José Alves Neto é o novo presidente do Tribunal de Justiça

0

José Alves Neto foi escolhido na sessão desta quarta-feira, 1º (Foto: TJ)
O Desembargador José Alves Neto acaba de ser eleito Presidente do Tribunal de Justiça de Sergipe para o biênio 2011-2013. A votação aconteceu na sessão plenária desta quarta-feira, dia 1º. A nova mesa diretora, que é composta pelos Desembargadores Osório de Araújo Ramos Filho  como vice e o Desembargador Netônio Bezerra Machado  como Corregedor de Justiça, foi  eleita por aclamação dos pares do Colegiado.

No final da sessão, o Presidente eleito agradeceu aos colegas pela unanimidade, lembrou da infância e do papel que sua mãe teve na trajetória profissional. “Minha mãe tem 97 anos, vou passar na casa dela agora e vou agradecê-la pelos esforços que fez pela minha educação”.

O desembargador terminou enviando um recado para todos que compõem o Judiciário sergipano: “Quero fazer uma administração tranquila, com os colegas, com nossos servidores e de mãos dadas com todos”. 

Curriculum do novo Presidente

Desembargador José Alves Neto é natural de Pinhão-SE, nascido em 18/07/42, onde começou os seus estudos em escola pública na Fazenda Floresta, concluindo o primário no Povoado Garangau, município de Campo do Brito; o ginasial em regime de internato no Jackson de Figueiredo e o clássico no Ateneu. É casado com Lígia Monteiro Alves, com quem tem 4 filhos.

Ascendeu à magistratura em 13 de maio de 1970, mediante aprovação em concurso público, com classificação no 8º lugar, na Comarca de Porto da Folha. Em 1971 foi removido para Tobias Barreto, quando decorridos 9 anos, foi promovido para Itabaiana pelo critério de merecimento, ali permanecendo por 2 anos. Posteriormente, foi removido para a 3ª Vara Cível da Comarca de Aracaju, tendo sido promovido a Desembargador, tomando posse em 20/03/2002, cargo que ocupa até hoje. Participou de 3(três) listas tríplices pelo critério de merecimento, concorrendo ao cargo de Desembargador.

Egresso da Faculdade de Direito de Sergipe, concluiu o seu curso, conciliando com as funções exercidas no Banco do Brasil por 6(seis) anos, em agência localizada na cidade de Lagarto, mediante aprovação em concurso público de âmbito nacional no 80º lugar em um universo de 500 selecionados. Nesse mesmo período, deu início ao exercício de advocacia na qualidade de Solicitador.

Após adquirir inscrição definitiva, advogou por mais de 2(dois) anos, em Lagarto, Riachão do Dantas, Simão Dias e Paripiranga(BA). Antes trabalhou no Banco Freire Silveira, no MEB (Movimento de Educação de Bases), este, órgão ligado à Igreja Católica, comandado por Dom José Vicente Távora, então arcebispo de Aracaju, quando nos idos de 1964 foi demitido em face do movimento revolucionário, tendo em vista que uma de suas funções era fundar sindicato rural em diversos municípios do Estado, sofrendo por isso restrições no seu direito de ir e vir por 45 dias.

Tomando posse como Vice-Presidente deste Tribunal em 02/02/2005 por 2(dois)anos, membro do TRE por 4 anos , assumindo a função de Corregedor como Juiz de Direito e como Desembargador por 2(dois) anos, foi também membro do TRE ocupando o cargo de Corregedor e Vice-Presidente e interinamente Presidente. Seus pais eram fazendeiros e comerciantes de tecidos. Assim como eles, também adotou o ramo da agropecuária, adquirindo o seu primeiro título de propriedade rural aos 10 (dez) anos de idade, em condomínio com 5 (cinco) irmãos.

Fonte: TJ

Comentários