MUSIQUALIDADE

0

R E S E N H A     1

 

Banda: NaurÊa

CD: “NAURÊA APRESENTA O SAMBAIÃO”

Gravadora: INDEPENDENTE

 

Quando a banda sergipana NaurÊa lançou, há uns dois anos atrás, o seu primeiro CD e começou a ser celebrada como uma grande revelação da música do Estado, fui conhecer o trabalho dos rapazes e de verdade gostei, porém não me engajei àquele alarde inicial porque ando cansado dessas “novidades” em Sergipe que são excessivamente cultuadas no primeiro estouro, mas que se mostram, em pouco tempo, serem simples traques de massa.

Esperei o segundo disco (que acaba de ser lançado e se intitula “NaurÊa apresenta O Sambaião”) e agora, sim, posso dizer que se trata, disparado, da melhor banda atualmente existente por estas bandas. Os sete componentes (Márcio de Dona Litinha, Alex Sant’anna, Léo Airplane, Abraão Gonzaga, Aragão, Binho Caixa d’Água e Patricktor4) têm mostrado considerável amadurecimento artístico e o que, antes, soava meio amador, agora já ganha ares profissionais.

É fato que o pessoal tem talento e, aliado a ele, talvez o mais importante: a vontade de chegar lá. Assíduos freqüentadores de apresentações na Rua da Cultura, local em que conquistaram grande parte de seu público, já tocaram e se destacaram também fora dos nossos limites territoriais, como no Festival de Inverno de Garanhuns e até na Alemanha, como ocorreu no mês de julho passado.

Muito bem gravado pelo competentíssimo Anselmo Pereira no Estúdio Caranguejo Records e com um trabalho gráfico simples, mas bem concebido e executado, o novo CD compõe-se de quinze faixas nas quais os ritmos nordestinos se impõem e ganham contornos bem interessantes. A maioria das canções é composta por Márcio que se mostra um criador inspirado, se bem que a banda conta com um outro compositor de peso, Alex Sant’anna, o qual, inobstante desenvolver paralelamente um ótimo trabalho solo, poderia ser mais utilizado pelo grupo.

As melhores faixas deste muito bem-vindo álbum são “Álcool ou Acetona”  e “Basta Viver”, mas dá para destacar também a deliciosa e politicamente incorreta “Vc Toda”, “Dona Lalinha”, “Fome Moderna” e a instrumental “Hoje Só Amanhã”. Há a participação especial de Silvério Pessoa em “Sexta-Feira”, porém este se mostra pequeno diante do som da banda.

A única preocupação que os rapazes precisam ter daqui para a frente é não se repetir porque de resto a banda está prontinha para conquistar o Brasil. É Sergipe mostrando que musicalmente não deve nada a ninguém!

 

 

R E S E N H A     2

 

Cantora: ADRIANA MOREIRA

CD: “DIREITO DE SAMBAR”

Gravadora: CPC UMES

 

Batatinha é um compositor baiano da melhor qualidade (embora ele já seja falecido, utilizei-me do verbo “ser” no tempo presente porque acredito que um verdadeiro artista nunca morre: eterniza-se através de sua obra). Mas mesmo tendo criado inúmeras canções (a maioria delas belíssimos sambas), seu nome nunca chegou a ser devidamente reconhecido, como ocorre, por exemplo, com o conterrâneo (e também autor de sambas memoráveis) Dorival Caymmi.

A cantora Adriana Moreira, numa tentativa de fazer chegar às novas gerações o trabalho musical de Batatinha, acaba de lançar o CD intitulado “Direito de Sambar”. Trata-se de um lançamento da pequena gravadora CPC Umes que chega ao mercado com tiragem inicial de mil cópias, mas que vem em muito boa hora.

Adriana foi criada no meio do samba e daí sua predileção pelo gênero, porém a cantora se sai bem também em ritmos menos salientes, como o bolero, por exemplo. Isso pode ser constatado através das quatorze faixas que compõem o disco recém-lançado, no qual Batatinha divide alguma de suas criações com parceiros como Paulo César Pinheiro, Roque Ferreira, J. Luna, Capinam, Edil Pacheco e Ederaldo Gentil.

Adriana, que merece aplausos pela louvável e corajosa iniciativa, ainda não se mostra inteiramente segura como cantora, mas (a persistir) o tempo se incumbirá de fazê-la mais correta.

