O continuísmo dos “Britos” e o “cesarismo”.

0

Ontem os advogados sergipanos foram às urnas para eleger um dos três candidatos – Carlos Augusto (Chapa 01), Arnaldo Machado (Chapa 02) e Inácio Krauss (Chapa 03), o vencedor. Foi uma demonstração de democracia plena. Logo cedo simpatizantes postavam nas redes sociais quem era seu predileto e pediam para os colegas irem às urnas. Toldos montados na praça do Mine Golf e/ou Praça da Ordem tinham estrutura de open bar(sem álcool) para o eleitorado que comparecia com a vontade da mudança. Camisas,

IK: o vencedor. (foto facebook)

bandeiras, balões, “praguinhas”, gritos de ordem eselfiesda animada advocacia jovem transformava aquele campo de guerra política em um lugar harmonioso e respeitoso entre os concorrentes. Chamou-me atenção uma postagem no instagramdo advogado Paulo Sérgio, um ex-aluno, que dizia o seguinte: “ – Veja que festa é a eleição da OAB. Muita gente! Bandeiras, camisas e gritos! Não sabia que era tão bom ser presidente da Ordem”. As palavras de Paulo por si só demonstram o quanto não sabemos o que é bom ser presidente da nossa Instituição.

 

Mais uma vez os “Britos”, comandados por César vencem as eleições da Ordem. Hoje, todos nós devemos fazer uma saudação a CB levantando o braço para frente, com a palma da mão para baixo e por duas vezes urrar:“Ave Ordem! Ave César!” “Ave Ordem! Ave César!”.Ele merece! Merece pela falta de capacidade de

IK: o vencedor. (foto facebook)

organização de uma oposição onde as vaidades estão acima de tudo e de todos. Merece pelo narcisismo inconteste de uma oposição entender que a luta contra a máquina na Ordem só terá sucesso se estivermos unidos. Merece porque nós – esnobes – advogados não formarmos um líder capaz de vencer um grupo que se perpetua no poder por três décadas. Merecemos … merecemos… a saudação: “Ave Ordem! Ave César!” “Ave Ordem! Ave César!”.

 

Na quarta-feira passada, dia 14, comentei com o advogado Paulo José dos Santos Júnior, um dos sócios do escritório, que Arnaldo Machado estava em ascendência e iria surpreender e como surpreendeu. O estilo

HC: o grande general da Ordem (foto facebook)

“Bolsonaro” que tanto critiquei no começo da campanha estava dando resultados. Pelos menos de cada cinco advogados próximas que consultei dois votavam em Arnaldo. Então, a conta que Carlos Augusto fizera não batia. O discurso de AM era convincente e o crescimento estava às claras. Disse a Paulo José que os votos que Arnaldo já tinha retirado dos “Britos”, digo Inácio Krauss, já acabara e o seu crescimento seria a derrota de CA, pois começara a impor o discurso da verdadeira oposição. Nos debates Arnaldo como seu afiado “Machado” cortava os argumentos de Krauss deixava a seiva escorrer nas colocações de

ABES: o coronel da Ordem. (foto facebook)

Carlos Augusto. Era público e notório que estava mais preparado para os debates, até porque, as horas percorridas em salas de aula e boa argumentação deixavam para trás o ponto eletrônico Inácio (Henri Clay) e a solidão de Carlos Augusto. Saudemos:“Ave Ordem! Ave César!” “Ave Ordem! Ave César!”.

 

 

A cada debate AM crescia, CA ficava estático e IK perdia votos. Enquanto isso a “Britolândia” trabalhava as redes sociais. O coronel da Chapa 03, Aurélio Belém, articulava nos bastidores da Ordem o nome de IK. Criava desculpas para que Krauss não fosse aos debates. Em Itabaiana, maior colégio eleitoral, IK sequer

AM:discurso forte.  (foto facebook)

não teve agenda para participar dos debates, pois ali ABES que tem escritório na cidade dominava o terreno e sem mesa-redonda melhor para IK. Uma real campanha de estratégias, onde o “caixão de areia” (local onde os militares definem as estratégia de ataques) foi melhor utilizado pela Chapa 01. Enquanto isso, o general HC e o imperador CB estavam sempre na retaguarda analisando as alianças e dando suporte, digo suportes em todos os sentidos, aos oficiais superiores, intermediários, subalternos e os praças que construíam mais uma vitória para os “eles”. Saudemos: “Ave Ordem! Ave César!” “Ave Ordem! Ave César!”.

 

Infelizmente a queda do “cesarimos” não aconteceu, ou seja, continuemos na Idade Média da OAB/SE. O slogan: “A Ordem não tem dono!”, vai ficar engasgada por mais três anos em nossas vidas. Mais uma vez a

CA: coragem e solidão. (foto facebook

vaidosa oposição deixou escapar o passamento para a Idade Moderna, ou seja, uma ordem mais atuante, mas perto dos advogados, sem partidos políticos, sem sindicatos, sem grupos familiares, sem os “B…”. Desejamos a Inácio Krauss muita luz para nos conduzir nos próximos três anos. E por mais um triênio saudemos: “Ave Ordem! Ave César!” “Ave Ordem! Ave César!”.

 

AM:discurso forte.  (foto facebook)

 

CA: coragem e solidão. (foto facebook)

 

 

 

Comentários