Óbidos (Pt): Uma joia portuguesa, com certeza

0

Uma das vilas medievais mais pitorescas e preservadas da Europa, onde se toma um licor em copos de chocolates, conhece construções seculares e sobe-se nas muralhas para ver a bela vista da cidade, encrustada em um vale. Assim é Óbidos, cidade amuralhada localizada no distrito de Leiria, situada na província de Estremadura, a poucos 85km da capital, Lisboa. O topônimo Óbidos vem do romano Ópido, que significa cidade fortificada e assim o é.

Com cerca de 12 mil habitantes, mas que na alta temporada triplica sua população sazonal, não é por acaso que a cidade atrai tantos turistas. Já de longe, ainda na estrada, observa-se a linha da cidade emoldurada por uma fortificação e uma grande muralha que a circunda. Ao chegar mais próximo, um aqueduto em estilo romano dá as boas-vindas. Óbidos encanta à primeira vista.

Ruas e vielas recebem turistas do mundo todo durante o anoConta a história que em 1148, D. Afonso Henriques a tomou dos árabes, que a haviam conquistado. Óbidos foi oferecida como presente de casamento de Dom Dinis à sua esposa D. Isabel e mais tarde várias outras rainhas foram donas da vila, o que deu a Óbidos enormes benefícios. É uma das principais razões para lá se encontrarem tantas igrejas nesta pequena localidade.

Perto da capital e situada num ponto alto, próximo da costa atlântica, Óbidos teve uma importância estratégica no território. Já ocupada antes de os romanos chegarem à Península Ibérica, a vila tornou-se mais próspera a partir do momento em que foi escolhida pela família real.

Antigo castelo de Óbidos é uma das belas vistasO último movimento histórico mais famoso e que a vila presenciou foram as reuniões preparatórias para a Revolta de 25 de Abril, também conhecida como Revolução dos Cravos, uma revolução que depôs o regime ditatorial de Portugal e de onde surgiu então a democracia portuguesa.

Com o passar do tempo, Óbidos requalificou seus espaços degradados, passou por uma restauração de monumentos e recebeu o título de Cidade da Literatura chancelada pela Unesco, por lá ser berço de eventos voltados a arte. Também por ter sido regida por sucessões de rainhas, a cidade tem decorações por vezes românticas em ruas e esquinas.

Logo na entrada, a Porta da Vila, que era o principal acesso, tornou-se o primeiro ponto turístico. Decorada com azulejos tradicionais portugueses, representando a Paixão de Cristo, a Porta por vezes provoca encontro inusitados de carruagem em um vai e vem bem frenético de pessoas que querem conhecer a Vila.

Pequena vila medieval hoje mais parece um parque temáticoPercorrer as vielas e becos de Óbidos é voltar ao tempo. Em suas esquinas, o licor dos reis denominado de Ginja é comercializado hoje em pequenos copinhos de chocolate, transformando-o a iguaria em um souvenir, juntamente com os doces da cidade. A Ginjinha concorre nas prateleiras das lojas com os tradicionais souvenires em estilo medieval e as famosas porcelanas portuguesas.

Dentro da muralha, as casas por vezes pintadas de branco e bem conservadas compõem um emaranha de labirinto através do quais os turistas deve e ponde se perder para conhece-la melhor. Entre pórticos manuelinos, janelas floridas e pequenos largos, encontram-se vários motivos de visita, bons exemplos da arquitetura religiosa e civil dos tempos áureos da vila medieval.

Torres, escadarias e muralhaAinda na cidade amuralhada, faz-se parte da visitas as igrejas Matriz de Santa Maria com seus azulejos seculares; a Igreja da Misericórdia, a Igreja de São Pedro, o Pelourinho e alguns das edificações transformadas em livrarias, mercados e confeitarias.

Visite também o Museu Municipal de Óbidos, onde se encontram as obras de Josefa de Óbidos. Foi no séc. XVII uma pintora de referência e uma mulher com uma atitude artística irreverente no seu tempo.

No final da vila fica o Castelo de Óbidos, que é de origem romana e serviu como fortificação. O castelo mostra sua magnitude cortado o horizonte com suas torres de pedra. Vale a pena subir nas muralhas e verificar como elas serviram de sistema de defesa da vila, observando todo o vale envolto da cidade.

Fora da cidade amuralhada ainda há atrativos, como o aqueduto com 3km, mandado construir pela Rainha D. Catarina de Áustria e a Rua Direita, a principal rua que liga a Porta da Vila ao Paço dos Alcaides.

Dicas de viagem

Souvenir portugueses como regalos para todo o mundoHá opções de hospedagem na cidade, como hotéis, pousadas, hostel e pacotes que incluem uma estada no alojamento do castelo, porém a maioria dos visitantes que a visitam preferem o bate e volta partindo de Lisboa. Por vezes, o bate e volta é também feito com outros roteiros, a exemplo de Fátima, Nazaré e Batalha, em carro particular que custa em torno de € 190 a € 230, a depender do veículo e do percurso.

Caso queira passar mais tempo na cidade, o que vale a pena, faça conjugado com somente outro destino, a exemplo de Óbidos e Batalha, ou Óbidos e Fátima, a depender do que quer conhecer.

Durante todo o ano, um programa de eventos traz animação a esta pequena localidade, mas sem dúvida os mais concorridos são o Festival Internacional do Chocolate, o Mercado Medieval e o Natal, em que se decora a vila com motivos alusivos à época. Há também temporadas Música Clássica Barroca, de Cravo e o Festival de Ópera que concedem uma atmosfera especial a Óbidos, com espetáculos ao ar livre.

Gastronomia

Ginja em copinhos de chocolateQuando se visita um local, faz parte apreciar os sabores regionais de cada um deles e até mesmo o modo de produzi-lo, seus ingredientes e histórias. É a gastronomia aliada ao turismo. Em Óbidos destaca-se a caldeirada de peixe da Lagoa de Óbidos, acompanhada pelos vinhos da região demarcada do Oeste. Outra atração é a célebre Ginjinha de Óbidos, que se pode apreciar em vários locais, de preferência num copinho de chocolate. A Ginjinha é feita de uma fruta típica da família das cerejas. O licor é servido em um copinho de chocolate com a fruta Ginja. Embebecida no licor, o sabor é apurado e doce.

Fotos: Silvio Oliveira

Curta nossas redes sociais:

Insta      Facebook Silvio Oliveira       Tô no Mundo

Leia também

Lisboa (Pt) – Oceanário para todos as idades

Lisboa (Pt): Flanar por Belém e noite no Chiado

Lisboa (Pt): do Parque Eduardo VII ao rio Tejo

 

Comentários