Dentre os melhores momentos estão as obras-primas “Imitação” e “Diplomacia”, mas “Indecisão” e a faixa-título também merecem ser destacadas.

Um CD que merece ser conhecido!

 

 

N O V I D A D E S

 

·               E nesta terça-feira, dia 22, não se esqueça! Às 21 horas, no Teatro Tobias Barreto se apresentará o grupo Mawaca. A entrada é franca e o show é imperdível.

 

·               Em breve, chegará às lojas o primeiro DVD do paraibano Chico César, um lançamento da gravadora Biscoito Fino. Intitulado “Encontros e Desencontros de uns Tempos pra Cá”, o trabalho vai contar, nos extras, com as participações mais que especiais de Maria Bethânia (na canção “A Força que Nunca Seca”, parceria de Chico com Vanessa da Mata) e de Ana Carolina (em “Mulher Eu Sei”).

 

·               A gravadora Biscoito Fino também será a responsável por fazer chegar ao mercado o quarto e aguardado CD da baiana Virgínia Rodrigues. Cultuada mais no exterior do que em terras tupiniquins, a artista foi uma descoberta do conterrâneo Caetano Veloso que, de pronto, se apaixonou pela voz grave e gutural da cantora.

 

·               Estará chegando em breve às lojas, através da pequena gravadora Fina Flor, o terceiro CD do cantor Augusto Martins intitulado “No Meio da Banda”. O repertório conta com canções inéditas de Fred Martins, Ivan Lins, Elisa Lucinda e Fátima Guedes e há as participações especiais de Otto, João Donato e Moacyr Luz.

 

·               E a cantora Jane Duboc não pára: acaba de lançar o CD “Glow”, no qual interpreta canções de Sting e de Peter Gabriel acompanhada do violonista Arismar do Espírito Santo e do saxofonista Vinicius Dorin e já se prepara para mais outros dois projetos. Um é o CD que receberá o título de “Blues em Minas”, uma homenagem a Minas Gerais. O outro é o DVD “Dear Ella” em que vai interpretar os maiores sucessos de uma das maiores cantoras de jazz de todos os tempos, a americana Ella Fitzgerald.

 

·               O ator Daniel Del Sarto sempre tentou entrar no mercado fonográfico. O rapaz (que canta direitinho) acaba de gravar o seu primeiro CD de maneira independente e está negociando agora o lançamento do mesmo com algumas gravadoras que já se mostraram interessadas. O repertório é praticamente autoral (em parceria com Paulo Gouvêa) e segue a linha pop rock.

 

·               A gravadora Som Livre porá em breve no mercado o DVD com o show baseado no CD “Matrizes”, lançado pelos sambistas Cláudio Jorge e Luiz Carlos da Vila no ano passado. A gravação (que aconteceu em Salvador) conta com as participações de João Bosco, Martinho da Vila e Beth Carvalho.

 

·               O ex-titã Arnaldo Antunes estará lançando, em setembro próximo, o seu sétimo CD. Intitulado “Qualquer”, o disco chegará ao mercado através da gravadora Biscoito Fino e será produzido por Alê Siqueira. Do repertório constam parcerias com os colegas tribalistas Marisa Monte e Carlinhos Brown e também com Adriana Calcanhotto e Dadi Carvalho. Antigos sucessos como “Eu Não Sou da Sua Rua” (parceria com Branco Mello) e “As Coisas” (com Gilberto Gil) também estão presentes. Arnaldo recria ainda a canção “Acabou Chorare” (de Moraes Moreira e Galvão), título de antológico álbum dos Novos Baianos.

 

·               Gravado em 1999 para ser encartado em livro do artista plástico Bené Fontelles, o CD “Gil Luminoso” acaba de chegar comercialmente ao mercado. É um trabalho inteiramente autoral de Gilberto Gil, no qual o artista baiano desfia quinze canções de caráter filosófico e espiritualista somente acompanhado pelo seu violão. Dentre as faixas estão presentes “Copo Vazio”, “O Som da Pessoa” e “Você e Você”.

 

 

RUBENS LISBOA é compositor e cantor


Quaisquer críticas e/ou sugestões serão bem-vindas e poderão ser enviadas para o e-mail: rubens@infonet.com.br

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais