Textos de Daniel Mason sobre Bispo do Rosário

0

A ficção de hoje vai misturada com alguma realidade da vida do artista plástico Arthur Bispo do Rosário (nascido em Japaratuba e quando se faz um filme (Senhor do Labirinto) sobre ele) .São trechos do texto antológico (“Um registro de minha passagem pela Terra”) elaborado por Daniel Mason, publicado no número 17 da revista “Piauí”, de fevereiro de 2008:

“Em Sergipe, onde nasci, lavadeiras estendiam roupas nas margens do rio para secar. Elas secam depressa, ficam rígidas, você sacode elas antes de dobrar, elas Estalam, um dos 4 sons das roupas. Quando eu era marinheiro, nada secava.. Em Sergipe, onde nasci, existem Casas de Barro. Cactos. Esqueletos. Bodes Magérrimos. Abutres voando em círculos.

Bandeira bordada em cinco cores. Azul. Vermelho. Verde. Preto. Azul-claro. Imagens da vida na Marinha. Imagens de bicicletas.14 bicicletas, todas bordadas. Registro de coisas que vi em 50 anos. Descrições na vida da Colônia Juliano Moreira. Notadamente ausente o nome de Rosângela Maria (Estagiária). É um trabalho antigo, antes dela.

Coleção de botões. Qual a cor da minha expressão? No ano da febre amarela nasci em Sergipe. Em Sergipe, passei meu Primeiro…Segundo…Terceiro…Quarto…no meu Décimo sexto aniversário, ouvi a voz de Deus, na Capela de Nossa Senhora das Lágrimas…Ela ainda me visita. Manda botões e clipes. Item. Janela de Sandálias e Peneiras…Aqui registro em 1 janela as 9 maneiras como o homem caminha em direção às coisas e as 11 maneiras como ele foge.

Canavial… os anjos me mandaram classificar as canas… Mas de algum lugar uma voz disse, Fui mandado aqui para por ordem no mundo…

Uma coleção de chapéus deixados por visitantes da Colônia Juliano Moreira, chamada por alguns de asilo de loucos, onde moro com 7000 outros, onde banhos gelados. confinamentos. eletrochoques. lobotomias. praxiterapia são ministrados pela equipe.

Em Sergipe, de onde vim, fugi do capataz para dentro do canavial.

Sentei-me com o médico. Ele disse: Bispo, você foi marinheiro…funcionário da Light…lutador de boxe… E quando veio para a Colônia?…22 de dezembro de 1938, meia-noite, acompanhado por 7 anjos,eu com a lança na mão…

Na Juliano Moreira, estou em pé diante de um espelho. Vejo meu paletó, suas faixas, botões, linha.Vejo o quarto. porta aberta.sombras lá fora. Não consigo ver-me, sou invisível. É um paletó maravilhoso, com muitos detalhes.Os outros conseguem me ver…eles vêem cabelos sujos. dentes amarelados…Rosângela (Estagiária) olha e diz, Vejo um rei. É um paletó magnífico.Você é o homem invisível mais bonito do Brasil. Do mundo, eu a corrijo, virando para ver as costas do manto, eu represento o mundo.”

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais