata assim em seu blog.

2 – Mr Greenwald apresentou-se ao público brasileiro como vencedor do Prêmio Pulitzer, no passado. Na verdade, ele teria dividido o prêmio com outro jornalista nos Estados Unidos.

3 – Há quem garanta que Greenwald – que inclusive editou a revista Veja da semana passada – teria dito que está louco para ir embora do Brasil, com ”mio marito”.

4- Uma última informação: conforme noticiei aqui há alguns meses, a revista Veja já foi vendida ao banqueiro Andre Esteves, do banco BCG Pactual. Aguardem por mudanças radicais na linha editorial da revista.

Comentários