Cresce o número de mortes nas BRs

0

Em 2009 foram registradas 868 acidentes, sendo um total de 478 feridos e 55 mortes
A falta de atenção dos condutores ao volante tem aumentado o número de acidentes e mortes nas rodovias federais de Sergipe. O número de mortes em relação ao ano passado já preocupa os agentes federais que têm intensificado o trabalho de fiscalização, mas o alerta da Polícia Rodoviária Federal (PRF) vai para os motoristas que continuam fazendo da imprudência a causa morte nas estradas.

Segundo a PRF, em setembro de 2009 foram registradas 868 acidentes, sendo um total de 478 feridos e 55 mortes. Este ano o número subiu para 1137 acidentes, aumentando também o número de feridos para 633 e mortes para 88. Para o chefe do Núcleo de Comunicação Social da Polícia Rodoviária Federal em Sergipe, inspetor Flávio

Este ano o número subiu para 1137 acidentes
Vasconcelos, o número reflete o comportamento do condutor nas rodovias federais.

Inconsequência

“Se o comportamento fosse adequado 80% dos acidentes atendidos pela PRF seriam evitados. Um levantamento mostra que 80,75% dos acidentes acontecem em pistas em bom estado de conservação, 71,4% em retas, 63% com tempo seco e 53,6% em plena luz do dia. Dos motoristas que se envolvem em ocorrências de trânsito, 1/3 reconhecem que não prestavam atenção ao que estavam fazendo no momento do sinistro”, alerta Vasconcelos que atribui a uma falsa sensação de segurança.

“Essas condições provocam uma falsa sensação de segurança e leva a algumas atitudes imprudentes como ultrapassagem indevida e conduzir o veículo distraído”, lembra o inspetor.

“Se o comportamento fosse adequado 80% dos acidentes atendidos pela PRF seriam evitados”
Para exemplificar a importância dos cuidados que os condutores têm que manter nas rodovias, Vasconcelos, salienta que ao dirigir nas chuvas os condutores persistem em não observar os pneus, limpadores de Pará brisa ou ainda a velocidade. “Muitas vezes não é o fator externo, como chuvas ou buracos na pista, que leva os acidentes, o problema é a forma como dirigem”, diz o inspetor que lembra que a responsabilidade da direção é do condutor.

“De nada adianta o trabalho de fiscalização da PRF se o condutor se comporta de forma imprudente. Um exemplo é que a maioria dos acidentes são causados desobediência a sinalização. Tanto que a cada 10 condutores envolvidos em acidentes nove sabiam que estavam cometendo uma infração”, observa.

Motos

O número de feridos este ano subiu para 633 
O número de acidentes e mortes nas BRs envolvendo condutores jovens também é motivo de alerta. Para Vasconcelos uma dose de autoconfiança aliado a inexperiência dos motoqueiros está entre os motivos de acidentes. “O problema não é a moto, mas a forma como se é conduzida. A moto tem essa sensação de liberdade e muitas vezes a inexperiência de muitos jovens tem provocado acidentes”, ressalta o chefe do Núcleo de Comunicação da PRF.

Evite acidentes

Com um grande fluxo de veículos nas rodovias por conta do feriado de finados a PRF alerta para que o condutor observe o funcionamento do veículo além de obedecer à sinalização. “Manter os componentes mecânicos e elétricos do veículo em boas condições de uso. Além de obrigatórios, macaco, triângulo, pneu de estepe e chave de fenda, são fundamentais para os deslocamentos. Revise o veículo mesmo para viagens curtas, com atenção especial para itens como freios, pneus, parte elétrica e direção”,

o chefe do Núcleo de Comunicação Social da PRF em Sergipe, Flávio Vasconcelos
pontua Vasconcelos.

De olho no feriadão a PRF disponibilizou algumas dicas importantes antes e durante a viagem.

Distância de segurança dos outros veículos

Em condições normais (pista boa, velocidade de 80 km/h) recomenda-se manter uma distância média de 20 metros do veículo à frente. Nas vias de baixa velocidade ou nas aproximações para ultrapassagem, respeite a distância mínima de 5 metros. Na ultrapassagem de motociclistas, nunca se aproximar a menos de 2 metros. A distância lateral para ultrapassar ciclista deve ser de 1,5 m no mínimo.

Ultrapassagens indevidas

Não ultrapasse pela direita nem pelo acostamento. Redobre a atenção em pontes, viadutos e curvas e fique atento aos outros veículos. Antes de ultrapassar, tenha certeza de que as condições são favoráveis.

Descanso a cada 3 horas

Pare a cada 3 horas. O motorista que se expõe a muitas horas no volante, fica sujeito ao fenômeno da “hipnose rodoviária”, na qual se mantém de olhos abertos, mas sem percepção da realidade à sua volta. Ela vem acompanhada de sonolência, perda de reflexos e de força motora.

Não ingerir bebida alcoólica

Dirigir sob a influência de álcool provoca diminuição da noção do risco, levando o motorista a cometer imprudências.

Por Kátia Susanna

Comentários