O Confinamento é um remédio pior que o mal?

0

Em tempos loucos de Corona-Vírus, ouso levar aos leitores da Infonet um texto de Renaud Girard, extraído da edição de hoje, terça-feira 07/04 do jornal Le Figaro do qual sou assinante.

Renaud Girard é um jornalista e escritor, nascido em 1955 em New York, especialista em geopolítica e relações internacionais, antigo estudante da “Ecole Normale Supérieure” e da “Ecole Normale d’Administracion”, autor de vários livros sobre temas de interesse político internacional e neste artigo, sem ser médico, põe em discussão o Confinamento, enquanto cláusula pétrea no combate ao Corona-Vírus.

 

Artigo de Renaud Girard no Le Figaro 07/04.

 

O confinamento é um remédio pior que o mal?

 RENAUD GIRARD

A pandemia atual multiplica incertezas. 

O vírus sofrerá uma mutação significativa? 

Nesse caso, essa mutação aumentará sua periculosidade para os seres humanos ou transformará a doença em um resfriado inofensivo? 

Haverá uma recuperação no outono?

No entanto, já há uma coisa que é certa: o Covid-19 não perturbará as estatísticas de mortalidade mundial previstas para o ano de 2020.

Sessenta milhões de pessoas morrem a cada ano em todo o mundo (incluindo 600.000 na França ou 11.500 por semana) e a epidemia de Covid-19 não mudará esse número significativamente.

A grande maioria das vítimas serão idosos ou pacientes cujos sistemas imunológicos foram enfraquecidos por outras patologias. 

Na França, a idade média das mortes por Covid-19 é de 81,2 anos. 

Em Luxemburgo, ela é de 86 anos.

Em seu site, a BBC dedicou um artigo inteiro à morte de uma menina de 5 anos. 

A mídia referencial britânica informa que a menina sofria de outra patologia, sem especificar qual. 

A morte de uma criança ainda é um escândalo.  É injusto e horrível.  Mas estas coisas acontecem. 

Seis milhões de crianças com menos de 15 anos morrem todos os anos em todo o mundo. 

Embora seja factual, o artigo da BBC inconscientemente alimenta a psicose coletiva ao espalhar uma mensagem subliminar: as crianças também morrem! 

A realidade estatística é exatamente o oposto: o vírus é quase inofensivo para as crianças. 

Mais tarde, os sociólogos terão que analisar cuidadosamente o papel que a mídia desempenhou no surgimento de uma psicose global diante de uma doença não letal.

As mortes causadas pelo Covid-19 excederão cem mil pessoas. 

Isso fará com que centenas de milhares de famílias sofram, o que é obviamente muito triste.

Mas você tem que saber o que levar em conta. 

Muito antes do início do coronavírus 2, da síndrome respiratória aguda grave (Sars-CoV-2), a doença pulmonar obstrutiva clássica já estava matando muito. 

Em 2016, eles mataram 3 milhões de vidas, segundo a OMS.  No entanto, naquele ano não se parou a economia do planeta.

Os acidentes de automóveis mataram mais de 1 milhão de pessoas em todo o mundo no ano passado.  Ainda não proibimos o tráfego. 

Felizmente, o número de mortes nas estradas vem sendo reduzido por meio de ações direcionadas (limites de velocidade, medidas criminais contra beber e dirigir, airbags nos carros, reparos nas estradas, etc.). 

Contra o Covid-19, também devem ser utilizadas ações direcionadas (rastreamento em massa, isolamento e atendimento de pessoas infectadas, equipamentos hospitalares com respiradores, etc.).  Tudo isso enquanto se espera o desenvolvimento de uma vacina.

Por outro lado, a mortalidade mundial poderá muito bem aumentar por causa da desorganização do mundo diante de um confinamento geral prolongado.  O remédio pode ser pior que a doença. 

As recessões econômicas diminuem a expectativa de vida. 

A grande maioria dos estados do planeta não possui um estado de bem-estar que cuide dos doentes de graça. 

Muitas famílias empobrecidas pela crise terão que deixar de receber atendimento (por tantas outras patologias) pelas quais poderiam pagar em tempos normais.

O perigo mais sério é o colapso das cadeias de suprimentos de produtos agrícolas, paralisado pelo confinamento dos países exportadores. 

A África, por exemplo, tornou-se muito dependente do exterior para própria alimentação. 

Alguns países estão assim por causa de sua demografia descontrolada (Egito), outros porque seu regime negligenciou a agricultura (Argélia). 

Infelizmente, os países da África Oriental e dos Grandes Lagos acabaram de ver suas colheitas devastadas por uma invasão de bilhões de gafanhotos. 

Os enxames são do tamanho da Grande Paris e devoram o equivalente nutritivo ao que os parisienses consomem diariamente. 

Essa praga causará uma fome que matará muito mais do que o Covid-19. 

Curiosamente, a mídia fala muito pouco sobre isso: o primeiro é uma praga para os países pobres, o segundo é uma doença dos países ricos.

Numa crise em que apenas os estados-nação demonstraram sua capacidade de agir com eficácia, esperemos que os governos do Sul e do Norte consigam considerar a realidade da pandemia a sangue frio. 

No Covid-19, geralmente é a reação exagerada do sistema imunológico que acaba por matar o paciente. 

Não reproduza, na geopolítica, esse erro da natureza! 

Vamos manter a calma e abster-nos de medidas políticas radicais que são perigosas para o futuro a médio prazo de todo o nosso planeta!

 

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários